05 maio 2019

A abolição da escravatura negra era o maior desejo do Imperador Dom Pedro II


A ação do Imperador Dom Pedro II no sentido de promover e preparar a liberdade dos escravos não poderia deixar de ser lenta, e só poderia ser eficaz se fosse constante. Sua Majestade precisava convencer os homens políticos a atrair o concurso da Nação. Hoje em dia, percebe-se que nesse trabalho as interrupções foram senão aparentes, mas, para chegar aos resultados, o Soberano jamais foi além dos limites que lhe impunha a Constituição Imperial de 1824.

Quando, em 1850, a Assembleia Geral do Império discutia a lei de repressão do tráfico negreiro, e se mostrava ao Imperador os perigos aos quais a lei exporia o Trono, Sua Majestade, então com 24 anos de idade, replicou com energia:

– Prefiro perder a coroa a tolerar a continuação do tráfico de escravos!

Já em 1870, durante uma reunião do Soberano com o Gabinete de Ministros, o Barão de Cotegipe, então Ministro da Marinha, argumentava:

– A questão da emancipação é semelhante à pedra que rola da montanha. Nós não a devemos precipitar, porque seremos esmagados.

Ao que o Imperador replicou:

– Não duvidarei de me expor à queda da pedra, ainda que seja esmagado.

(Baseado em trechos do livro “Revivendo o Brasil-Império”, de Leopoldo Bibiano Xavier)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.