30 abril 2019

Triunfo solitário - Por: Emerson Monteiro


Vencer o mundo, eis o principal motivo das buscas humanas. Aparentemente simples pensar nisso, porém de extrema dificuldade exercer tal função a que viemos, sem o quê tudo terminaria em mera frustração de um projeto definitivo; vencer em si os questionamentos, e chegar ao objetivo circunstancial das existências.

É assim desde sempre, na avaliação dos filósofos e místicos. A resposta de cruzar as torrentes da ilusão e obter o sucesso, diante dos corpos de carne que descem na correnteza, serve de repositório às tantas provações, aos caprichos e prazeres; nascemos submetidos às leis, no entanto sendo espíritos a que precisamos santificar e galgar páramos celestiais. Por certo difícil de explicar, no entanto desse modo se apresenta o mistério de que fazemos parte integral, inevitável. Atravessar as barreiras dos muitos desafios e ganhar a liberdade glamorosa e desejada, tal o resumo da história e dos homens.

O apetite aos apegos, contudo, escravizam nas jornadas sucessivas ao trilho das perdições, dos charmes de intensidade angustiante, quando nisso os barcos sacodem pelas aventuras do tempo. Há um filósofo dinamarquês, Soren Kierkegaard, que classifica em três fases a jornada terrena: Fases estética, ética e mística. A primeira, que se poderia chamar de erótica, oferece à carne os alimentos físicos de que reclama; na segunda, vem o senso da responsabilidade e preocupações de ordem moral; e por fim a fase mística, no auge dos anseios de respostas ao sentido do que a vida significa.

Só poucos completam tais ciclos sem grandes frustrações, no objetivo essencial de existir, entretanto eis a única razão das vidas na humana consciência, quando, um a um dar-se-á ao real valor do que aqui encontrar, nesse vale de lágrimas. Quantos se prenderem, pois, aos rochedos das ilusões repetitivas apenas adiam o momento pleno da transformação, triunfo dos amargores. Bem forte saber que nenhum outro caminho resta de usufruir a divina perfeição; não importem as aflições, plantemos a paz no seio do que já somos, matrizes da Perfeição.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.