07 setembro 2020

Salve 7 de Setembro


   Mais do que uma efeméride cívica, comemoramos – no dia 7 de Setembro – a data maior da nossa pátria. Foi neste dia, em 1822, que o Imperador Dom Pedro I proclamou a independência do Brasil, às margens do riacho Ipiranga, através do brado retumbante: “Independência ou morte!”.

    Nesta 2ª feira, de Norte a Sul, de Leste e Oeste, milhares de  brasileiros sairão às ruas – mesmo em meio à epidemia do vírus chinês – que impediu os desfiles cívicos-coletivos de  militares e estudantes,  realizados há 198 anos, fazendo o nosso “bandeiraço” que cresce a cada ano e já se tornou tradicional. Não haverá aglomeração. Mas, dentro dos carros, percorreremos as ruas e avenidas de nossas cidades. Orgulho de ser brasileiros!

 
  

Pela primeira vez, em quase 200 anos, Crato não realizará desfile no dia 7 de Setembro


Por conta do corona vírus chinês, que infectou milhões de pessoas pelo mundo, as comemorações do dia 7 de Setembro, nesta Mui Nobre e Heráldica Cidade de Frei Carlos Maria de Ferrara passarão em brancas nuvens...

   Verdade que nos últimos anos as comemorações cívicas lembrando a independência do Brasil tinham perdido o glamour que tiveram até a década 60 do século passado. A decadência que varre o atual Brasil já tinha introduzido até um desfile paralelo, o “Grito dos Excluídos”, inventado pela corrente da Teologia da Libertação, uma ala minoritária na Igreja Católica. Mesmo assim ainda havia a passeata das escolas. . Embora bem diferentes dos saudosos desfiles do passado.

À esquerda o Colégio Diocesano; ao fundo a antiga Cadeia Pública e Delegacia de Policia. O 7 de Setembro em Crato era uma grande festa cívica....

   A foto acima foi feita num dia 7 de setembro, nos anos 60. Naquela época, na cidade de Crato, a mais importante efeméride cívica brasileira,  era uma festa! Ao longo da Avenida Duque de Caxias terminava os desfile,  que recebia o Tiro de Guerra (TG 205), Grupo de Escoteiros, Colégios, Ginásios e Grupos Escolares cratenses. E a população entupia as ruas para participar da festa cívica.

    Naquelas manhãs sempre ensolaradas, ao som de tambores, taróis e cornetas, desfilavam ainda  os chamados carros alegóricos, uma atração à parte. Cada escola tinha sua baliza – cuja escolha sempre recaía numa bela jovem – que garbosamente, desfilava a frente dos pelotões. Na decoração das ruas predominava as cores verde-amarelas. Tudo feito de forma espontânea pelos educandários e as diversas camadas da população.

      Hoje, pela primeira vez desde 1823, não haverá o desfile de 7 de Setembro em Crato...