15 agosto 2018

As malhas do silêncio - Por: Emerson Monteiro


Tão perfeitas, alvas e puras, elas envolvem de beleza o senso da alegria de que carecem os humanos em peregrinações vítimas dos martírios. Ordenamento de valores que iluminam através das derradeiras réstias do sol que se esvaem num passado ingrato. Depararam trâmites de angústia e nem assim dobraram viver diante das dores. Receberam gestos agressivos dos que fugiram da consciência e do amor. Perdoar qual atitude única de corresponder às infinitas religiões e aos idiomas diversos de transformar penhor em luz mais elevada.

Que contrapor face aos desvarios deste mundo esdrúxulo? Dar faces no abismo sem perder de vista o valor da gratidão? Aceitar de bom grado as garras do destino, as latanhadas de feras, dos erros; pesar e medir, e nunca jogar os pés pelas mãos. Exercitar princípios da exatidão e da crença na justiça que em tudo prevalece. Um dizer contido nas marcas do sentimento, rasgos de dragões pela alma; saber que ninguém viverá longe dos olhos do Ser maior e presente no Universo inteiro.

Agora, essa leveza no interior das pessoas que padecem os traumas da amargura e sabem que têm de sobreviver perante o trilho deserto de tanto suor e sofrimento. Ali nuvens escuras cobrem esse fio azul dos olhos e pedem contribuição da inesgotável paciência. Procurar palavras no dever da conformação, entretanto respeitando que existem as vestimentas de quem padece sozinho e só eles devem sentir e transcender as dores deste mundo.

Saber suportar o silêncio nas transições de nossa evolução a níveis superiores, convicções entranhadas de resistir aos desafios e às provas. Domar os sentidos machucados ao jeito de santos e devotos, quase super-homens dos poderes inatingíveis. Ouvir palavras da misericórdia quais lágrimas de humildade e certeza nos dias bons logo a caminho, aonde seremos todos iguais nas bênçãos de novos Céus e alentos da Felicidade.

Temas - Por: Emerson Monteiro


Escrever pede o nome desde os começos, os temas. Eles mexem dentro do viveiro da inspiração indo minerar assuntos que preencham o motivo do texto. Devem atender ao momento de quem escreve no fim de tocar o gosto da ocasião, nos caprichos imaginários que vagam soltos pelas palavras e desenvolvem o sentido das frases nas metas da escrita. A busca dessa inspiração deixa fluir o pensamento, caçador das razões das letras, apresentando lugares do que dizer qual cicerone de significados ocasionais. Nisso, nessa hora de escolher o vilão, há tal parecença com quem compra numa feira livre em que eles quase viram objetos das escolhas no presumir a quem eleger, bem senhores de si.

Houvesse sempre uma boa história a contar, satisfaria desenvolvê-la por demais e restaria agradecido quem de longe procurava demasiado, pois a forma nasce lado a lado com o enredo de eleição. No entanto só de raro acontece tamanha naturalidade, a não ser num raro golpe de sorte. Às vezes um sonho, uma episódio cotidiano, uma pagina solta em algum livro; ocasionalmente, pois. Daí parecer que as musas nos auxiliam apenas quando estão de bom grado, simpáticas. E vivamos nós. 


Contudo a fúria do escrevinhador precisa acalmar, quer haja ou não tema, espécie de cápsula salvadora dos maníacos na crise das abstinências. Prudentes, saem a caminho à busca das flores que mereçam falas e ouvidos. Passo a passo, nada justificaria desistência diante do desejo extremo de produzir. Dalgum lugar do juízo virá o pro mode da canção literária. Sede cáustica de visões, profetas de si mesmos, vagabundos da solidão impaciente, lá seguem pelas esquinas vazias das noites estreladas.


Por isso os temas ser-se-ão importantes a quem deseja quebrar o silêncio do isolamento e levar distante o rochedo de Sísifo morro acima, obstinado, ainda que saiba vir abaixo e de novo continuar a missão tanto eterna quanto vida.


(Ilustração: Wassily Kandinsky).

CARIRIENSIDADE



A época em que os coronéis da Guarda Nacional mandavam e desmandavam no Cariri

    Segundo o historiador Irineu Pinheiro (“Efemérides do Cariri”, página 165), somente em 21 de dezembro de 1889 (1 mês e 6 dias depois do golpe militar que impôs a República no Brasil) a Câmara Municipal de Crato realizou a sessão para aderir a nova forma de governo implantada em 15 de novembro daquele ano. 
     Donde se conclui que as notícias sobre a "proclamação" da República chegaram ao Cariri num clima de total indiferença por parte da população. Não existiam – em Crato e demais cidades caririenses – simpatizantes do movimento republicano.


      Em Fortaleza, a capital do Ceará, a notícia do golpe militar chegou pelo telegrafo já que havia esse tipo de comunicação entre Fortaleza e o Rio de Janeiro. Já as comunicações entre o Cariri e a capital da Província eram precárias. Não havia, entre as duas cidades, linhas telegráficas.  Gastava-se um mês nas viagens entre Fortaleza e Crato, esta última, àquela época, a cidade mais importante do Cariri.

      O “coronelismo” foi um fenômeno que cresceu muito com a chamada “Proclamação da República”. Durante a Primeira República (1889-1930), o coronelismo acentuou-se como poder local nas cidades do interior nordestino. Os coronéis passaram a exercer o chamado “mandonismo político”. Crato não ficou imune ao fenômeno. Com a derrubada da monarquia – e a expulsão do Imperador Dom Pedro II e sua família, – o brasileiro comum não tinha mais a quem recorrer (com a mesma confiança e imparcialidade  existentes nos tempos imperiais) a um poder isento para resolver seus problemas.

Como surgiu a famosa “Lei de Chico Brito”

 Cel.Chico de Brito
     Entre 1896-1912 – por 16 anos – governou o Ceará a oligarquia dos Accioly. Vem de longe, como se vê, a tradição de “famílias importantes” dominarem o poder no Ceará. Era “Intendente” de Crato, àquela época, o Cel. Antônio Luiz Alves Pequeno, fiel ao clã Accioly. “Intendente” era como se chamava (no início dos conturbados tempos republicanos), o atual cargo de “Prefeito Municipal”. Derrubado o Governo Accioly, assumiu o Coronel Franco Rabelo. Este, nomeou como novo intendente de Crato seu aliado, o Coronel Francisco José de Brito.
  
     O antigo intendente Antônio Luiz Alves Pequeno não quis entregar o cargo. O Coronel Francisco José de Brito, inteligente e astuto, foi ao Lameiro e trouxe até a Praça da Sé (onde ficava o prédio da Intendência) um grupo de amigos. Encontrando a Intendência fechada, arrombou a porta e sentou-se na cadeira do Intendente anterior. Nisto apareceu o Dr. Irineu Pinheiro, sobrinho do Cel. Antônio Luiz. Irineu Pinheiro (que depois seria um dos maiores historiadores do Cariri) ficou revoltado e perguntou:

– “Mas que lei é essa na qual o Sr. se arrima para assumir a Intendência”?
     O Cel. Chico de Brito, tranquilamente, sentenciou:
“É a “Lei de Chico de Brito”! Esta lei eu mesmo fiz. E estamos conversados”.

Potengi: o maior polo de ferreiros do Cariri


    Potengi, pequena cidade do Sul-cearense, possui o maior polo ferreiro do Cariri. Ali se fabrica facas, foices e outros artefatos de ferro, cuja produção é vendida no comércio local e exportada para outros municípios do Ceará, Piauí e Maranhão.  Potengi é conhecida como “a cidade que não dorme”. Isso devido aos produtos da metalurgia, serem moldados em meio a grande calor, quando o ferro é aquecido – em uma forja que se mantém quente graças a um fole operado a mão – até ficar vermelho-brilhante. A seguir, o ferreiro vai batendo e dando forma aos objetos.

    Em Potengi, os ferreiros sempre começam a trabalhar à meia-noite quando a temperatura é mais amena. Manualmente, o ferro é modulado sobre as bigornas E nessa hora começam as batidas dos martelos sobre o ferro, ecoando pela pequena cidade. Chega a parecer uma sinfonia metálica, esse martelar! Batidas que só terminam com o nascer do sol, quando os ferreiros vão dormir e Potengi inicia novo dia de atividade normal. 

Memória: Um caririense ilustre

    Antônio Martins Filho cognominado “O Reitor dos Reitores”, nasceu em 22 de dezembro de 1904, no sítio Santa Teresa (Missão Velha), mas foi registrado como tendo vindo ao mundo em Crato. Faleceu em Fortaleza, em 20 de dezembro de 2002, dois dias antes de completar 98 anos.
    Era de família pobre e exerceu empregos muito humildes como trabalhador braçal na construção da estrada de ferro Fortaleza–Crato. Mas já aos 18 anos foi um dos fundadores do Academia dos Infantes de Crato (1922). Nasceu para ser grande. Membro de Academias, Institutos, Conselhos de Educação (estaduais e federal), “Doutor Honoris Causa” de dezenas de universidades brasileiras e estrangeiras.
  Escreveu 30 livros sobre Ciências Jurídicas, História, Educação, Literatura e Economia.  Foi agraciado com 12 condecorações de instituições brasileiras e do exterior. No entanto, passou à história como o “Criador de Universidades”.

     Para ficar apenas no Ceará, ele foi fundador, e primeiro reitor, tanto da Universidade Federal do Ceará, como da Universidade Regional do Cariri–URCA. Fundou também a Universidade Estadual do Ceará. Não existe nenhuma rua de Crato com o nome do Dr. Martins Filho. Mas existem, nesta cidade, duas ruas: a Rua Lagarta Pintada (no bairro Lameiro, CEP 63112-125) e a Rua Soldadinho do Araripe (no bairro Vilalta, CEP 63119-085). Mesmo com o crescimento da cidade, os vereadores fingem não ter mais gente ilustre para homenagear como patrono das ruas de Crato.

Embrapa investe no pequi

A beleza da flor do pequizeiro

Com o título acima, transcrevo nota publicada na coluna de Egídio Serpa (“Diário do Nordeste”, 09-08-2018):
“Fruta muito consumida pelos cearenses da região do Cariri, o pequi nunca foi tratado com a atenção que merece, pelo menos até agora. A Embrapa Agroindustrial, com sede em Fortaleza, anuncia que dará apoio a um projeto de pequenos produtores que querem agregar valor ao pequi, beneficiando-o pela via industrial, usando para isso o processamento a frio para beneficiar o óleo extraído, artesanalmente, da polpa do fruto. Quer a Embrapa fortalecer a atividade dos agricultores e coletores de pequi e gerar emprego e renda na região do Cariri”.

Cariri poderá ganhar sua primeira santa: a menina Benigna


    O bispo de Crato, Dom Gilberto Pastana de Oliveira, já recebeu o livro “Positio” encerrando a penúltima fase da beatificação da “Serva de Deus” Benigna Cardoso da Silva, a menina Mártir de Castidade. Em outubro esse “Positio” será analisado pelo grupo de teólogos, da Congregação para a Causa dos Santos, que poderá declarar Benigna “Venerável”. Depois disso ela poderá ser proclamada “Beata”, última etapa que antecede a canonização.

      Séculos atrás era mais fácil a Igreja Católica canonizar um “Santo”. Hoje o processo é demorado e difícil. No século XIV a Santa Sé passou a autorizar a prestação de culto, limitado a determinados lugares, a alguns “Servos de Deus” cuja causa de canonização ainda estava em andamento ou sequer tinha sido iniciada. Esta concessão, orientada para a futura canonização, é a origem do que se denomina hoje de “beatificação”. A partir do Papa Sisto IV (1483), os “Servos de Deus” aos quais se prestava um culto limitado passaram a ser chamados de “Beatos” ou “Bem-Aventurados”. Ficou assim estabelecida em caráter definitivo a diferença entre os títulos de “Bem-Aventurado” – o servo de Deus que foi beatificado – e “Santo”, o Beato que foi canonizado.

        Parece um sonho!  Mas a menina-mártir de Santana do Cariri, Benigna Cardoso da Silva, poderá ser a primeira santa do Estado do Ceará.
  
História: Padre-mestre Ibiapina e suas passagens pelo Cariri

   Embora nascido em Sobral, em 5 de agosto de 1806, o adolescente José Antônio Pereira Ibiapina viveu – entre 1819 e 1823 – em Crato (onde frequentou aulas de religião com o vigário José Manuel Felipe Gonçalves) e na cidade de Jardim (onde estudou latim com o mestre Joaquim Teotônio Sobreira de Melo). Depois de ordenado sacerdote ele voltaria outras vezes ao Cariri, onde construiu as Casas de Caridade de Crato, Barbalha, Missão Velha e Milagres, bem como a igreja, cemitério e um açude em Jamacaru.

    Na vida civil Ibiapina foi professor de Direito Natural na Faculdade de Olinda; foi eleito Deputado Geral (hoje deputado federal) representando o Ceará na Câmara Legislativa, no Rio de Janeiro; foi nomeado Juiz de Direito e Chefe de Polícia da Comarca de Quixeramobim (CE). Exerceu a advocacia em Recife. Abandonou tudo isso e, aos 47 anos, foi ordenado Padre da Igreja Católica. A partir daí, percorreu o interior do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco levando o conforto, através da palavra para o povo sofrido do sertão nordestino. Mas não só isso. A cavalo ou a pé, sempre vestido com a batina, pregava nas “missões”; paralelamente, construía igrejas, capelas, cacimbas, açudes, cemitérios e hospitais. Chegou a construir mais de 20 Casas de Caridade para moças órfãs e carentes.

    Sobre ele, escreveu Gilberto Freyre: “ Ibiapina foi realmente uma enorme força moral a serviço da Igreja e do Brasil. [...] exemplos como o do padre Ibiapina – que,  sozinho, fundou e organizou vinte casas de caridade nos sertões do Nordeste – se impõem aos brasileiros como grandes valores morais”. Faleceu no município de Solânea, na Paraíba, em 19 de fevereiro de 1883. Sua causa de beatificação corre na Congregação para a Causa dos Santos, do Vaticano.

   Ao Padre Ibiapina se aplica com toda justeza as palavras do livro bíblico “Eclesiástico”: “Meu filho, se entrares para o serviço de Deus, permanece firme na justiça e no temor, e prepara a tua alma para a provação; humilha teu coração, espera com paciência, dá ouvidos e acolhe as palavras da sabedoria; não te perturbes no tempo da infelicidade, sofre as demoras de Deus; dedica-te a Deus, espera com paciência, a fim de que no derradeiro momento tua vida se enriqueça”. (Eclo 2,1-3)