31 dezembro 2020

O Cartão-de-Natal do Chefe da Casa Imperial do Brasil

 Todos os anos, os milhares de monarquistas brasileiros ficam no aguardo do cartão natalino de Dom Luiz de Orleans e Bragança, Chefe da Casa Imperial do Brasil. 

Este ano, já contemplando o vindouro Bicentenário da Independência do Brasil, no dia 7 de setembro de 2022, aprouve ao Chefe da Casa Imperial recordar uma importante efeméride de nossa História: a Batalha dos Guararapes de 1648, berço da brasilidade, uma vez que portugueses, índios e negros ali se uniram e, mesmo em desvantagem, lograram vitória, expulsando o invasor holandês, graças ao auxílio sobrenatural da Santíssima Virgem, sob a invocação de Nossa Senhora dos Prazeres.

Nossa Senhora dos Prazeres

Abaixo, excertos da mensagem do Príncipe:

“A maior ameaça à integridade e identidade do Brasil em seus cinco séculos de existência foi indiscutivelmente a ocupação holandesa em Pernambuco na primeira metade do século XVII, ambicioso projeto para um definitivo estabelecimento nas Américas, a “Nova Holanda”. Três esquadras, dezenas de milhares de homens em armas, artesãos de todas as especialidades, almirantes e generais e até mesmo um Príncipe de sangue empenhou a Holanda em tal intento. Mas, se abundaram os recursos materiais, faltou o mais importante para uma conquista definitiva, o dom das gentes. As populações pernambucanas, avessas a essa outra cultura e sobretudo à omnipresente e brutal pressão calvinista, passaram da resistência passiva às ações de guerrilha (...)

“Em 1645, os principais chefes luso-brasileiros firmaram um pacto para a luta organizada contra o invasor: André Vidal de Negreiros, João Fernandes Vieira e outros, Henrique Dias e Felipe Camarão – luso-brasileiros, negros, índios, logrando vitória, já naquele ano, na batalha do Monte das Tabocas, e em 1648 e 1649, nas duas decisivas batalhas dos Montes Guararapes. Nas três, travadas em grande inferioridade de condições dos nossos, foi patente o auxílio sobrenatural, registrado que está nos relatos do tempo (... )

“Vale recordar o acontecido em 1648. Era o dia 18 de abril, Domingo de Páscoa, por volta das 11 horas da noite, quando o General Dom Francisco Barreto de Menezes deliberava com João Fernandes Vieira e André Vidal de Negreiros sobre o enfrentamento com o inimigo que se daria no dia seguinte, festividade de Nossa Senhora dos Prazeres. Ciente de que dispunha de apenas 2.200 homens para enfrentar 7.400 do invasor, Dom Francisco, dirigindo-se a seus companheiros, disse-lhes: “Quero declarar-lhes que me lembro de nestes lugares erigir um templo à Virgem Nossa Senhora dos Prazeres se Ela, por sua poderosíssima intercessão, nos alcançar do Senhor das vitórias mais esta. Uma voz interior, uma força irresistível me aconselha que empenhemos a batalha, que a Virgem será conosco e ficaremos vencedores.” 

“No mesmo instante, em meio a um grande estrondo, aparece-lhes uma estrela fulgurante e ouve-se distintamente uma voz que diz: “Dom Francisco, a proteção com que contas te será outorgada! Combate e vencerás!”


A crônica de 31 de dezembro

 Como surgiram as monarquias? – por Armando Lopes Rafael

   No decorrer dos séculos, pelos usos, costumes e tradições dos povos, foram se formando as chefias naturais, sempre de baixo para cima. Pois tudo que é orgânico nunca emana de cima para baixo, mas decorre de baixo para cima. Assim nasceram as primeiras lideranças e os primeiros regimes políticos. Semelhantes a uma semente vegetal, que uma vez plantada no solo, tende naturalmente a crescer para cima, a se desenvolver, a alcançar uma plenitude e a realizar uma vocação. O mesmo que ocorre com as pessoas e com as sociedades. A riqueza da sociedade está exatamente nesta diversidade de vocações. Nesta harmônica e proporcional desigualdade. Se todos quisessem ser médicos, não teríamos o camponês, o artista, o engenheiro, o professor, o artesão, o historiador, o literato, etc. O igualitarismo continua sendo uma utopia (E onde foi implantado tornou a sociedade mais pobre, mais triste, mais desumana).

   Estima-se que a Monarquia tenha surgido juntamente com a organização da própria sociedade, ou seja, com a aglomeração de pessoas e a formação das primeiras cidades. No início era uma monarquia com muitos defeitos. Comandada pelos mais fortes, até que evoluiu para a escolha de uma família destacada. Posteriormente, foi adotado o direito hereditário e a primogenitura, evitando lutas e crises na busca pelo poder. Depois, tivemos as monarquias absolutas com todos os seus defeitos. É por isso que as monarquias absolutas são hoje descartadas pelos atuais monarquistas.

      Até que se consolidaram as monarquias parlamentaristas constitucionais, nas quais o Rei é só o Chefe de Estado. E o Governo (todo governo é sempre transitório, daí a alternância do poder) é formado após os resultados das eleições livres, quando o povo vota para escolher os vereadores, prefeitos, deputados, senadores e governadores.   
    
        Acertadamente escreveu o escritor Armando Alexandre dos Santos: “A monarquia longe de ser uma forma de governo arcaica e ultrapassada é moderníssima e de grande maleabilidade. Muitos a criticam por puro preconceito ou desconhecimento. Pode até parecer um sonho, mas como escreveu Fernando Pessoa: “Deus quer, o homem sonha e a obra nasce”. E se a monarquia parece um sonho, a república que temos no Brasil sem dúvida é um pesadelo”.