10 junho 2019

Um transe de paz - Por: Emerson Monteiro


Nessas vezes, quando a natureza concorre a que tenhamos momentos auspiciosos de alma envolvida nos amores da Criação, sentimos a todo instante quando a vida sorrir na imensidade dos céus. Isso de paz de que falam tanto as criaturas humanas em ânsias de encontrar o senso da certeza dentro da alma de si, no cerne da consciência. Em horas assim, espécie atônita de milagre invade as horas e envolve de leveza tudo quanto há em volta.

De tal modo que existirá tempo no íntimo de renovar o ser da esperança que mora na alma da gente, lugar de pouso de todos os perfumes bons das florestas do sentimento. Há que se pensar, pois, nas chances que perduram diante das evidências e das circunstâncias, no auge das possibilidades constantes. Abraçar de bom grado as chances das amizades e recriar a história desta raça de gigantes que ainda anda de quatro pés e precisa despertar à felicidade constante, honesta condição da fraternidade e da justiça.

Em plena jornada rumo à perfeição, todos marcham aos dias de plena transformação, veículo de iluminação, seres em mutação face do Eterno. Amar, amar, criar em meio aos desvãos da sorte a vitória de séculos de sonhos, agora em fase de construção mais que nunca antes. Acordemos, que a missão de iluminar os caminhos da humanidade é vencer os limites da fraqueza e desvendar o poder de conhecer os mistérios em que imperam às nossas mãos, pétalas da libertação nos dias.

Quais testemunhos de nós mesmos, no transcorrer dessas existências aqui seguimos unidos aos detalhes de momentos e aos fatores bons que chegam a todo instante, e fazemos da caminhada o instrumento dessa luz que alumia parte dos seres que ora conduzem rumo à salvação definitiva o fiel dos princípios da exatidão, valores e harmonia bem no coração.