21 julho 2020

Além das palavras e dos gestos - Por: Emerson Monteiro


Bem no horizonte do silêncio, qual nasce o Sol, logo ali de dentro vêm as palavras e os gestos, espécies de longo rebanho de minúsculos seres em formação perene. Tais nuvens que acordam o dia, umas sementes vivas, elas pulam fora das inteligências e abrem portas às manhãs feitas de flores, pássaros e os outros animais que brotam acesos da terra nua. Convulsas, chamam a pensar, a desvendar consciências nas compreensões adormecidas de nós, seres humanos. Crescem pelo ar dos pulmões e das redes elétricas do cérebro, vezes até transidas ainda no frio gelado das madrugadas, caminham lentamente à busca de interpretação na luz que ofusca os tempos e as criaturas. Nisso, se foram milênios sem fim, noites e dias, sonhos, dúvidas e explosões de filosofia.

Fôssemos rever, porém, os códigos abandonados das antigas civilizações, acharíamos nossos iguais a trabalhar o esforço das bibliotecas de argila, couro e papiro, nas grandes navegações do espírito às interrogações de sobreviver ao infinito das esferas. O porquê de tudo isso ora esbarra nas máquinas elétricas e nos cabos submarinos espalhados mundo afora. Olhos postos nas letras, perguntam os humanos do jeito semelhante das cavernas e das catedrais, donde viemos, o que aqui fazermos e aonde chegaremos quando tudo acontecer e simplesmente desaparecer no mistério.

Na ânsia febril de reconhecer o território em que pisa e descobrir as razões de trocar tantos sentimentos de gerações e gerações perdidas, resignamos aos desejos de aceitar, apenas viver uma forma de seguir o que a vida impõe, sem maiores dúvidas de que ao Nada nos conduz, a correnteza dos acontecimentos. Admitir essa falência das ideias em nome da sobrevivência do Ser, enquanto adormecemos sob as lâminas de aço das ilusões e sofrer do desvario das ausências. Bom, caso outros encontrem as ruínas desta civilização, dirão somente que houve um povo feliz vivendo no Tempo, o solo fértil onde plantamos e, inevitavelmente, colheremos as certezas inevitáveis do Destino para sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.