25 abril 2020

A “maldição” da República – por Armando Lopes Rafael



Há quase dois anos publiquei – em 7 de junho de 2018 – com o título acima este artiguete. Depois da decepção que as pessoas de bem do Brasil sofreram ontem, 24 de abril de 2020, com o episódio da renúncia do Ministro Sérgio Moro, vi que este escrito permanece atualíssimo. Leia e confira.


   Cenário triste e lamentável, este atualmente vivido pela republiqueta brasileira... Cenário de crises: moral, ética, política, econômica, a desaguar na crise de representatividade da atual disputa pelo poder. Compreendo quem diz “não vou votar em ninguém”. Este ano quem quiser votar terá de escolher “o menos pior”.

     A decepção com a classe política é grande! E, pior ainda, ninguém sabe quem vai ganhar o pleito para a Presidência da República. Parece até maldição. Entra Presidente, sai Presidente e nenhum é alvo – não diria de orgulho, pois já é querer demais para tempos tão caóticos como os atuais, mas, digamos, pelo menos de um mínimo de respeito, da parte do sofrido e decepcionado povo brasileiro.

        Razão teve um dos presidentes desta república (e eles são, por baixo, quarenta e dois (42), em 129 anos desde Deodoro da Fonseca), no caso o General Figueiredo (que governou o país entre 1979 a 1984), ao afirmar: “O Brasil não merece os políticos que tem”. Isso foi dito há quase 40 anos, quando não tinha vindo, ainda, à tona escândalos de corrupção (considerados os maiores na história da humanidade), institucionalizados pelos governos do PT (Lula/Dilma) – como o  “mensalão”, o “petrolão”, a roubalheira nas estatais e nos fundos de pensão, dentre outros, os quais desaguaram na Operação Lava Jato.
          Se o fato abaixo é verídico, eu não sei. Mas consta no livro “A Maldição do Imperador-Cem anos de República–1889-1989", do advogado e historiador - residente no bairro Muriti, em Crato, Francisco Luiz Soares, impresso pela Gráfica Sidil Ltda. Divinópolis-MG, 2000, página 364). A conferir:

 “Um religioso, muito amigo e íntimo de Dom Pedro II, com quem conviveu quase toda a vida, de quem era confidente e conhecedor de todas as suas lutas, dificuldades, angústias e sofrimentos, e que no calor do movimento da expulsão de Dom Pedro II e toda a sua família, vendo a injustiça contra o Imperador sendo praticada, teria dito para que muitos ouvissem:
“Maldito seja o Marechal Deodoro e todos os que o acompanharam nesse ato de injustiça, que é a expulsão do mais ilustre brasileiro, Dom Pedro II. Malditos sejam pelo uso da espada, contra um homem velho, indefeso e doente. Malditos sejam todos aqueles que ocuparem o cargo de governantes do Brasil sem legitimidade. Malditos sejam os republicanos!”.
      
            Pois é. Verídico ou não, a república e os republicanos nos legaram a situação do Brasil atual. Pelos frutos se conhecem as árvores, disse Nosso Senhor Jesus Cristo.