08 maio 2018

Quadros e galerias - Por: Emerson Monteiro


Os melhores quadros nunca chegam às galerias. As melhores inspirações nunca passam além do peito, isso porque não conseguem sair e dizer o próprio nome em forma de significado. E aqueles que as encontram e recebem em si próprios, jamais resistiriam dizer de tanta beleza, contar de tanta poesia, porquanto a força incontida do viver impõe a isso condições inestimáveis. Quantas vezes vêm sendo assim, pelos séculos sem fim, de se saber de coisas lindas, nos sonhos, nas manhãs agradáveis, e não saber, hoje, amanhã, nos outros dias, transmiti-las em termos artísticos. Olhar o céu, o mar, a serra, o sol; sentir a energia do som, da brisa, e não se conseguir falar de tais qualidades, impossíveis de caber em nossos pensamentos, nas palavras, nos versos, nos sons, nas telas, nos filmes, nas fotografias... Os mais destacados artistas, todavia, insistem e se entregam ao ofício de colher as flores do tempo e oferecê-las em forma de criação, para passarem de mão em mão, querendo eternizar o fugidio, multiplicar o momento, dizer de tanto mistério, e não buscar adquirir o poder das coisas perfeitas, trazê-las em códigos, passá-las além de si. Muitos até que um pouco disso conseguem, mas, sendo desse jeito, poucos são aqueles que se apercebem de tanta beleza, do tanto de poesia que transmitem os maiores artistas, para passar de mão em mão os painéis inimitáveis da Natureza, no quadro desta vida, querendo através do sonho da arte eternizar o fugidio, domar o indizível, multiplicar o momento, vencendo a impossibilidade de passar além do peito as maiores inspirações, as fazendo sair, quase sem conseguir, lançando além das vagas as doces mensagens infinitas da vagas e brisas. Isto porque os melhores quadros nunca chegam às galerias... Aqueles que os encontram silenciam, no sentido de tanta beleza, tanta poesia, a lhes doer dentro do peito, falando de algo que não podem passar além de si, porque não conseguem transmitir, dominar o momento, satisfazer o fugidio. E ficam, desse modo, a contar só as notícias daqueles melhores momentos, quadros esses que existem nas folhas soltas dos dias, nas luzes eternas da existência, porém que jamais chegam às galerias.  Diz o credo taoísta, religião chinesa de alguns milênios passados, sujeite-se ao efeito, e não busque descobrir a natureza da causa, modo de querer paz, em face de tudo que neste mundo aconteça. Feridas pedem tratamento. As palavras adormecem nos livros, almas vivas, nas luzes do sentido leve das coisas. Ontem, amanhã, cada dia...

Eleições 2018: candidatos cratenses -- por Flávio Pinto

Faltam exatamente 5 meses para o dia 7 de outubro,  quando o Brasil fará eleições para eleger novo Presidente da República, governadores, senadores e deputados federais e estaduais.

Quatro cratenses já se declaram candidatos: Camilo Santana (tentará a reeleição para o Governo do Ceará, Raimundo Filho será candidato a deputado federal e Valberto Esmeraldo e Pedro Lobo tentarão uma vaga de deputado estadual.
 Raimundo Filho tentará a Câmara Federal
 Ex-vice-prefeito do Crato nas legislaturas (2009-2012 e 2013-2016), Raimundo Filho trocou o PPS pelo PSDB e será candidato a deputado federal nas eleições de outubro próximo.

A informação foi confirmada pelo próprio pré-candidato que, assim, vai atender o chamamento do senador Tasso Jereissati, do ex-governador Lúcio Alcântara e do vice-prefeito de Maracanau, Roberto Pessoa para ser a referência política da oposição ao governo Camilo, no Crato, uma vez que o ex-prefeito Samuel Araripe está irredutível da sua posição de não disputar a eleição deste ano.

Desde 2017, Raimundo Filho tem dividido seu tempo entre Fortaleza e o Crato. O período lhe serviu para mergulhar em novo trabalho e dedicação à família na capital. Mas, o sangue político que corre nas veias, não o deixou afastar-se por longo tempo da política. "Fui convencido pelos amigos e pelo Dr. Tasso a me filiar ao PSDB. Desta forma, vou mais uma vez colocar meu nome à disposição dos eleitores, sobretudo dos caririenses", disse Raimundo Filho, que já iniciou sua pré-campanha com visita aos amigos e correligionários no Crato. Em 2014, Raimundo Filho foi candidato a deputado estadual, mas acabou não sendo eleito.

Fonte: Jornalista Flávio Pinto

"Coisas da Ré Pública": Crise nos correios gera temor de demissão e qualidade do serviço no Ceará


Prédios dos Correios em Crato, construido em 1932, na ditadura de Getúlio Vargas, quando a cidade tinha cerca de dez mil habitantes.Hoje são mais de 135 mil e o prédio é o mesmo.

Fonte: O POVO, por Irna Cavalcante

     O vazamento do plano de reestruturação da Empresa de Correios e Telégrafos (ECT), que prevê o fechamento de 513 agências e a demissão de mais de 5,3 mil funcionários em todo o País, gera apreensão entre funcionários e usuários do serviço no Ceará. Ainda não se sabe o quantitativo que será executado no Estado e nem a partir de quando as mudanças começam. Mas, nas ruas, a preocupação é de que ocorra sobrecarga de trabalho e piora na qualidade do serviço. O presidente interino dos Correios, Carlos Fortner, em entrevista ao Estadão, informou que o plano aprovado pela Diretoria e pelo Conselho de Administração no início deste ano está mantido, mas pode ser que os números aumentem ou diminuam em função da análise de cada caso em específico, processo que ainda não foi encerrado.

Sobre o assunto

    Segundo ele, as mudanças ocorrerão em etapas. O primeiro passo seria encerrar as agências que funcionam em imóveis alugados, mas que estão próximas daquelas que funcionam em prédio próprio. Em seguida, extinguir as que estão perto de outras que também tenham unidade própria. Somente em um terceiro momento ocorreria a substituição por franqueadas.

     No Ceará, existem 209 agências dos Correios e apenas dez funcionam em imóvel próprio da empresa. Do total, há ainda 27 terceirizadas no Estado. Destas, 21 são franqueadas do último processo de licitação, de 2011, que possibilita a oferta de todos os serviços, menos os de banco postal. As demais são permissionárias que possuem lista de atividades mais restrita. Nestes locais, não é possível, por exemplo, fazer contratos mensais com empresas, apenas pagamentos à vista.

    Em Fortaleza, são 19 agências dos Correios. Mesmo tendo duas unidades próximas de onde mora, no bairro do Henrique Jorge, o músico Cláudio George, 32 anos, fica receoso com o enxugamento do quadro. Ele participa de uma rede de compra e venda de instrumentos musicais e costuma usar os serviços da empresa pública pelo menos três vezes por mês. “Para nós, usuários, é muito complicado porque hoje eles cobram caro por um serviço ineficaz. Uma encomenda que era para chegar em dez dias úteis se transforma em dois, três meses. Se reduzir o número de agências e funcionários, provavelmente, a tendência é piorar. Já têm umas que nem aceitam cartão de crédito”, afirma o músico.

     O diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Correios e Telégrafos e Similiares do Estado do Ceará (Sintect-CE), Emanoel Marques, diz que há muita apreensão entre os funcionários. “O clima é de terror dentro das agências. Todo mundo com medo de ser demitido ou, na melhor das hipóteses, quem trabalha interno ser transferido para entrega, que é uma função para qual não foi admitido. Só há incerteza. Ninguém diz nada”.

      Em Crato
     A cidade de Crato até poucos anos possuía duas agências. A outra era franqueada e atendia aos usuários dos Correios muito bem. Estava localizada na  Rua João Pessoa, onde hoje funciona a loja Cacau Show. Devido à burocracia dos Correios (coisa de estatal falida) o contrato com a pessoa que explorava a agência franqueada não foi renovado. E todo o serviço de uma cidade com mais de 135 mil habitantes hoje é feito unicamente no prédio da Rua Tristão Gonçalves, mais conhecida como Rua da Vala. Juazeiro do Norte possui três agências dos Correios.



Um fato histórico desconhecido da maioria dos brasileiros – por Armando Lopes Rafael


      Todo mundo sabe que o Ceará foi a primeira província do Império do Brasil a abolir a escravidão da raça negra.
        O que pouca gente sabe, é que os abolicionistas cearenses escreveram ao Imperador Dom Pedro II pedindo uma ajuda para a causa da libertação dos escravos no Ceará. Em resposta aos abolicionistas cearenses, que lhe pediam apoio à causa na província, o Imperador não só auxiliou com a carta, mas com a quantia de 400$000 (quatrocentos mil réis) dinheiro que dava para comprar, aproximadamente, quatro quilos de ouro, à época, quantia que foi tirada do próprio bolso do magnânimo Imperador.
     Eis uma frase da carta de Dom Pedro II: “Ninguém pode duvidar dos meus sentimentos em relação à causa abolicionista [...] porque ninguém faz mais votos para que os trabalhadores da causa da liberdade sejam felizes. ”

 130 anos da Lei Áurea

Catedral de São Pedro de Alcântara – Túmulos de Princesa Isabel, D.Pedro II, D.Tereza Cristina e Conde d’Eu
Convite
O Instituto Histórico de Petrópolis e o Instituto Cultural D. Isabel I a Redentora

Convidam para a Missa Dominical da Catedral de São Pedro de Alcântara, na qual se renderão graças pelos 130 anos da promulgação da Lei Áurea, que aboliu a escravidão no Brasil —, e após a qual se repetirá a homenagem floral junto ao túmulo de D. Isabel.
Lembra-se que no 13 de Maio também se festejam liturgicamente as invocações de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento e Nossa Senhora do Rosário de Fátima.Em 2018, trata-se, ainda, do “Dia das Mães”.

13 de maio de 2018 – 11h30min
Catedral de São Pedro de Alcântara
Centro – Petrópolis – RJ