07 março 2020

O afeto que se encerra – por Eliton Rosa (*)


“Salve lindo pendão da esperança!
Salve símbolo augusto da paz!
Tua nobre presença à lembrança
A grandeza da Pátria nos traz.
Recebe o afeto que se encerra
em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!”

(estrofe inicial do Hino à Bandeira Nacional)



Além de título de um livro, a frase acima faz parte do Hino à Bandeira Nacional, de inspiradas belas letra e música de Olavo Bilac e Francisco Braga, que traz a terna lembrança dos tempos de escola, da infância, adolescência e juventude de outras gerações, de amor à Pátria que esse hino encerra. Título apropriado para começar e permear o artigo sobre a situação que vivemos (Fabio Giambiagi, 4/3, A2).
O que fazer para conviver com a perda de sentimento por um lugar, pessoas, país de origem? Vivemos hoje um Brasil maniqueísta. Perdemos a noção de nação. Ainda pode demorar algum tempo para que “o afeto que se encerra em nosso peito juvenil” volte a florescer. Para tal é preciso alimentação, educação e saúde. Enquanto isso não se concretizar, vale lembrar a máxima cruel, dura e real: “terra é onde se vive, se trabalha, se come”, com todas as suas mazelas.

(*) Eliton Rosa – e-mail: elitonrosa@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.