24 julho 2019

Caririensidade


Em agosto o Cariri inicia campanha para Chapada do Araripe virar Patrimônio da Humanidade


Chapada do Araripe

       A informação foi divulgada pelo jornal “Diário do Nordeste”, edição de 24-07-2019: “No período de 06 a 09 de agosto, as cidades de Juazeiro do Norte, Crato e Nova Olinda sediarão seminário com objetivo de defender o reconhecimento da Chapada do Araripe como Patrimônio da Humanidade. A diversificada programação do evento reúne debates, exposições, espetáculo teatral, oficinas e a inauguração de três Museus Orgânicos: Museu Casa do Mestre Nena, em Juazeiro do Norte; Museu Casa do Mestre Raimundo Aniceto, no Crato e Museu Casa Oficina de Dona Dinha, em Nova Olinda. A inciativa é do Serviço Social do Comércio (Sesc-Ceará).

   “O encontro tem o objetivo de apresentar a importância da região e discutir sobre os próximos passos para o título. A ideia surgiu durante encontros com organismos internacionais balizadores do patrimônio imaterial. Há quase dois anos, o Sesc-Ceará, em parceria com a Fundação Casa Grande, vem dialogando com a comunidade local sobre a influência cultural do território.
    “A Chapada do Araripe abriga fontes naturais, grutas, sítios paleontológicos e arqueológicos, além de vasta cultura popular. No Ceará, ela está situada no sul do Estado, conhecida como Região do Cariri”. 

 “Seu” Pedro Felício

       Geraldo Duarte, residente em Fortaleza, é advogado, administrador e dicionarista. Foi Procurador Geral da Prefeitura de Fortaleza. Geraldo escreve uma croniqueta semanal no “Diário do Nordeste” e, vez por outra, aborda temas ligados ao Crato e ao Cariri. Esta semana ele publicou o abaixo:

“Quadratura do círculo no Crato
Pedro Felício Cavalcanti (1905–1991), ipuense, viveu com familiares a juventude no Crato, tendo estudado em Fortaleza. Nesta capital, realizou o Curso Técnico em Contabilidade, na antiga Escola Fênix Caixeral, depois retornando à terra do Padre Cícero.

Professor, contador e poeta, fundou e gerenciou o Banco Caixeral, dirigiu a Associação Comercial, foi idealizador e instituidor do Colégio Municipal e das Faculdades de Ciências Econômicas e Faculdade de Direito.

Eleito e reeleito exerceu o cargo de prefeito durante dois mandatos (1963 a 1966 e 1973 a 1976), fazendo-se reconhecido, até a atualidade, devidos às destacadas obras públicas construídas em suas gestões.

Além de verdadeiro lutador pela implantação da Universidade Regional do Cariri (URCA), os moradores também lembram benfeitorias como a eletrificação rural, o Mercado Central, a Quadra Bicentenário, a reforma da Praça da Sé, as construções do Obelisco e Parque de Exposição Agropecuária, afora outros empreendimentos sócio-econômico-culturais.

Pedro Felício era gentil, simples, altamente metódico e conservador. Certa feita, caminhando inadvertidamente por uma das calçadas da cidade, pisou numa casca de banana, sofrendo desastrada queda e luxações. Desde então, jamais usou os passeios, deslocava-se exclusivamente pelo meio das ruas.

O neto, José Kleber Callou Filho, narra que o avô conversava com os cratenses Paulo Hélder, Ariovaldo Carvalho, Eron Pinheiro, Zé Albani Maia e outras pessoas, quando Paulo perguntou: “Seu Pedro, qual o motivo das obras que o senhor constrói serem, quase todas circulares? Como o formato da Rodoviária, das lavanderias e outras?

Resposta imediata e deveras desconcertante: “Paulo, é porque no Crato ainda existe gente muito quadrada!”.

No caminho de casa, Kleber indagou o porquê do respostar e Pedro deu somente uma risada”.

O caudilho Pinto Madeira

Imperador Dom Pedro I cuja renúncia ao Trono, em 1831, motivou Pinto Madeira a pegar em armas. Face de Pedro I reconstituida  em 3D, a partir de fotografia do crânio do monarca, por iniciativa do Prof. José Luís Lira e do designer Cicero Moraes. Esta é a verdadeira feição do nosso primeiro Imperador

      Escrevi um opúsculo sobre Joaquim Pinto Madeira, que passou à histórica como um “caudilho”.  Quem escrever sobre Pinto Madeira não pode obscurecer que ele cometeu erros e injustiças, nas suas participações em cenários da “Guerra do Pinto”, que assolou o Cariri, após a renúncia de Imperador Dom Pedro I ao Trono Brasileiro. 

      Também não se podem esconder  as qualidades pessoais de Pinto Madeira. Dentre elas, a coerência, sinceridade, lealdade e coragem de que era possuidor. Merece ser lembrada, também, a sua religiosidade, um sentimento que o levou a se filiar à Irmandade do Santíssimo Sacramento, da Paróquia de Nossa Senhora da Penha de Crato, em abril de 1816. Talvez por isso suas últimas palavras – após levar a descarga fatal que o matou – foram palavras da fé que sempre o guiou em vida:
    – Valha-me o Santíssimo Sacramento!

Escritores do Cariri:  Denizard Macedo

Denizard Macedo

     José Denizard Macedo de Alcântara nasceu em Crato, na Praça da Sé, em 1° de setembro de 1921. Ele se destacou, principalmente, como um intelectual, como professor em várias instituições de ensino de Fortaleza, bem como por ser um homem de ideias firmes e transparentes. Lecionou na Escola Preparatória de Cadetes, do Colégio Militar do Ceará, Instituto de Educação, Faculdade Católica de Filosofia, Escola de Serviço Social e vários educandários de segundo grau. Incursionando na política foi eleito vereador por Fortaleza. Foi também jornalista, ensaísta, historiador, conferencista e geógrafo. Pertenceu à Sociedade Cearense de Geografia e História, Instituto do Ceará e Academia Cearense de Letras, onde ocupou a cadeira de n° 34, substituindo outro cratense, J.de Figueiredo Filho.

    Denizard Macedo foi, ainda, Secretário da Cultura do Ceará e escreveu as seguintes obras: A Universidade na Defesa Nacional; Fundamentos da Administração Cearense; A Conjuntura Histórico-Geográfica da Industrialização Brasileira; Racionalização da Competência Administrativa do Município; Geografia da América; Cultura e Universidade; Vida do Brigadeiro Leandro Bezerra Monteiro; Ascensão e Declínio do Magistério Brasileiro; Ensino de Filosofia no Ceará e Retrato da História da Independência.

         Católico sincero, possuidor de sólida formação religiosa, Denizard era monarquista convicto, apesar da proibição da República brasileira, a qual – durante cem anos, de 1889 a 1988 –, proibiu qualquer divulgação pública sobre as vantagens desta forma de governo. Para quem não sabe, os monarquistas foram os últimos anistiados políticos desta ineficiente república brasileira. Somente com o advento da sétima constituição republicana, a atual, promulgada em 1988, concedeu-se liberdade aos monarquistas de exporem à luz do sol, e de forma pública, suas pacíficas ideias. 

     Denizard Macedo faleceu com 63 anos de idade em 11 de novembro de 1983. Atendendo a seu pedido, a família e amigos colocaram sobre o seu caixão mortuário a Bandeira do Brasil Império

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.