31 outubro 2018

Acalma o meu coração - Por: Emerson Monteiro


Esta força exterior e superior a nossas forças, a quem tantos pedimos durante as aflições, e a ela nos dirigimos e imploramos na grande mudança de hábitos desta vida. Ao que tantos, no transcorrer das existências e gerações, dedicam seu tempo por meio das crenças, nos rituais das horas e envolvimento com o mistério, este a quem pedimos de superar os limites aqui do Chão.

Por mais sejam prepotentes, avassaladores, os humanos baixam a cabeça diante do impossível. Naqueles instantes de contrição, revivem as lembranças dos antepassados e oram a seu modo de agora. Quais infiéis arrependidos, confrangem almas sob o peso dos destinos ocasionais, e erguem olhos aos Céus num gesto de humildade por vezes tardia.

Almas contritas, pedem a Deus que lhes resgatem do que fizeram de aberrações face à liberdade e anseiam desarvoradamente um jeito de transformar os resultados que houveram plantaram. O arrependimento nunca, pois, será fora de hora. A presença de novas esperanças cresce nos horizontes, numa vontade férrea de nascer de novo e usufruir a sorte dos eleitos.

Eis a razão fundamental das religiões e dos sonhos, perspectiva de regressar a construir, desde sempre, as chances perdidas nos eitos da ilusão. E oram, e renunciam, imploram... Desses gestos nasce o fervor de crescer espiritualmente. Pois ninguém aceita o desânimo de só viver e em seguida desaparecer. Há o senso de preservação particular dos que pensam, bichos racionais, os humanos.



E resistir sem luta significaria desistir. Resistir na inteligência, na memória, que representa a faceta honrosa da natureza humana. Daí a busca incessante pelos princípios da sobrevivência além da morte de quantas seitas religiosas. A disposição em nortear os valores morais sob tais conotações e vivências. Preservar o conceito da Lei do Retorno, a quem merece o que receber. Por isso, valor essencial de evitar a desistência e o desespero, a consciência reclama evolução nos conceitos individuais. Sustentar a perseverança dos amores, e distinguir entre sofrer e amar.

(Ilustração: Colagem de Emerson Monteiro).

CARIRIENSIDADE (por Armando Lopes Rafael)



Homens que fizeram Juazeiro do Norte

     Será lançado neste mês de novembro, no Memorial Pe. Cícero (falta marcar a data e a hora), a 2ª edição do Livro “Gente de Expressão” de Francisco Luiz Soares. Trata-se de uma obra que resgata a participação de alguns cidadãos no crescimento e progresso de Juazeiro do Norte. São biografados homens, residentes em Juazeiro do Norte, que não viveram apenas para si, nem priorizaram ganhar apenas o próprio sustento. Eles prestaram um serviço nobre e desinteressado, contribuindo para a Terra do Padre Cícero chegar ao nível de desenvolvimento que hoje ostenta.

       Dentre esses homens, o autor escreveu sobre os falecidos Padre Cícero Romão Batista, José Geraldo da Cruz, Dorotheu Sobreira da Cruz, Joaquim Cornélio, Raimundo Adjacir Cidrão, Odílio Figueiredo, Edmundo Morais, Felipe Neri, Luciano Theophilo de Melo, Aderson Borges de Carvalho, Antônio Corrêa Celestino, dentre outros.

         No livro é feito ainda o resgate da criação e atuação da Associação Comercial de Juazeiro do Norte.


Chegou a temporada do fim-do-ano trazendo mais flores

       O final do ano está chegando! Esta temporada, na região do Cariri, nos traz a floração dos flamboyants, árvores que os antigos caririenses chamavam “sombrião”. Existem pessoas que não percebem os flamboyants floridos nos campos ou nas cidades. Essas pessoas são muito ocupadas para perder tempo observando a mudança do tempo e a floração das árvores. No entanto, indiferente à reação dessas pessoas, o fim-do-ano está chegando e com ele as flores dos flamboyants, embelezando, ainda, mais a já bonita paisagem do Cariri...



Agostino Balmes Odísio o italiano que embelezou as cidades do Cariri

 Monumento a Cristo Rei, no centro de Crato

    Italiano de nascimento, Agostinho Balmes Odísio foi um escultor e arquiteto que viveu seis anos no Cariri, entre 1934 e 1940. Neste curto espaço de tempo, ele foi autor de bom número de obras de arte implantadas no Cariri, sendo a mais conhecida a Coluna da Hora, com 29 metros de altura, encimada pela estátua do Cristo Redentor, com seis metros — totalizando 35 metros — ainda hoje considerada o ícone da cidade de Crato.


Coluna da Hora, na Praça Padre Cícero em Juazeiro do Norte

      Agostinho Balmes nasceu em 1881, em Turim, norte da Itália, e formou-se pela Escola de Belas Artes daquela cidade. Na infância, foi aluno da Escola Profissional Domingos Sávio, mantida por São João Bosco. Em 1912, ele esculpiu um busto do Rei da Itália, Vito Emanuel II, conquistando o 1º lugar numa disputa por uma bolsa de estudo em Paris. Na Capital francesa, foi discípulo de August Rodin, considerado, ainda hoje, o maior escultor contemporâneo. Em 1913, com 32 anos de idade, Agostinho Odísio resolveu emigrar para a Argentina, onde residia um irmão dele. Entretanto, por motivos ignorados, desembarcou no Porto de Santos, em São Paulo e permaneceu no Brasil até sua morte.

         Durante 20 anos, produziu dezenas de obras de arte nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Em 1934, devido a problemas de saúde, foi aconselhado a residir no Nordeste, por causa do clima quente da região. Por acaso, leu na imprensa sobre a morte do Padre Cícero e, vislumbrando oportunidade de negócios – por conta da religiosidade da cidade – veio para Juazeiro do Norte, onde residiu até 1940.

     Agostinho Balmes foi também responsável pelo projeto do Palácio Episcopal de Crato, e da Coluna da Hora, na Praça Padre Cícero, bem como da ampla reforma da Basílica Menor de Nossa Senhora das Dores, ambas localizadas  em Juazeiro do Norte. São dele os diversos projetos de reforma de Igrejas e altares do Cariri, com destaque para as fachadas da igrejas-matriz de Milagres e Missão Velha.
 Estátua de Padre Cícero, em frente à capela do Socorro, em Juazeiro do Norte

       Esculpiu aqui vários monumentos. Dentre eles, o de Dom Quintino (na Praça da Sé, em Crato), e o do Padre Cícero (em frente à capela do Socorro, em Juazeiro). Introduziu o uso de mosaico e do marmorite nos pisos das casas do Cariri.

A ideia do Geopark Araripe


    Surgiu da iniciativa do então governador do Ceará, Lúcio Alcântara, (2003-2006), após sugestão do então reitor da Universidade Regional do Cariri, Prof. André Herzog. O professor da URCA, geólogo Alexandre Magno Feitosa Sales foi uma peça fundamental na consolidação da ideia do Geopark Araripe, desde o nascedouro até o reconhecimento pela UNESCO. Para a concretização do Geopark Araripe foi assinado um “Convênio de Cooperação entre a Universidade de Hamburgo (Alemanha) / URCA/ DAAD”, sob a coordenação do Prof. Dr. Gero Hillmer, Curador do Instituto e Museu de Paleontologia da Universidade de Hamburgo.

Como surgiram os “geoparks”

     A ideia surgiu durante a realização da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento e Meio Ambiente, no Rio de Janeiro no ano de 1992. O megaevento ficou conhecido como a ECO-92. Na ocasião, os temas de proteção e preservação ambiental passaram a ser destaque dentre as principais prioridades da humanidade. Esses temas transformaram-se em palavras de ordem em todos os roteiros de desenvolvimento, por meio de documentos denominados “Agenda 21”.

Sobre o Geopark Araripe

 Geotope da Colina do Horto em Juazeiro do Norte

     Localizado no extremo-sul do Cariri, o Geopark Araripe  é o primeiro parque geológico das Américas reconhecido pela UNESCO. Inicialmente, parte de seu território já constituía a Área de Proteção Ambiental Chapada do Araripe, criada em 1997, e localizada no planalto próximo à divisa dos estados do Ceará, Piauí e Pernambuco.

      O Geopark Araripe é a maior referência turística-ambiental do Cariri e um potencializador do desenvolvimento regional. Ele foi o primeiro do Brasil a fazer parte, da Rede Global de Geoparks credenciados pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). A área compreendida pelo Geopark Araripe é de aproximadamente 4.000 km², e abrange territórios dos municípios Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha, Missão Velha, Nova Olinda e Santana do Cariri.

A imensa importância do Geopark Araripe

Sede do Geopark Araripe, na cidade de Crato

     Hoje reconhecido – pela UNESCO – como “Patrimônio da Humanidade”, o Geopark Araripe, abrange a Bacia Sedimentar do Araripe e possui a maior reserva de registros fósseis planeta referentes ao Período Cretáceo Inferior.  Naquele espaço foram achados registros geológicos e paleontológicos inéditos desde os primeiros anos do Século XIX, com registros entre 110 e 70 milhões de anos de existência, em excepcional estado de preservação e diversidade. No Bacia Sedimentar do Araripe está mais de um terço de todos os registros de pterossauros descritos no mundo; mais de 20 ordens diferentes de insetos e a única notação da interação inseto-planta. Há similares destas mesmas espécies no continente Africano, comprovando cientificamente que os continentes um dia foram ligados, ou seja, formavam um só continente. Este chamado pelos cientistas de continente primaz Gondwana.

Crato à deriva (por Pedro Esmeraldo)


Carta Dirigida a Helder Macário


    Prezado Helder,

   Recebí sua última correspondência. Concordo totalmente com você.
   Sou favorável a todas as palavras que você mencionou. Venho me manifestando em defesa de nossa Agropecuária. Também pretendo lembrar que por várias vezes solicitei as autoridades do Crato que lutassem em favor de melhoria de qualidade da nossa agropecuária. Pretendia que criasse uma bacia leiteira, altamente qualificada que aqui se estabelecesse com muita precisão e bom desempenho no manejo pastoril. Mas nada me favoreceu, pois as autoridades se calavam no tempo e no espaço.
Faziam vista grossa ao meu apelo e nem sequer se pronunciavam com muita satisfação e o desejo de enriquecer este município através de uma bacia leiteira.

      Infelizmente, essas autoridades faziam vista grossa ‘‘e não lutavam pela renovação da tecnologia agrícola’’. Fiquei bastante perplexo que essas ditas autoridades têm a incumbência de tratar com zelo e determinação a fim de combater o bom combate dando prática aos melhores atos de defender o desenvolvimento com equilíbrio e espírito de luta com trabalhos práticos que venham capacitar problemas agropastoris dentro de uma tecnologia ativa e moderna.

      Também quero lembrar que as autoridades caíam no esquecimento e não favoreciam nada a esse respeito, pois deixavam o povo sem determinação, praticando atos ofensivos porque prevalecia a falta de critérios morais devido à permanência de um povo ocioso já que não havia emprego suficiente e nem escola de qualidade para contornar o trabalho honesto e interessado no desenvolvimento do equilíbrio moral.

       Certa vez lembrava, que todos aqueles que tratavam de assumir o comando do destino do município faziam promessas ocas e só lutavam em torno de sí mesmo, principalmente aqueles que não tinham capacidade de administrar, mas faziam atos absurdos que entregavam Crato ao comando regional do município vizinho, principalmente àqueles que se diziam salvadores e vinham praticando os mais atos obscuros com a presunção de querer ser o maioral. Não abalava o plano de ação social e nem provocava com muita ânsia aqueles que tivessem a ousadia de trabalhar deixando cair no esquecimento. Por isso o Crato caiu na bancarrota e vejo que hoje em dia tem que ser difícil de provocar boas ideias e disposição em defesa do progresso deste município.

       Espera-se que venha favorecer com bons processos e com orgulho e enaltecer esta cidade no aceleramento do desenvolvimento. Ultimamente nota-se parcas pessoas com poderes de engrandecer, mas se deixam levar nas conversas destoantes do outro município inimigo do Crato. O Crato ficou totalmente enrolado pelos seus algozes que nos tentam destruir não deixando a penetração do desenvolvimento de boa qualidade.

      Também quero alertar a estas autoridades que nos destinam que também favoreçam a juventude que vão ter o mando do campo e o poder de decisão reagindo aos estímulos negativos que venham a incitar as atividades que são ativas e favoreçam o nosso desenvolvimento.
       Por isso meu caro Helder, nota-se que a juventude está desgarrada desse barco político, pois nota-se que ultimamente não se olha com atenção para as pessoas bem capacidades no comando ético e com interesse de evitar as urdiduras que vêm prevalecendo aqui no Crato desde épocas remotas, do tempo do milagroso que favorecia a intriga, a perfídia e a calúnia.

       Todavia, esse povo fica totalmente inoperante com baixo comportamento no desempenho político achando que o progresso vem naturalmente, sem o mínimo esforço que nos alevanta com o intuito de empurrar o barco do progresso para o caminho da igualdade, da fidelidade e da esperança.
Lembro ainda meu caro Helder, que se deve lutar pela volta da estrada de ferro que foi abandonada devido à insensatez que ainda anda atrelado na memória da desigualdade desses políticos mafiosos da capital que não desejam o melhoramento desta cidade. Haja vista que o Crato vem se dilacerando devido à explosão econômica fragilizada pela insensibilidade dessas autoridades da capital que não tentam igualar o interior para acelerar uma igualdade justa, equilibrada e ativa.

       Espero que esse povo ouça essa reclamação e venha melhorar os bons modos do crescimento igualitário entre o interior e a capital.

Pedro Esmeraldo
Crato, 31 de Outubro de 2018