18 dezembro 2020

Os lados da moeda - Por: Emerson Monteiro


Dois aspectos da existência e suas funções principais, morte e amor fornecem os meios necessários à compreensão universal. Dois passos de um só corpo, margens do mesmo rio, alimentam a possibilidade no chegar nalgum momento ao objetivo certo. Examinar em volta os infinitos aspectos da realidade, nisso persiste a descoberta do segredo que todos esperam revelar do filme que somos nós. Fugir de si, impossível. Apenas rever os papéis desempenhados, e aceitar decidir lá um dia pela porta que quer entrar, final ou início eterno do amor.

Transcender, elevar a visão, sobreviver, nisso a ressurreição do processo onde caminhar. Agir rumo da transformação do ser falível num ente livre e desperto. Trocar de pernas, permanecer aqui neste chão ou descobrir a que se vem pelas reencarnações. Caminhar no sentido da liberdade. 

Que morrer ninguém quer, novidade nenhuma. Apesar de apreciar o sensacionalismo do sofrimento alheio e dos fins trágicos dos outros, defeito que alimenta as aves de rapinas, no entanto lá por dentro mora solta a vontade no continuar. 

Justa das alternativas que oferece continuidade, amar significa sempre a perpetuação da individualidade, no mistério de existir. Correr aonde mais de nada importa que represente realidade além da forma de perder sem outra chance, ainda aqui nesta hora.

Conquanto cheios de furor e festa, os humanos deitam na lama do extermínio de si as ganas de eliminar a monotonia aparenta deste mundo artificial. Pura perda de imaginação e jogar fora todas as maravilhas da genial Criação, lançam nos lixões da aparente facilidade o final feliz da imortalidade.

Amar, amor, vida eterna de que falam os místicos, assusta os pretensos materialistas do plantão em queda livre. Enterram a cabeça na areia do prazer embriagador que mata na maior sem cerimônia. Enganam, se enganam e gostam de perder a melhor parte, o todo.


Carta ao Menino Jesus – José Luís Lira (*)

    Querido Menino Jesus. Sei que para vós nada é comparável ao que vivemos, ao que sonhamos. Há mais 2019 anos celebramos vosso nascimento. E, podemos tratá-lo por Menino, embora saibamos que crescestes, que neste mundo encontrastes ternura e amor, mas, encontrastes a fúria, a inveja e a maldade. Ainda assim, sabemos da missão que vivestes – quase igual a nós –, mas, não tinhas o pecado em vós; que crescestes em fé e sabedoria; que foste ao deserto; escolhestes doze amigos para acompanhar-vos e n’eles retratastes a humanidade: homens de fé, corajosos, fracos... a inveja e a traição esteve entre eles; ensinaste que o amor é o maior mandamento; fostes  c-r-u-c-i-f-i-c-a-d-o.... ressuscitastes e a glória se instalou entre os que vos viram e, também, entre aqueles que não vos viram.

   Querido Menino Jesus, vou continuar a me dirigir a vós, Menino. Terno. Lindo como toda criança, independente de sexo, de cor, de raça, é. Todas as crianças são lindas e um dia dissestes, “deixai vir a mim as crianças, pois, delas são o reino dos céus”.

    Sabe Menino Jesus, penso que este ano muitos e muitos recorremos a vós. Não tem sido muito fácil. O mundo se abala com uma pandemia. Não se pode dizer que há uma parcela da população que foi atingida. Todos podem e não podem ser vítimas da pandemia. E eu venho vos pedir não “o retorno à normalidade”, mas, o fim da pandemia. Que a nova normalidade tenha mais amor, mais dignidade. Que, no momento, haja mais responsabilidade e que o mundo reconheça suas fragilidades e reconheça que é em vós que devemos buscar a solução para os problemas da humanidade. Nós vos pedimos que ilumineis os cientistas; aclareis as mentes arrogantes e que a solução para essa pandemia chegue à terra. 

    Ouvi uma mensagem comovedora de um neto para uma avó sobre a possibilidade deles não se encontrarem no Natal. O vosso aniversário acabou se tornando uma celebração da humanidade. Nem sempre a ternura prevalece. Sei que é difícil, mas, este ano a solidariedade tem que ser nosso diferencial. Muitas pessoas necessitam e mesmo com as limitações impostas, temos que fazer nossa parte. Aqui me recordo, mais uma vez, da missão de vosso filho Pe. Júlio Lancellotte, para quem Natal é todo dia, indo ao encontro dos irmãos mais necessitados.

     Vejo a cidade se preparando para a Noite Feliz, noite de vosso nascimento. E um clima de preocupação paira no ar. Até no Vaticano a Missa teve o horário alterado e haverá limitação de participantes. O medo ronda o mundo. 

     Essa semana, enquanto trabalhava na causa de beatificação de um servo vosso, Mons. Waldir Lopes de Castro, me impressionou um escrito dele na véspera do encontro definitivo dele convosco. Ele falava da visita de vossa Mãe, Maria Santíssima, à prima dela, Isabel. Ele dizia que Deus também nos quer visitar... e que “se essa visita foi ardentemente desejada, ela acontecerá. E essa visita poderá continuar-se. Assim, Natal nunca mais deixará de existir...”

   Que o medo se afaste e ouçamos o anjo: “Não tenham medo. Estou lhes trazendo boas novas de grande alegria, que são para todo o povo: Hoje, na cidade de Davi, lhes nasceu o Salvador, que é Cristo, o Senhor”. Que convosco, Sagrado Menino, nos venham boas-novas, literalmente.
     Santo Natal a todos!

     (*) José Luís Lira é advogado e professor do curso de Direito da Universidade Vale do Acaraú–UVA, de Sobral (CE). Doutor em Direito e Mestre em Direito Constitucional pela Universidade Nacional de Lomas de Zamora (Argentina) e Pós-Doutor em Direito pela Universidade de Messina (Itália). É Jornalista profissional. Historiador e memorialista com mais de vinte livros publicados. Pertence a diversas entidades científicas e culturais brasileiras.