25 setembro 2020

Transcendência - Por: Emerson Monteiro

 Nas batalhas, entre exércitos que combatem, no campo de manobras resta margem de respiração no meio dos dois territórios. Aquela faixa recebe o nome de Terra de Ninguém. Zona intermediária por demais importante, exige de ambos os lados condições mínimas de respeito a título de segurança das tropas. 


Assim nos humanos. De um aspecto, o mundo ilusório. Do outro, a transcendência do Ser. Qual fruto em fase de amadurecimento, a existência permanece o tempo inevitável de, um dia, cruzar a fronteira e unir a divisão dos dois eus que ainda elaborar o sonho da Salvação. 

Presos ao Chão daqui, estamos nessa época de cruzar a Terra de Ninguém e desvendar os bosques da libertação da individualidade. Nisso, a busca da Luz da espiritualidade. Largar os apegos da matéria e conduz o barco aos oceanos do Infinito, razões principais da Consciência. O barco do Ser que se permitir navegar em águas da Perfeição.

Nessa epopeia de realização, o trilho há de iluminar a alma da gente. Primeiro, saber disso. Desvendar o primor da possibilidade. Admitir o senso da procura e caminhar rumo da concretização. Trabalhar em si os meios de querer e dar o primeiro passo. Exercitar o conhecimento através dos meandros por vezes escuros daquela zona de luta de nós conosco próprios. 

Transcender, eis o nome que resume as ações de vencer as montanhas e os precipícios da zona desmilitarizada dentro do campo de batalha que somos nós mesmos. Converter a permanência em impermanência e deixar margem a transpor o espaço das contradições, até revelar ao ser interior o mistério da superação. Isto significa bem o decorrer das buscas.

Ausentes disso, dessa condição determinada através das leis eternas, fora daquele território neutro, impera a inexistência, cavernas da ilusão. Requer coragem vencer as barreiras dos céus e chegar aos braços do Amor, fonte da Vida.