23 maio 2019

Panteão dos Bragança: um pedaço da história de Portugal e do Brasil -- por Armando Lopes Rafael

Bandeira do Reino de Portugal
que deixou de ser usada em 1910, quando ocorreu o golpe republicano
   Embora pouco divulgado pela mídia, um dos “points” mais indicados para se visitar, quando se vai à Lisboa, é o Panteão Real da Dinastia de Bragança. Ele fica localizado anexo ao mosteiro da Igreja de São Vicente de Fora e lá se encontram os restos mortais de muitos dos monarcas, príncipes reais e infantes da quarta e última dinastia real portuguesa. Estive lá no último dia 17 de maio. E vi, emocionado, o local onde estão sepultados, à espera da ressurreição final, tantos personagens da nossa história.

    Segundo o site da Monarquia Portuguesa: “O Panteão situa-se hoje no antigo refeitório do mosteiro. Seus túmulos são em maioria gavetões de mármore situados nas laterais da grande sala que ocupa, os dos monarcas portugueses são ornados com coroas na parte superior e os nomes e títulos dos seus ocupantes gravados em letras douradas na parte frontal. Destacam-se os túmulos de D. João IV, de D. Manuel II, da rainha D. Amélia de Orleães, de D. Carlos I, do príncipe herdeiro D. Luís Filipe.

     “O Panteão está aberto a visitas, incluídas no roteiro do Mosteiro. Alguns Bragança que não estão lá sepultados são: D. Maria I, que faleceu no Brasil, mas teve seus restos mortais levados de volta a Portugal por Dom João VI,  que se encontra na Basílica da Estrela, D. Pedro IV, rei de Portugal (e Imperador do Brasil como D. Pedro I, que foi trasladado do Panteão para o Monumento do Ipiranga em São Paulo, Brasil), e cujo coração se encontra na capela-mor da Igreja da Lapa, na cidade do Porto, e a rainha D. Maria Pia de Saboia, que ainda jaz no Panteão dos Saboias, na Basílica de Superga em Turim, na região do Piemonte, Itália.

     “O arranjo atual do panteão data de 1933, quando também se ergueu junto aos túmulos de D. Carlos I e de seu filho D. Luís Filipe uma estátua de uma mulher simbolizando a pátria a chorar pelos seus mártires, sendo que ambos foram assassinados no atentado republicano, em 1 de fevereiro de 1908”.

Fonte de consulta: https://monarquiaportuguesa.blogs.sapo.pt/panteao-real-dos-bragancas-52365



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.