28 junho 2019

O Bom Conselho para salvar o mundo

Nosso Senhora do Bom Conselho

 No momento em que a humanidade chega a uma encruzilhada, na qual se coloca para ela uma opção ineludível, é hora de pedir à Mãe do Céu seus sapienciais conselho

Em nossa época tão aflita e conturbada, incontáveis são as almas que precisam, a este ou àquele título, de um bom conselho. Nada de melhor podem fazer do que implorar o auxílio d”Aquela que a Santa Igreja, na Ladainha Lauretana, invoca como Mãe do Bom Conselho.

Entretanto, cumpre ponderar que um conselho é de tanto maior valia, quanto grande for a importância do assunto sobre o qual versa. Por isso são supremamente importantes para cada um os conselhos necessários para dentro da tenebrosa tempestade do século XX conhecer a respeito de si mesmo os desígnios de Nossa Senhora e os meios aptos para os realizar.
Aqui está uma razão para se afirmar a particular atualidade da devoção a Nossa Senhora do Bom Conselho, neste século que poderá passar para a história como o século da confusão.

Todavia, se alargarmos nossos horizontes para além da esfera individual, […] não poderemos deixar de ponderar que ainda aqui a humanidade precisa como nunca de um bom conselho da Virgem das Virgens. […]

A opção para o mundo moderno é entre um porvir tenebroso, feito das últimas capitulações ante os extremos do erro e do mal, e o abraçar entusiástico da plenitude da verdade e do bem.

Como mover a humanidade de tal maneira atolada no processo histórico que a vem impelindo há tantos séculos a empreender a trajetória do filho pródigo rumo à casa paterna? Sem um possante auxílio da graça, a falar no interior de incontáveis almas, isto não se pode conseguir.

Esse bom conselho a ser proferido no íntimo de cada coração para a salvação da humanidade, que melhor modo há de obtê-lo senão implorando-se à Mãe do Bom Conselho que, por uma graça nova, converta o bárbaro supercivilizado do século XX? Só assim poderá este, à maneira do bárbaro subcivilizado do século V, queimar o que adorou e adorar o que queimou. E só assim poderá ter origem uma nova e ainda mais esplendorosa era de fé.

(Fonte: “Revista Dr. Plinio”, Maio/2002, nº. 50, pp. 26-27).

CARIRIENSIDADE


Cariri: Caldeirão Cultural do Ceará

 Banda cabaçal em Barbalha

     De há muito, a região do Cariri é considerada o Caldeirão Cultural do Ceará. Esse "caldeirão" é o somatório dos saberes e celebrações que formam o Patrimônio Imaterial da nossa região, com destaque para as manifestações religiosas do povo caririense. Parte desse acervo veio de milhares de romeiros que, atraídos pela herança espiritual do Padre Cícero, fizeram de Juazeiro do Norte o sacrário de seus costumes e tradições. Muitos deles se fixaram no Cariri, trazendo para cá suas tradições populares, as quais, se juntaram ao caldo cultural que aqui já existia desde o início de 1700, fruto da colonização portuguesa. 

      Este mês de junho que hoje finda, foi permeado das tradições católicas mais autênticas do Cariri. Começou com a festa de Santo Antônio, em Barbalha. Teve continuidade com as festas de São João e São Pedro. São as três festas joaninas. Na abertura da Festa de Santo Antônio, o centro histórico de Barbalha ficou cheio de grupos da tradição popular como as bandas cabaçais, os penitentes, os reisados e as lapinhas, dentre outros. No Cariri, essas festas são comemoradas desde a nossa povoação, no início do século XVIII, mas também sofreram adaptações e acréscimos por conta da imigração de contingentes populacionais oriundos da chamada Nação Romeira que se espalha pelo interior do Nordeste.

Festa do Pau da Bandeira, em Barbalha

O patrimônio cultural do Cariri na visão de Oswald Barroso

      Poucas pessoas definiram tão bem o patrimônio cultural do Cariri como Oswald Barroso. É dele o conceito a seguir transcrito:

      “Poucas regiões do Brasil têm, como o Cariri, uma natureza tão pródiga, uma história tão rica e uma cultura popular tão diversificada. Festas, folguedos, ritos, mitos, lendas, narrativas orais, artesanatos, mestres brincantes e de ofício, santuários e sítios sagrados, marcos históricos e conjuntos arquitetônicos, sítios naturais e redutos ecológicos, tradições culinárias, passeios e belas paisagens, feiras e mercados, enfim, um número infinito de possibilidades e atrações a serem exploradas. Junte-se a isto uma vida intelectual e acadêmica em pleno crescimento, com sólidas instituições públicas, universidades, artistas, escritores e um plantel de profissionais técnicos e liberais da melhor qualidade”. 

O que é “Patrimônio Cultural Imaterial”

Reisado no bairro do Horto, em Juazeiro

    Segundo a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura– UNESCO, o “Patrimônio Cultural Imaterial”  de um povo é transmitido de geração em geração e é constituído de “práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas – junto com os instrumentos, objetos, artefatos e lugares culturais a eles associados – que as comunidades, os grupos e, em alguns casos, os indivíduos reconhecem como parte integrante de seu patrimônio cultural.” 

      Os bens culturais de natureza imaterial estariam incluídos nas seguintes categorias: Saberes - conhecimentos e modos de fazer enraizados no cotidiano das comunidades; Formas de expressão - manifestações literárias, musicais, plásticas, cênicas e lúdicas; Celebrações - rituais e festas que marcam a vivência coletiva do trabalho, da religiosidade, do entretenimento e de outras práticas da vida social; Lugares - mercados, feiras, santuários, praças e demais espaços onde se concentram e se reproduzem práticas culturais coletivas.

História:  como surgiu a devoção a Nossa Senhora da Penha


   Não é só em Crato, Campos Sales e Maranguape (no Ceará) que Nossa Senhora da Penha tem grandes festas religiosas, já que é a padroeira dessas cidades. A origem dessa devoção, comemorada entre nós no dia 1º de setembro, surgiu quando Nossa Senhora apareceu a um agricultor chamado Simão Vela, no oeste da Espanha, numa serra chamada Penha de França., por volta de 1434. Da Espanha essa devoção passou para Portugal e desta nação veio para o Brasil, na época colonial. 

    Em outras localidades brasileiras, a festa de Nossa Senhora da Penha ocorre no dia 8 de setembro. É o caso de Vitória, capital do Estado do Espírito Santo, cuja comemoração é considerada, pela Igreja Católica, como a “terceira maior festa religiosa do Brasil”, ficando atrás somente da comemoração que homenageia a Padroeira do Brasil, em Aparecida (SP), e do Círio de Nazaré, em Belém, no Pará.

      Nossa Senhora da Penha é ainda a padroeira da cidade de São Paulo e Itapira (ambas em SP), Serra Talhada (PE) e Resende Costa (MG), dentre outras.

E como essa devoção veio para o Cariri

     A atual catedral de Crato remonta a uma humilde capelinha de taipa, coberta de palha, construída – por volta de 1740 – pelo capuchinho italiano, Frei Carlos Maria de Ferrara. Este frade foi o fundador do aldeamento da Missão do Miranda, núcleo inicial da atual cidade de Crato, criado para abrigar e prestar assistência religiosa às populações indígenas que viviam espalhadas ao norte da Chapada do Araripe.

       Em janeiro de 1745, conforme pesquisa feita pelo historiador Antônio Bezerra, foi colocada numa das paredes da então capelinha de Nossa Senhora da Penha uma pedra com histórica inscrição. Tratava-se do registro da consagração e dedicação do pequeno e humilde templo, início da atual catedral de Crato. A inscrição foi feita por frei Carlos Maria de Ferrara, e nela constava que a capelinha fora consagrada a Deus Uno e Trino e, de modo especial, a Nossa Senhora da Penha e a São Fidelis de Sigmaringa, este último oficializado – no governo episcopal de Dom Fernando Panico – como o Co-padroeiro de Crato. 

         Abaixo, o texto constante da inscrição rupestre, infelizmente desaparecida:
“Uni Deo et Trino
Deiparae Virgini
Vulgo – a Penha
S Fideli mission.º S.P.N. Fran, ci Capuccinor.m
Protomartyri de Propaganda Fide
Sacellum hoc
Zelo, humilitate labore
D. D.
Sup. Ejusdem Sancti.i Consocy F.F.
Kalendis January
Anno Salutis  MDCCXLV”.


A devoção a Nossa Senhora das Dores


   Podemos afirmar, com toda segurança, que a cidade de Juazeiro do Norte – hoje conhecida em todo o Brasil, graças à figura do Padre Cícero Romão Batista – teve seu início como fruto da devoção a Nossa Senhora das Dores. Pois, a exemplo da maioria das cidades brasileiras de antanho, Juazeiro do Norte também nasceu em torno de um templo católico. A escritora Amália Xavier de Oliveira assim descreveu os primórdios desta cidade, no seu livro “O Padre Cícero que eu conheci”:

     “Ordenara-se Sacerdote o Pe. Pedro Ribeiro de Carvalho, neto do Brigadeiro, porque filho de sua primogênita, Luiza Bezerra de Menezes, e de seu primeiro marido, o Sargento-mor Sebastião de Carvalho de Andrade, natural de Pernambuco. Para que o padre pudesse celebrar diariamente, sem lhe ser necessário ir a Crato, Barbalha ou Missão Velha, a família combinou com o novel sacerdote a ereção de uma capelinha, no ponto principal da Fazenda, perto da casa já existente”.

A imagem primitiva de Nossa Senhora das Dores adquirida pelo Brigadeiro

    A primeira imagem de Nossa Senhora das Dores, venerada na capelinha de Joaseiro, foi adquirida pelo Brigadeiro Leandro Bezerra Monteiro em Portugal. E foi venerada como padroeira da Fazenda Tabuleiro Grande e, posteriormente, pela povoação do “Joaseiro”, por cerca de 60 anos. 

    Zélia Pinheiro, escrevendo ¬ no opúsculo Sesquicentenário de Fé – sobre a inauguração, em 19 de agosto de 1884, da nova capela de “Joaseiro”, esta já construída pelo Padre Cícero, em substituição à primitiva, edificada pelo Brigadeiro, narra: “(…) Continuava como Padroeira Nossa Senhora das Dores e fora colocada no Altar a mesma imagem trazida de Portugal para a Capelinha da Fazenda Tabuleiro Grande. Era uma imagem em estilo bizantino, de madeira, muito bem esculpida, tendo setenta e cinco centímetros de tamanho e permaneceu no Altar-Mor até setembro de 1887, quando foi trocada pela imagem que até hoje está lá”.

O reencontro do Brasil com suas vias históricas -- Por Carlos Vitor Santos Valiense

O Brasil iniciou sua gloriosa história com uma Missa, celebrada em 1500, por Frei Henrique de Coimbra, na presença dos portugueses que aqui chegavam e dos índios que habitavam a Terra de Santa Cruz.

Quase quatro séculos depois, em 1889, o Brasil assistiu — segundo afirmou Aristides Lobo, Ministro do Interior do Governo Deodoro — “bestificado” a uma quartelada promovida por uma minoria de militares que enganaram o povo do Rio de Janeiro, o qual pensava se tratar de um desfile militar, mas na verdade proclamava a República, rompendo com um passado exitoso. O próprio marechal Deodoro da Fonseca imaginava estar simplesmente derrubando o gabinete presidido pelo seu desafeto, o Visconde de Ouro Preto.

Desde então, de desastre em desastre, chegamos à triste situação em que nos encontramos; e seria muito pior ainda, se nos tivéssemos transformado numa Venezuela bolivariana. E lá estaríamos se não tivesse havido o impeachment de uma presidente lulopetista.

Mas hoje, quinhentos e dezenove anos depois do descobrimento, em um gesto sem precedentes, o Chefe da Casa Imperial do Brasil, Príncipe D. Luiz de Orleans e Bragança, representado pelo seu irmão, Príncipe Imperial D. Bertrand de Orleans e Bragança, promoveu uma Missa solene no pantheon do Ipiranga, reatando os caminhos da nação com suas vias históricas que jamais deveriam ter sido abandonadas.

Fotografia: Sua Alteza Imperial e Real o Príncipe Imperial do Brasil, Dom Bertrand de Orleans e Bragança – imediato herdeiro dinástico e primeiro representante de seu irmão, Sua Alteza Imperial e Real o Príncipe Dom Luiz de Orleans e Bragança, Chefe da Casa Imperial do Brasil –, em momento de oração diante do túmulo de seu venerando tetravô, Sua Majestade Imperial o Imperador Dom Pedro I do Brasil.