22 dezembro 2019

Prece Junto ao Presépio -- por Plinio Corrêa de Oliveira



    Aqui está, Senhor Jesus, mais um filho da Igreja militante trazido pela graça que vossa celeste Mãe, por suas preces, obteve de Vós. Eis este batalhador, ajoelhado diante de Vós, antes de tudo para Vos agradecer. 

    Agradeço-Vos a vida que me destes, o momento em que insuflastes minha alma, o plano eterno que tínheis a respeito de mim, por onde deveria haver nos desígnios de Deus alguém que, dentro da coleção dos homens, haveria de ocupar este lugar, mínimo que fosse, no enorme mosaico de criaturas humanas destinadas a subir ao Céu. 

    Agradeço-Vos por terdes posto uma luta no meu caminho, para que eu pudesse ser herói, e a força que me destes para rezar, resistir e espancar o demônio.

    Agradeço-Vos todos os anos de minha vida passados na vossa graça e aqueles em que, embora não transcorridos na vossa graça, Vós os encerrastes e, abandonando o caminho da desgraça, retornei à vossa amizade.
    Agradeço-Vos tudo quanto fiz de difícil para combater os meus defeitos, por não Vos terdes impacientado comigo, e por haverdes me conservado vivo para que eu ainda tivesse tempo de corrigir-me antes de morrer.

    E se um pedido quero Vos fazer neste Natal, Senhor Jesus, ei-lo, adaptando um pouco o versículo de um Salmo que diz “Não tireis a minha vida na metade dos meus dias” (Sl 101, 25): Não me tireis os dias na metade da minha obra, e concedei-me que meus olhos não se cerrem pela morte, não falte o vigor a meus músculos, minha alma não perca a sua força e agilidade, antes que eu tenha, para a vossa honra, vencido todos os meus defeitos, galgado todas as alturas interiores que me designastes para galgar, e no vosso campo de batalha tenha prestado a Vós, por feitos heroicos, toda a glória que esperáveis de mim quando me criastes. Assim seja.