19 março 2019

Um fenômeno que pensa - Por: Emerson Monteiro


Meros estágios, pois, de uma mesma onda, assim são os humanos, movimento que pensa à medida que presencia o teor das ocorrências em constante transição, eles, fronteiras entre o tudo e o nada. Detalhes de todo inexistente, avistam na ilusão o sentido de a avaliar que existem, forma de controlar o incontrolável, que, de dentro dessa aparente realidade, resiste ao fim daquilo que nada resta, nem o nada absoluto por inteiro, muito menos o tudo.

Nesse lusco-fusco das inexistências em que sobrevive um turno, aparências em queda livre, no decorrer das situações de viver, de tal modo sequenciam o aprendizado que os levará à descoberta definitiva da razão de estar aqui. Foram (serão) frações de incontáveis sustos qual mostram na face diante dos instantes e logo ali somem de ninguém mais saber aonde desapareceram. Segundos em ação no instante das percepções, que só se desfazem no ar da imaginação impertinente.

No entanto há que contar, saber das consciências que acendem e apagam o transcorrer das vivências. Enquanto formam conceitos, concepções e registros, seriam quem que anota o tempo e o espaço, meros fatores de composição em decomposição, do gesto ao inexistir. O tempo, que some; o espaço, que se desfaz à medida do tempo que fora; e a presença dos seres que reconhecem neles tais sinais, através de sensações e emoções, a formular pensamentos e sucumbir perante a própria sorte impossível de continuar e conhecer logo depois do que acontece.

Eles, nós, fenômenos naturais da humana consciência desta inconsciência, imagens das ilusões em desfalecimento, contudo persistem no querer das percepções, enquanto as ondas agitam o mar de mil histórias, detalhes e fragmentos dos átomos e das partículas desfeitas e refeitas à medida que buscam superar o desfalecimento continuado, sucessivo.

O furor intenso dos elementos, no panorama das horas, bem significa motivos originais das idas e vindas que preenchem as existências e nutrem de sabor original as circunstâncias e os prazeres da consciência na busca de dominar o fugidio, santificar a si e os segredos do Universo.

(Ilustração: Colagem, Emerson Monteiro).