24 setembro 2018

Folha da Manhã - Por: Emerson Monteiro


Único jornal diário do interior do Ceará, a Folha da Manhã, de Juazeiro do Norte, vem sustentando uma legenda na mídia desses tempos de intensas transformações. As matrizes da informação cruzam profundas mudanças em termos da utilização dos meios de comunicação, a oferecer alternativas digitais, porém a reclamar sintonia correspondente dos profissionais que abraçam o setor. Espécie de hecatombe das formas antigas de canalizar as notícias, faz rolar por terra muitos dos aparentemente sólidos veículos, que ora se desmancham no ar feitos bolhas abstratas. Enquanto isto, a Folha da Manhã, mesmo diante das precariedades da tecnologia analógica, no entanto, a olhos vistos sobrevive.

Veículo por demais voltado a posições claras e politicamente corretas das demarches regionais, sustenta bandeiras de coerência numa época de  tamanhas contradições, sendo bem isto que faz do jornal instrumento a merecer que nele divulguemos nossas ideias e façamos dele a plataforma donde possamos acompanhar o desenrolar dos acontecimentos na certeza de ser respeitado em nossas opiniões e avaliações. Nisto buscamos, sobremodo, acompanhar os seus dirigentes naquilo que de melhor possamos oferecer aos leitores, epopeia esta de tantos dias de sobrevivência.

Agora, aos 25 anos do órgão de imprensa dotado da vocação da sobrevivência, temos, por tudo isto, justas razões de continuar e resistir aos desafios da fase história que varre o mundo inteiro. A comunicação de massa, fruto da indústria dos bens de informação, requer, pois, atitudes e firmeza dos que a fazem. Diante disso, parabenizamos nesta hora Demontieux Fernandes e os demais bons profissionais pela força deste seu empreendimento, voz altiva da opinião pública mesmo face aos limites dos tempos e dos recursos técnicos.

O trabalho, por vezes silencioso, da mídia imprensa anda passo a passo com a história dos povos. E o Cariri dessas horas dispõe dos registros necessários à preservação dos nossos valores e nossa altivez, contanto possuímos a força pensante que exerce com persistência a função independente de preservar a versão dos acontecimentos nesta faixa de universo.