05 maio 2019

Até onde chega a destruição da Venezuela – por Luiz Roberto da Costa Jr.(*)



    
A Guarda Nacional Bolivariana atacou a igreja de Nossa Senhora de Fátima, da diocese de San Cristóbal, capital do Estado de Táchira, que foi invadida durante uma missa. Bombas de gás lacrimogêneo foram atiradas de motos dentro do templo. Esse ataque, dia 1.º de maio, configura-se como um total desrespeito à dignidade humana, aos fiéis, às autoridades eclesiásticas e ao próprio Vaticano.

  Em seguida, cerca de 40 membros da Guarda Nacional tentaram invadir a igreja, sob o comando de um general (de sobrenome Ochoa). Mas foram impedidos pelo pároco (padre Jairo Clavijo), depois de intensa discussão e da evacuação do recinto sagrado.

(*) LUIZ ROBERTO DA COSTA JR. – e-mail: lrcostajr@uol.com.br

Contas públicas do Brasil: crescendo igual a rabo de cavalo – por Sílvio Natal (*)


Bola de neve e atoleiro das nossas contas públicas.

   Os que vão discutir a proposta de emenda constitucional enviada pelo governo ao Congresso visando à reforma do sistema de aposentadorias e pensões deveriam saber como estão as contas do País.
O déficit geral do setor público é de 7% do produto interno bruto (PIB), “uma das maiores proporções do mundo”. Mas essa é a notícia “boa”. A “má” notícia é que a dívida pública – verdadeira bola de neve, que só faz aumentar – já é de 78,4% pelas contas do governo e se aproxima de 90% pela metodologia do Fundo Monetário Internacional (FMI), número escandaloso para os padrões de um país emergente como o Brasil. Na média, a dívida dos emergentes é inferior a 50% do PIB, e com juros módicos.

    Em nosso caso, além do montante da dívida – que é de R$ 5,4 trilhões –, os juros sobre ela incidentes são altos e tendem a aumentar com os solavancos políticos, constituindo um ralo gigantesco por onde se esvaem centenas de bilhões, drama este alimentado pelo rombo previdenciário, que este ano deverá ultrapassar os R$ 300 bilhões. “Enquanto a economia derrapa e a arrecadação fraqueja, o governo central arranja-se como pode, com R$ 30 bilhões de gastos congelados e cortes nas chamadas despesas discricionárias”, dando a medida do aperto orçamentário, espécie de corte “na carne”, que, a julgar pelas últimas medidas do Executivo, apenas começou e tem tudo para ser aprofundado.

    Ou o Parlamento toma juízo, assume suas responsabilidades para com a Nação e cumpre o seu dever, abdicando do costumeiro “toma lá dá cá”, ou o País afunda no atoleiro da dívida, com consequências imprevisíveis. Simples assim.

(*) Silvio Natal – E-mail: silvionatal49@gmail.com

A abolição da escravatura negra era o maior desejo do Imperador Dom Pedro II


A ação do Imperador Dom Pedro II no sentido de promover e preparar a liberdade dos escravos não poderia deixar de ser lenta, e só poderia ser eficaz se fosse constante. Sua Majestade precisava convencer os homens políticos a atrair o concurso da Nação. Hoje em dia, percebe-se que nesse trabalho as interrupções foram senão aparentes, mas, para chegar aos resultados, o Soberano jamais foi além dos limites que lhe impunha a Constituição Imperial de 1824.

Quando, em 1850, a Assembleia Geral do Império discutia a lei de repressão do tráfico negreiro, e se mostrava ao Imperador os perigos aos quais a lei exporia o Trono, Sua Majestade, então com 24 anos de idade, replicou com energia:

– Prefiro perder a coroa a tolerar a continuação do tráfico de escravos!

Já em 1870, durante uma reunião do Soberano com o Gabinete de Ministros, o Barão de Cotegipe, então Ministro da Marinha, argumentava:

– A questão da emancipação é semelhante à pedra que rola da montanha. Nós não a devemos precipitar, porque seremos esmagados.

Ao que o Imperador replicou:

– Não duvidarei de me expor à queda da pedra, ainda que seja esmagado.

(Baseado em trechos do livro “Revivendo o Brasil-Império”, de Leopoldo Bibiano Xavier)