14 março 2019

CARIRIENSIDADE (por Armando Lopes Rafael)


1) Os Bezerra de Menezes: a saga de uma família aristocrática

  
 
 Brasão da Família Bezerra
    O jornalista e escritor Carlos de Laet, em artigo publicado no “Jornal do Brasil”, do Rio de Janeiro, edição de 15 de novembro de 1914 escreveu: “Há uma nobreza do sertão (cearense) que estuda e sabe a sua genealogia. A família Bezerra (de Menezes) é nobre, em todo o rigor da acepção. (...) Sei que a “democracia” desdenha estas cousas: – e o mais curioso é que, ridicularizando questões genealógicas, no tocante à raça humana, cuidadosamente registra as procedências ancestrais dos cavalos de corrida. Supinas congruências democráticas!”.

     Alguns membros desse clã chegaram ao Cariri cearense e aqui fizeram história, iniciada com a figura emblemática do seu mais expressivo representante– o Brigadeiro Leandro Bezerra Monteiro. Este título foi outorgado a Leandro pelo Imperador Dom Pedro I, em reconhecimento à lealdade do grande caririense à causa monárquica, no episódio da Revolução Republicana Pernambucana de 1817.

       Tinha razão Carlos de Laet. Já os historiadores Daniel Walker e Renato Casimiro escreveram o livro  “A Família Bezerra de Menezes– Fundação e Desenvolvimento de Juazeiro do Norte” (ABC Editora, 2011– 319 páginas) onde conta a saga desse clã aristocrático, oriundo da península Ibérica, e que se transportou para o Brasil no início da nossa colonização.

      Alguns membros desse clã chegaram ao Cariri cearense e aqui fizeram história, iniciada com a figura emblemática do seu mais expressivo representante–o Brigadeiro Leandro Bezerra Monteiro.

2) Presença dos Bezerra de Menezes na Monarquia e na República brasileira

     Plínio Corrêa de Oliveira  definiu muito bem o papel dessas famílias rurais nos albores do Brasil: “A Coroa portuguesa, movida pelo desejo de estimular o plantio da cana-de-açúcar – e assim consolidar a colonização e o povoamento do território, como também auferir ganhos econômicos – concedeu aos plantadores, que tivessem nas suas terras os engenhos apropriados para a produção do açúcar, algumas prerrogativas da antiga nobreza. Estes plantadores – "Senhores de Engenho" – vieram a constituir uma classe aristocrática, uma nobreza de fato".

     Descendentes do Brigadeiro Leandro, os filhos do casal  José Bezerra de Menezes e Maria Amélia – que viveu em Juazeiro no século passado – ocuparam todos os cargos políticos da República, à exceção apenas da Presidência e Vice-Presidência do Brasil. Senão vejamos: Alacoque Bezerra foi Senadora; Adauto, Humberto e Orlando (cumpriram mandatos de Deputados Federais); Adauto Bezerra foi, ainda,  Governador e Vice-Governador do Ceará; Também Humberto foi Vice-Governador do Estado; Orlando e Adauto foram ainda deputados estaduais; Humberto e Orlando foram Prefeitos de Juazeiro e Leandro foi vereador nessa cidade.

Caririenses ilustres: O Juiz de Direito intelectual


   José Flávio Bezerra Morais (foto acima)  é o Juiz de Direito da 2ª Vara Cível da Comarca de Crato. Além da fama de uma pessoa correta ele é portador da fama de ser um bom intelectual. É autor de mais de dez livros, dentre eles: “Milagres do Cariri” (1989); “Histórias que ouvi contar” (1993); “Histórias de exemplo e de assombrações” (1997); “Nas veredas do fantástico” (2002). Sobre o Padre-Mestre Ibiapina já escreveu dois livros: o romance “A Sombra do Laço” (que está na segunda edição) e a biografia “Padre Ibiapina: histórias maravilhosas”. Atualmente está escrevendo uma obra sobre o Imperador dom Pedro II, ainda hoje considerado “O maior dos brasileiros”.



    Flávio Morais nasceu em Milagres (CE) em 1970. Já foi Juiz de Direito no Estado da Bahia (entre 2004 e 2005). Mas a saudade telúrica o fez fazer concurso para exercer idêntica função no seu estado natal. Exerce também o magistério no curso de Direito da Universidade Regional do Cariri. Por conta do que escreveu participou da 44ª Feira Internacional do Livro Infantil e Juvenil, em Bologna, Itália. Pertence a diversas entidades culturais, dentre elas o Instituto Cultural do Cariri. Trata-se de um intelectual de valor, além de um homem de bem a toda prova.

O Cariri é um exemplo de sucesso na produção de frutas irrigada

    A empresa agrícola Sítio Barreiras, localizada no município de Missão Velha, surgiu, em 1996, fruto da ousadia dos seus fundadores. Trata-se da pioneira em bananicultura no Cariri. Hoje, a empresa mantém centros de distribuição da sua produção em Fortaleza, Recife, Salvador, Teresina e Feira de Santana. Além do centro de produção de Missão Velha, a empresa Sítio Barreiras mantém centros, também, em Cajuapara (no Maranhão) e Ponto Novo, na Bahia.

     O Sítio Barreiras foi premiado no Great Place to Work 2014 no Ceará e, em 2015, no Ceará e também na Bahia.

Municípios do Cariri: Abaiara

 Igreja Matriz do Sapiencial e Imaculado Coração de Maria, na cidade de Abaiara

      A elevação à categoria de vila, da atual cidade de Abaiara, ocorreu através do Dec.Lei nº 448, de 20 de dezembro de 1938, com o nome oficial de “Pedro Segundo”, em homenagem ao segundo Imperador do Brasil.  Naquela época a República ainda tinha certa credibilidade e o patrulhamento ideológico contra as coisas da Monarquia era mais forte do que hoje. Daí porque o nome Pedro Segundo foi substituído por “Abaiara”, que, na língua indígena, significa: “Homem Ilustre”. Dessa maneira, ainda de forma dissimulada, Abaiara continua homenageando o Imperador Dom Pedro II. Já a sua elevação à categoria de Município deu-se consoante Lei nº 3.921, de 25 de novembro de 1957, vindo a ser instalado a 25 de março de 1959. 

        Trata-se de um município pequeno, cuja economia provém das atividades agrícolas. Tem como Padroeira o Sapiencial e Imaculado Coração de Maria, a única denominação de paróquia do Cariri.

Peças valiosas do patrimônio histórico-artístico-religioso do Cariri

 Imagenzinha da Mãe do Belo Amor, a primeira a ser venerada em Crato, à época da Missão do Miranda


   Existem na Catedral de Crato três imagens da Virgem Maria, as quais –ao longo da existência desta cidade – foram veneradas como Padroeira. Todas, esculpidas em madeira, encontram-se em excelente estado de conservação. A origem da atual Catedral da Diocese de Crato remonta a uma humilde capelinha de taipa, coberta de palha, construída, por volta de 1740,  por Frei Carlos Maria de Ferrara (frade capuchinho)  dedicada à Santíssima Trindade e, de modo especial, a Nossa Senhora da Penha e a São Fidelis de Sigmaringa (Padroeira e Co padroeiro de Crato, respectivamente). Durante os 379 anos de existência de Crato, essas três imagens da Virgem Maria compartilharam do cotidiano dos fiéis católicos residentes na cidade citada.


"Imagem Histórica" de Nossa Senhora da Penha, a segunda a ser venerada

   A primeira é uma pequena estatueta, conhecida como A Mãe do Belo Amor, medindo cerca de 40 centímetros que foi venerada de 1740 – primórdios da Missão do Miranda, núcleo urbano que deu origem a Crato – até 1745, quando aqui chegou a – segunda imagem, doada pelos frades capuchinhos do Convento da Penha de Recife. Esta segunda imagem – chamada histórica – havia chegado a Recife em 1641, aprisionada que fora por corsários protestantes, na costa da Guiné – na África – e transportada para a capital do o então Brasil Holandês.
Terceira e atual imagem de Nossa Senhora da Penha, a "Imperatriz e Padroeira" dos cratenses

    A terceira (e atual) foi adquirida em 1921, pelo primeiro Bispo de Crato, Dom Quintino. No entanto essa bela escultura ficou guardada durante 17 anos, pelo fato de a população cratense não ter aceitado a substituição da segunda imagem. Introduzida no altar-mor somente em 1939, pelo segundo Bispo de Crato, Dom Francisco Pires, a atual estátua vem sendo venerada há 80 anos como “Imperatriz e Padroeira” de Crato e da Diocese.