15 julho 2019

Antes das palavras - Por: Emerson Monteiro


Nalgumas horas, o instinto de sobreviver perpassa as falas deste Universo e produz esses pequenos formatos de som que chamamos palavras. Desejos, então, sem par, envolvem os sonhos e, num relâmpago, sentimentos compõem os pensamentos que a tudo reverte numa melodia dos significados. Fome incontida dos gestos de transformar domina o silêncio e a matéria prima das mil palavras enche de cor a paisagem deserta. Para mudar a paisagem, basta mudar o que sentes (Rumi).

Mas as palavras existem porque as pessoas existem. Elas vêm sós depois das pessoas existirem. Atravessam, pois, as pessoas e chegam ao coração, donde eles nascem e fazem o movimento dos barcos até as outras pessoas. Cruzam sete mares, descem cachoeiras, vagam no ar das montanhas, dos vales, e tocam de novo outros corações. Ah, palavras! A sede do encontro, a morada de tantas felicidades guardadas no íntimo das criaturas humanas... Pedaços de almas em movimento, de um tempo a outro, de uma cápsula de solidão a outra cápsula de solidão.

Fustigam o silêncio, quais querendo rasgar de esperança a agitação das consciências. Instigam o ritmo do tempo no seio das eras, descem pelos abismos à busca de outros amores, quando amores mais antigos desaparecem no mistério dos enigmas, enquanto a forja desses pequenos blocos de interrogações preenchem os vazios da imensidão nas pessoas inertes. Sacodem, reviram, criam, alimentam de inesperado o sacrário ainda escuro dos habitantes deste mundo.

Tais ondas sucessivas, tocam o momento e sustentam de sonhos o ânimo de tantas palavras que nascem do silêncio e se transformam em instrumento de vida, fantasmas que percorrem nuvens ao passar no céu. Houvesse apenas luz no Infinito e as palavras viveriam para sempre na alvorada, a clarear as manhãs dos deuses, e casariam, afinal, com o silêncio, diante do Destino