22 setembro 2020

Há uma luz acesa no coração - Por: Emerson Monteiro


Vem de dentro do silêncio essa voz que embala o sentido das existências, luz que ilumina a firme disposição de continuar pelas vidas afora. A força do querer. Ninguém que se preze fugiria de admitir este poder indomável de querer seguir mesmo diante dos obstáculos que sujeitem os dias. Autores da vontade de viver a todo o momento depois de lançados na correnteza, os humanos sobrevivem às intempéries mais duras, sempre no ímpeto de preservar a oportunidade deste chão por vezes tão inóspito. Os maiores apuros jamais desvanecem o impulso das vidas, por menos e válidos elementos estejam disponíveis.

Esse querer de sobreviver nasce de luz que ilumina o coração da gente, a reclamar espaço no invisível do tempo. Independente, pois, das condições necessárias, se quer a qualquer custo alimentar a ânsia de existir, tanger adiante o processo de estar aqui agora, fruto das escolhas logo após o nascimento. Paladinos desse apostolado, nem sempre conhecemos a fonte origem de tanto empenho, porém há, sim, uma luz bem acesa no coração da gente, que alguns denominam fé, outros coragem, esperança, convicção, ideal, amor, justiça, paz, etc.

Autores existencialistas esclarecem tais razões quis sejam vontade, exercício de liberdade, sonho de poder, enquanto os outros indivíduos estabelecem limites aos demais sob que exercitar esse tal estado de potência; a nós correspondem as escolhas daquilo que nos permitam escolher. Todavia persiste e luz acesa na alma das criaturas humanas, foco das atitudes dia após dia.

Quanto à resposta que seja dos viventes caberão, outrossim, variações de pessoa a pessoa, vindo desde então os tantos desempenhos e práticas trazidas às histórias das gerações. Isto varia ao infinito, conquanto demasiadamente, no território entre o fracasso e o sucesso, dos dramas às alegrias, retratos fieis das epopeias deste mundo fruto da compreensão dessa luz que ilumina no coração de todos o desejo de viver.