15 março 2019

A roda do destino - Por: Emerson Monteiro


Numa espécie de prisão aberta a que se submetem os humanos, ora estão em cima, ora embaixo, feitos fantoches de uma roda gigante de proporções monumentais que envolvem o Universo inteiro, e mais houvesse a envolver que fosse. Todos os seres, afinal, vivem nisto, sob as iguais condições de realizar o segredo adormecido das eras. Não nos cai único cabelo da cabeça, folha de uma árvore, sem a permissão de uma Lei... 

A isso chamam carma, ou lei do retorno, ou de causa e efeito, de reciprocidade, justiça, justiça, justiça... Em que lugar aonde fugir, esconder das peripécias e armadas este mundo interno, inexistência absoluta de saída; só o imenso, silencioso, território das atitudes a sol aberto, na manhã das histórias e dos vazios contundentes.

Quem planta o bem, colhe o bem; que faz o mal, nada tem, diz o poeta. Viver permite experimentar no bom senso os resultados que a ninguém deixam de fora, no correr das aventuras siderais. A caverna de Aladim e a busca da lâmpada maravilhosa da sorte amiga. Às apalpadelas, senhores da escuridão percorrem as paredes do inesperado, quase nunca dotados de coerência, amor, paciência.

...

Plantar, experimentar, sofrer, ter prazer, sonhar, viver, continuar, sofrer, alimentar, existir, imaginar, sentir, caminhar, semear, somar, conhecer, sofrer, conhecer, vivenciar, ensinar, aprender; círculos e movimentos espiralados em volta de si e dos demais. Vez em quando, acertar, esquecer, prosseguir, investir, expandir na consciência. Descobrir a essência que em tudo contém.

Desde as primeiras impressões, as pessoas sentiram essa possibilidade da revelação de novas descobertas na face dos mistérios. Aos poucos, crescem no desejo de identificar a justa solução dos dramas com que se deparam. Nutrem sacrifícios, vaidades, experiências, em troca das virtudes que iluminam o caminho da fortuna. Desfazem as ilusões dos apegos e abrem portas aos valores de filosofar e crer. Vem sendo assim desde o início, olhos abertos, inesperado e heróis, enquanto giram os céus noites sem fim. Olhos presos nas estrelas, vasculham as entranhas da alma na busca da felicidade... Criaturas, gerações e circunstâncias; à roda destas aventuras... Enquanto giram os céus, noites sem fim.