30 março 2019

As quatro paredes do destino - Por: Emerson Monteiro


Onde estávamos mesmo? Sim, bem aqui próximo, agora lembro. Aguardava o momento exato quando a máquina abriria sua tela e permitiria fazer dp mada coisa alguma, no inventário desses dias volumosos; os reverto em palavras esquecidas no lombo da tartaruga das horas que logo irão fugir na busca das sombras da noite. Tempo, esse ente que escorre pelos dedos ainda peguentos de chocolate e inunda de pensamentos o abismo das pulsações, feito espião intermitente, sussurros aos quatro ventos da inexistência; alguém nalgum lugar da tarde; será, por isso, o ponto central do Universo inteiro, objeto único que trepida sobre as pernas e sacode braços entre as nuvens da dúvida. Lugar vazio, aqui, bem aqui e para sempre, jamais tão contundente, porém nada além disso.

Nós, assim, soltos neste oceano de ilusões, que vão e nos larga de volta, borbulhas de uma praia sideral, imensa... Peças do vestuário invisível das peças encenadas no palco das tradições abandonadas. Agora, sim, pequenos animais vagando soltos num deserto de infinitas proporções.

Tudo que fala dessas cores do tempo em formato de raízes dizem do ser que somos, razão dos códigos de todos quanto há e nas mãos de um só, contudo sendo ele o autor dos próprios roteiros e objetivos. Contar o quê, divisar aonde, aceitar que motivos de estar neste sítio de infindas proporções? Espaço sem limites, entretanto preso ao quê das dimensões, sujeito aos valores inevitáveis e fincado nas bases desconhecidas do insólito destino.

São incontáveis seres sujeitos a determinações que tangem o barco a correr nos dias; joias de um brilho sem par, entregues aos mendigos e as feras, que experimentam, copiosamente, o sabor de fazer delas o anzol dos infiéis e sorvedouro das inocências, das meras aparências, no enlevo das certezas e portos seguros dos amores definitivos.

Nós, muitas vezes pássaros suaves e asas do depois; qualidades; astros em formação nos céus da liberdade... Olhos que acedem ao cair dos mistérios e dos dias... Contudo caminhos limpos da plena existência que virá da Criação... 

(Ilustração: Colagem, Emerson Monteiro).

CARIRIENSIDADE -- por Armando Lopes Rafael


 Emerson Monteiro chega aos 70 anos


    O auditório do Instituto Cultural do Cariri–ICC ficou lotado com os muitos amigos e familiares de José Emerson Monteiro Lacerda. Este ganhou uma festa-surpresa, na noite do último dia 29, por conta do 70º aniversário de idade. Emerson, embora tenha chegado a Crato com 5 anos de idade, nasceu em Lavras da Mangabeira, no dia 26 de março de 1949.

   Emerson Monteiro é um homem plural. Desde a adolescência deixou marcas de sua presença na vida cultural de Crato. Ainda estudante, foi presidente do Grêmio Farias Brito, do Colégio Diocesano, quando lá estudou. Depois escreveu crônicas para as duas emissoras de rádio da Cidade de Frei Carlos: Araripe e Educadora do Cariri. Em 1966, foi um dos jovens que mudou a linha editorial e gráfica do jornal “A Ação”, semanário da Diocese de Crato. Vem daquele tempo minha convivência com Emerson.

     Em 1967, aprovado em concurso público para o Banco do Brasil passou a trabalhar em Brejo Santo (CE). Em 1971 passou a residir em Salvador (BA) onde estudo Psicologia e Comunicação. Em 1977 retornou ao Crato e as suas origens. Aqui graduou-se em Direito e adentrou pela atividade política, sendo eleito vereador à Câmara Municipal de Crato. Foi ético e honesto nessas duas atividades, coisa rara para os tempos que marcaram a redemocratização do Brasil a partir de 1986.

       O Instituto Cultural do Cariri muito deve à dedicação e trabalho desinteressado de Emerson. Ainda hoje, depois de ter exercido todos os cargos na diretoria do ICC, Emerson é editor da revista Itaytera. Emerson Monteiro já escreveu e publicou diversos livros, dentre os quais destaco: “Sombra e luz”, “Noites de lua cheia”, “Cinema de janela”, “Crônicas e narrativas”, “É domingo” e “Histórias do Tatu”.

          Mas, e acima de tudo isso, Emerson Monteiro é respeitado pelo bom caráter de que é possuidor, pela sua mansidão, lhaneza no tratamento com as pessoas, correção no agir e profundo sentimento humanitário e filantrópico que lhe é peculiar. Um homem de bem!

O Cariri tem disso: capela a céu aberto

    Na foto acima, a capela Recanto da Divina Misericórdia, construída em Missão Velha. Ela fica situada no final da Rua Padre Cícero, naquela cidade, mais precisamente em frente à tradicional Indústria Linard.

No tempo das bodegas


     Até o início da década 60 do século passado inexistiam no Cariri os supermercados. As famílias compravam os gêneros alimentícios nas bodegas. Em Crato, no centro da cidade as mais conhecidas eram as mercearias de Zé Honor e a de Cícero Beija-flor. Naquele tempo nada era empacotado previamente, como nos dias atuais. O cliente escolhia o que queria e levava as mercadorias para casa acondicionadas em papel de embrulho. No piso das bodegas, grandes vasilhames de flandres guardavam farinha, feijão, arroz, açúcar, sal, milho, goma, dentre outros.

     Nas prateleiras de madeira ficavam o sabão, café, latas das bolachas Pilar e Confiança, conservas, etc. No balcão tinha fiteiros, onde eram expostos bombons (chamados de “confeitos”), cocadas, chocolates em forma de peixinhos e os chicletes Adams (caixinhas amarelas sabor hortelã e caixinhas vermelhas, sabor canela) e outras guloseimas. As bodegas vendiam de tudo. A maioria dos clientes fazia a feira e só pagava no fim do mês. As compras eram anotadas em cadernetas. Existia confiança recíproca entre o dono da bodega e o freguês. O “progresso” acabou com isso. Poucas bodegas, nas periferias das cidades caririenses, ainda resistem à mudança voraz feita em nome do progresso.

 Destruíram os rios e restaram as enchentes 


    Na foto acima, como era o Rio Granjeiro que passava no centro de Crato na década 30 do século passado. A foto foi feita onde hoje existe um posto de gasolina na esquina da Rua Santos Dumont com Rua Almirante Alexandrino. O que resta hoje deste cenário paradisíaco é um canal imundo, que transborda na temporada das chuvas trazendo lama ao centro da cidade e nos demais meses do ano recebe os esgotos da redondeza. 

     Em Juazeiro do Norte, o Rio Salgadinho passava próximo ao centro da cidade, e – como lembram os antigos – tinha uma água límpida, cristalina que permitia ver até os peixinhos que ali nadavm. Hoje o Rio Salgadinho é o repositório do lixo urbano que grassa nas proximidades do antigo leito.Poluído, fedorento... Triste.

Cariri perdeu Monsenhor Manuel Feitosa


       Bem disse o Bispo de Crato, Dom Fernando Pastana, na homilia da missa de corpo presente do Monsenhor Manuel Feitosa: “A Diocese e a cidade de Crato amanheceram mais pobres, nesta quinta-feira, 28 de março de 2019. 

      Nascido em 25 de novembro de 1930, na Fazenda Olha d’Água da Serra, zona rural do município de Arneirós, no Sertão dos Inhamuns, Mons. Manuel Feitosa veio ao mundo num lar pobre; no seio de uma família de agricultores, composta por pessoas profundamente imbuídas dos princípios da Igreja Católica.

     Àquela época, a região dos Inhamuns era integrante da Diocese de Crato. E a família Feitosa era um destacado clã naquelas terras do semiárido que lembram um deserto na época do verão. Os jovens da família Feitosa tinham o costume de deixar o seu torrão natal para estudar na cidade de Crato. Muitos daqueles jovens se destacaram, posteriormente, como sacerdotes cultos, professores vocacionados e como escritores”.

       Mons. Manuel Feitosa foi um deles. Foi padre durante 60 anos. Viveu a maior parte da sua vida na cidade de Crato. Mas prestou serviços à Igreja nas paróquias dos municípios de Jardim, Lavras da Mangabeira, Várzea Alegre, Granjeiro, Quitaiús e Ipaumirim, Assaré, Antonina do Norte e Tarrafas. Retornou a Crato em 2000 e seus últimos 19 anos de vida foram vividos em fazer o bem a todos que o procuravam. O corpo do Monsenhor Manuel Feitosa foi enterrado na Capela da Ressurreição, na Sé Catedral, onde estão sepultados os corpos dos quatro primeiros bispos da Diocese de Crato: Dom Quintino, Dom Francisco, Dom Vicente e Dom Newton.