26 dezembro 2020

Esses tempos bíblicos - Por: Emerson Monteiro


Tempos de Babilônia e Jerusalém, quando nem tudo parecia tão normal assim e as caravanas demoravam a passar enquanto ladravam, impacientes, os cães, à beira das estradas desertas. De hora a outra, séculos ficaram diferentes do que videntes avisavam e brilharam com força as estrelas nos céus. Bem ali, num abrir e fechar de olhos, planos e expectativas quedaram inúteis. Agora, só o silêncio das esferas a percorrer firmamentos imaginários; lá dentro o vazio das distâncias impossíveis de viver. 

Nisso, hordas bárbaras seguiram com as suas invasões territoriais. Do quanto de herança definitiva apenas restaram intactas as capitanias hereditárias na memória dos livros abandonados. De certeza plena restaram os fragmentos dos poemas soltos pelo ar. Daquilo de coerência nas leis quase nada real ficou grudado às paredes inexistentes.

Por isto, na história, um instante de séculos e séculos de tantos erros são frutos das vaidades neste chão. Fome e ingenuidades do poder preenchem as horas dos humanos. Ninguém, pois, que garanta o dia seguinte, face as tais ameaças dos ventos contrários do flagelo inesperado. 

Vêm de volta lendas judias na busca incessante da Terra Prometida, que hoje existe em lugar algum no íntimo das pessoas; porquanto sombras já encobrem o conforto das cidades, os parques e vilas. Pessoas silenciosas vagam pelas ruas feitas visagens na fuligem do drama coletivo, quais meras ausências esquecidas em viagens intergalácticas. Longas filas nos bancos, nas lotéricas e nos becos e avenidas. Solidão. Multidão. Seres humanos. Viver passou a significar atividade de alto risco, aventura de causar espêcie, pânico religioso que preenche ruas e praças, campos e arvoredos, nas noites escuras de medo e dúvidas, aos sons desconhecidos de sinfonias enigmáticas, a menos que saber o valor da esperança e da paz toque por perto o coração dos viventes em seus movimentos atuais.


Esperança – José Luís Lira (*)

 

    Esta é a última coluna do ano e como diria um narrador de futebol, a escrevo nos últimos minutos do segundo tempo do tempo que a redação nos deu. É manhã de véspera de Natal. Em casa estamos papai, mamãe e eu. À tarde e noite estaremos no sítio. “Veremos” a Missa pela TV.  E aquele clima de alegria, de festa não se fez ausente, graças a Deus! Quando tendemos a fraquejar, vem uma mensagem, uma ligação, um áudio e nós lembramos que há 2020 anos Aquele que é a razão da celebração de hoje, nascia numa manjedoura. Seus pais, aflitos, buscavam um local digno para a criança nascer. Eles tinham a certeza de que o Redentor estava prestes a nascer, mas, uma dúvida sobre sua segurança pairava. Será que também não estamos assim? Por outro lado, a fé e a esperança nos movem. E por falar em esperança, não posso deixar de citar um comercial de uma rede bancária brasileira que há alguns anos nos premia com a voz da grande dama da TV, Fernanda Montenegro. 

    Este ano de incertezas, dona Fernanda, aparece numa praia. Está de costas, olhando para horizonte. Enquanto ouvimos sua fala como se lêssemos seus pensamentos, pois, na filmagem ela não fala: “Não espere que eu repita tudo que já foi dito esse ano. Eu não olho para o passado. Eu existo para o futuro: me chamo Esperança. Eu sei, tem horas em que você quase me perde, mas sempre que isso acontece nós terminados juntos de novo, a esperança não existe sem você e você não existe sem ela. É por isso que esse filme termina não com uma marca, mas, com um convite: acredite em 2021! Acredite!”.

    É o que precisamos: ter fé, esperança, acreditar que novos tempos virão. É esta a força motora da humanidade. É preciso também que façamos nossa parte. Saíamos apenas o necessário. Evitemos aglomeração. E nesta noite de Natal, assim como penso será a de Ano Novo, estaremos mais próximos da família. Em minha família sempre reunimos família, familiares e amigos de quase uma vida toda no nosso cantinho que é o Sítio Monte Alegre (o nome não é poético, está na escritura do imóvel). E na noite de Natal o Monte é mais Alegre, mais iluminado pelas luzes, colorido pelas presenças e feliz porque é a festa maior da Cristandade. Este ano estaremos apenas a família, mas, felizes, primeiro pelo nascimento de nosso Salvador, depois, porque estamos com saúde, em paz com cada um de nós, maravilhados porque teremos as presenças das duas joias mais raras que temos: Isadora e Anne Eloísa que ano passado tinha pouco mais de um mês e hoje tem um ano e um mês. Ela ensaia seus primeiros passos e palavras e tudo é festa para seus pais, Robério e Elisiane, e para nós todos. Conversei com a Isadora que o Papai Noel pertence ao grupo de risco e não pôde vir este ano, mas, lhe mandou presente. E seu lindo sorriso, talvez um pouco desconfiado dessa “estória”, mas, com toda a ternura da inocência, se esboçou.

     Que em 2021 tenhamos boas-novas, boas-notícias e lembremo-nos das palavras do Samuel, último dos Juízes em Israel e primeiro dos Profetas após Moisés, “Até aqui nos ajudou o SENHOR” (1Sm  7,12). Que Ele continue a nos ajudar e a escrever nossa História! Concluo com o lema da Ordem Pontifícia da qual sou Cavaleiro, a nobre e pontifícia Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém: Deus lo vult (Deus o quer).
Feliz 2021!

(*) José Luís Lira é advogado e professor do curso de Direito da Universidade Vale do Acaraú–UVA, de Sobral (CE). Doutor em Direito e Mestre em Direito Constitucional pela Universidade Nacional de Lomas de Zamora (Argentina) e Pós-Doutor em Direito pela Universidade de Messina (Itália). É Jornalista profissional. Historiador e memorialista com mais de vinte livros publicados. Pertence a diversas entidades científicas e culturais brasileiras.