02 maio 2019

A existência e o tempo - Por: Emerson Monteiro


Espécie de lâmina afiada que divide passado e futuro, o tempo é esse filhote de mistério que rasga ao meio as mantas de carne e as substâncias impessoais da matéria bruta, isso numa velocidade estonteante a na maior sem cerimônia sem ter a quem explicar, sendo seguido pelas multidões gargarejantes à busca da sorte por vezes ingrata, noutras coberta de brindes, bônus e prêmios, e que, no entanto, termina bem logo ali no final do precipício aonde ele, o Tempo senhor sorrir e tritura nos seus dentes a fome da dor e os ossos das flores que nós somos.

Quisessem aceitar, e tem que o faça, sair-se-ia bem melhor do que muitos recalcitrantes na hora de ir. Outros, entretanto, parecem fazer favor em viver, de caras feias, olhos vermelhos e presas à mostra, quais aqueles que vivem por viver e obrigação. Reclamam de tudo. Chova, reclamam. No sol claro das manhãs, reclamam. A pé, reclamam. De avião, reclamam ainda mais. Vivem, pois, só na intenção de protestar diante do absurdo de horas e séculos, sejam ou não agraciados com as taças e os campeonatos do destino.

Porém dos porém, lá vão manadas de gente a tostar diante dos céus, marcadas a ferro e fogo nos holocaustos contínuos que ofuscam o sentimento dessa necessidade de uma resposta maior. A saudade, por exemplo, arquivo de bons momentos, dói de amargura quando fica guardada longos períodos e vem no instinto determinado de satisfazer os que passaram turnos bons. São provas ou expiações deste mundo em que os humanos habitam.

Desvendar esse enigma genial de tamanha habilidade a isso vêm e vão, eles viajantes da fronteira do ontem e do depois, envolvidos nos negócios do instante passageiro que tangem, serviçais e herdeiros do tempo de perguntas ainda sem respostas, em forma de pequenos animais inteligentes. Fervilhantes, batem às mesmas portas de si e alimentam o sonho de que tudo termine bem, nesse cosmos de quanta beleza, repleto dos desafios de grandes amores.