09 junho 2020

Bispo de Petrópolis comenta livro sobre a Princesa Isabel – por Armando Lopes Rafael


Lançado recentemente, o livro “Alegrias e Tristezas. Estudos sobre a autobiografia de Dona Isabel do Brasil” da lavra dos historiadores Fátima Argon e Bruno Antunes de Cerqueira, já pode ser considerado um clássico dentre os muitos livros escritos sobre a Princesa Isabel. 


   O Bispo Diocesano de Petrópolis, Dom Gregório Paixão, monge beneditino, é um dos mais cultos bispos brasileiros, por todos reconhecido. Ele  publicou uma nota – no seu facebook – sobre o capítulo “Entre o Céu e a Terra”, constante do livro acima citado. Antes de publicar o comentário do bispo, permita-me fornecer algumas informações sobre Dom Gregório Paixão.

   Ele nasceu em Aracaju, Sergipe, em 3 de novembro de 1964. Cursou Filosofia e Teologia na Escola Teológica da Congregação Beneditina do Brasil, vinculada ao Pontifício Ateneu de Santo Anselmo, de Roma. Dom Gregório é Doutor em Antropologia pela Universidade de Amsterdã, na Holanda. Poliglota, foi Diretor do famoso e tradicional Colégio São Bento da Bahia e da Faculdade São Bento, assim como da Revista Análise e Síntese. Lecionou Língua Grega, Homilética e Antropologia. Possui mais de 20 livros publicados.

   É músico e pintor, tendo cursado Piano e Órgão de Tubos no Instituto de Música da Universidade Católica do Salvador, onde foi aluno da famosa pianista Zélia de Araújo Vital. Estudou Artes Plásticas no atelier do renomado pintor Waldo Robatto, em Salvador.

   Agora transcrevo o que publicou este bispo sobre o livro biográfico da `Princesa Isabel. A conferir.

"Apraz-me destacar um ponto crucial da vida de D. Isabel: sua religiosidade. Esse tema foi, não poucas vezes, tratado com descaso e preconceito por alguns historiadores que, sob um olhar ideologizado — como hoje costumamos falar — julgaram a aparência, sem uma leitura correta da alma oitocentista e sem perceber o valor recôndito de quem sonhara com uma “política do coração”. 

Alegrias e Tristezas. Estudos sobre a autobiografia de Dona Isabel do Brasil” é, portanto, uma parábola verídica, num tempo determinado, sobre uma pessoa específica, nos convidando a penetrar nas histórias misteriosamente sentidas, publicamente vistas e profundamente vividas. Desse modo, Fátima Argon e Bruno Cerqueira dão-nos a conhecer uma vida que construiu histórias, muito além das visíveis narrativas epistolares, centelha de uma existência madura que nunca cessou de nos instigar e ensinar, entre lágrimas e risos.

Parabenizo aos nossos escritores pela iniciativa e convido a todos para saborearem o que tive privilégio de experimentar por primeiro. Tenho certeza de que muitos poderão desfrutar da alegria de penetrar na história de uma mulher inteligente, virtuosa e cônscia de seu papel de cidadã, cristã e política, escrevendo suas memórias com a saudade de sua gente e da terra onde fora proibida de viver. 

Somos gratos a Fátima Argon e Bruno Antunes de Cerqueira por nos apresentar, com profunda clareza, o coração de D. Isabel... suas escolhas... suas alegrias e não poucas tristezas... dando-nos oportunidade para aprendermos com sua existência que “as palavras ensinam, mas os exemplos arrastam”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.