09 março 2018

No Dia Internacional da Mulher: iraniana pega dois anos de prisão por tirar o véu em público

Legislação do Irã proíbe mulheres de mostrar o cabelo em público desde 1979. 
Vocês já viram (ou ouviram) algum esquerdista troglodita brasileiro criticar o regime dos aitolás?
Fonte:VEJA
Em dezembro, mais de 30 mulheres foram detidas por participar de uma onda de protestos contra o uso obrigatório do véu (@Amiroai/Twitter)

     Uma iraniana que tirou seu véu em público foi condenada a dois anos de prisão na quarta-feira. A Promotoria de Teerã não forneceu a identidade da mulher, mas afirmou que ela pretende recorrer da sentença.
     Segundo o procurador Abbas Jafari Dolatabadi, a mulher tirou o véu em uma rua de Teerã para “encorajar a corrupção moral”, de acordo com a agência de notícias local Mizan Online.
A iraniana poderá pedir liberdade condicional após três meses de pena. Dolatabadi também criticou o que chamou de uma pena “leve” e disse que iria pressionar os juízes responsáveis pelo caso para que ela cumprisse os dois anos encarcerada.
     Mais de 30 mulheres iranianas foram presas desde dezembro por tirar seus véus em público como forma de protesto. A maior parte delas já foi solta, mas algumas enfrentam sérios problemas legais.
     A lei vigente no Irã desde a Revolução Islâmica de 1979 exige que as mulheres saiam às ruas com um lenço sobre suas cabeças e seus corpos cobertos por roupas “modestas”, preferencialmente longas, mas que, no mínimo, cubram os joelhos, os ombros, o colo e o cotovelo.

“Zona Azul” de Crato: a pior do Brasil

   Entra mês e sai mês e o sistema de estacionamento de veículos no centro de Crato continua igual a “cantiga de perua”: de pior a pior...  A nova “Zona Azul” reimplantada pela atual administração municipal de Crato é cheia de incongruências. Funciona numas ruas do centro e noutras não.
    É o caso da Rua Tristão Gonçalves, mais conhecida como Rua da Vala, onde os “flanelinhas” é quem são "o dono do pedaço". Na rua da Vala  as motos invadem o espaço antes destinado aos veículos; Os entulhos das construções são colocados nas calçadas prejudicando o direito de ir e vir dos pedestres. Naquela rua estão localizados os Correios, clínicas, consultórios e laboratórios médicos, cartório, muitas lojas, padaria, oficinas mecânicas, dentre outros estabelecimentos de utilidade pública.
     Tem também o caso da Praça da Sé, onde a Zona Azul é administrada -- ao que parece -- em parceria público/privada. Lá, é comum os “guardadores de carro” dividirem a administração do estacionamento com os funcionários da Zona Azul. Simples assim. O que se observa é a ausência, a omissão total da Prefeitura para melhorar a Zona Azul.
     No quarteirão da Rua Mons. Esmeraldo, em frente ao antigo prédio da Teleceará, para taparem um vazamento d’água, há mais de 6 meses, funcionários da SAAEC retiraram parte do asfalto, onde ficava um “azulão” (servidor que cobra o estacionamento da Zona Azul). De lá para cá, nem tem mais funcionário para cobrar estacionamento, nem repuseram o asfalto. Aquele trecho tornou-se ainda mais feio e maltratado do que era antes da remoção do asfalto.
Até quando?
Por Armando Lopes Rafael

Coisas da “Ré Pública”: Uma geração perdida – por Paulo Roberto Gotaç (*)

Pesquisa do Banco Mundial (Bird) recentemente divulgada mostra que mais de metade da juventude brasileira, cerca de 25 milhões de seres humanos, está excluída do fluxo econômico do País, em decorrência, entre outros fatores, de uma educação falha, perversa, na medida em que nega o acesso de qualidade a grande parte da população, e desconectada da realidade nacional. Nada mudará, no entanto, enquanto tal fundamento, necessário, porém não suficiente, ao desenvolvimento, continuar a ser usado pelos políticos como bandeira na busca de votos e negligenciado depois das eleições.

(*) Paulo Roberto Gotaç – E-mail: pgotac@gmail.com – 



Comentários
Jair Gomes Coelho disse:
Ao contrário do Brasil, os países desenvolvidos (como as monarquias europeias, e outros países que vivem sob a égide de princípios monárquicos: Canadá, Austrália, Nova Zelândia...) sempre viram a educação como uma ferramenta imprescindível para o seu desenvolvimento. Já aqui o que se vê é muita conversa pra boi dormir quanto ao futuro da educação, este e todos os governos anteriores não trataram o problema como deveria ser. E, assim, mais da metade dos jovens ou não concluiu ou nem sequer cursou o ensino fundamental e, em consequência, a taxa de desemprego, cuja média nacional é de 8%, já atingiu 20% entre os jovens. O cenário educacional no País não condiz com o gigantismo da sua estrutura nem com as dotações orçamentárias do Ministério da Educação. Nessa área fundamental, as coisas andam a passo de cágado sedado ou de caranguejo mutilado... 

Eleição presidencial já tem 11 pré-candidatos

Para analistas, incerteza do cenário e possível impedimento de Lula estimulam postulantes ao Planalto; ontem, DEM lançou Maia e PDT apresentou Ciro
 Fonte: Estado de S.Paulo, 09 Março 2018
     A cinco meses para o início do registro das candidaturas, a corrida eleitoral deste ano começa a ganhar forma e já reúne pelo menos 11 postulantes ao Palácio do Planalto colocados oficialmente. Nesta quinta-feira, 8, os nomes do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do ex-ministro Ciro Gomes (PDT) foram lançados por seus partidos.
      Analistas apontam o cenário de incerteza na disputa presidencial, reflexo da crise política, e o fim do financiamento empresarial como determinantes para a proliferação de candidaturas. A possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), até agora líder nas pesquisas de intenção de voto, ficar impedido de concorrer com base na Lei da Ficha Limpa também é considerada um fator para a pulverização de candidatos.
      Algumas dessas candidaturas, porém, são vistas como tentativa de os partidos se cacifarem nas negociações de alianças eleitorais, como a do próprio Maia. No evento em que “estreou” como pré-candidato à Presidência, o deputado foi reverenciado por líderes de siglas do Centrão e até por tucanos, que já têm no governador Geraldo Alckmin (PSDB) seu pré-candidato. Eles ainda tentam atrair o DEM para a chapa presidencial.

Comentários
Armando Rafael disse: Os maus por si se destroem.
Banalizaram as candidaturas à Presidência da Republiqueta!
Tem candidato para todos os gostos!
Mas, na verdade, quem for criterioso vai escolher “o menos ruim”. Este é o indicativo! 
A continuar assim (e se não fosse a urna eletrônica), teríamos a volta do voto ao crocodilo Cacareco (alguém lembra?) que  ganharia de lavada, seria o voto de protesto, resultado da indignação do povo brasileiro diante de tantos descalabros de muitos políticos desta Ré Pública.

Correios: a imagem da decadência republicana no Brasil –– por Armando Lopes Rafael


A antiga sede do Departamento dos Correios e Telégrafos nos primeiros anos da República brasileira, ainda conservava resquícios da aristocracia e seriedade dos tempos da Monarquia

     Enviei uma correspondência para um amigo em Guaraciaba do Norte, cidade deste Estado do Ceará, no dia 2 de janeiro de 2018. Ele recebeu a carta no dia 15 de fevereiro, 45 dias após a postagem em Crato.  É de domínio público que na época do regime militar uma carta de São Paulo para Crato era entregue em 48 horas. Recentemente recebi um “Sedex” vindo de Brasília, da Embaixada da Colômbia, com atraso de 18 dias. Note bem: era um "Sedex", postagem cara, por ser encomenda urgente e deveria ter sido entregue, no máximo, em 3 dias úteis.
       O  tempora! o mores! (Ó tempos! Ó costumes!) já exclamava Cícero, contra a decadência de seus contemporâneos.
      A decadência da eficiência dos Correios é a ponta do iceberg, do caos administrativo da Republiqueta brasileira. A cada dia mais nos distanciamos da eficiência dos “Correios e Telégrafos”, empresa respeitada até anos recentes quando resvalou para a atual empresa desacreditada, que atrasa a entrega das correspondências, que teve a influência nefasta de políticos corruptos, culminando com a quase falência do fundo de pensão dos seus funcionários: o Postalis.
A filmagem de um emissário do PTB recebendo propinas nos Correios
detonou a existência do "Mensalão", o primeiro de uma série de esquemas de corrupção
 que resultou na Operação Lava Jato. Tudo de domínio público.

      Em 2016, o prejuízo dos Correios se aproximou dos R$ 2 bilhões, pouco abaixo do prejuízo registrado em 2015. Naquela ocasião, o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, disse que os Correios poderão ser privatizados, se não ocorrer um processo que rapidamente traga de volta o equilíbrio financeiro à empresa.
    Entrevistado, em março de 2017, e questionado sobre os motivos que levaram os Correios a essa situação, Kassab disse que diversos foram os fatores que levaram ao cenário atual. Ele destacou ainda que a União não pretende sustentar os prejuízos da estatal. "Má-gestão é corrupção, loteamento, não ter capacidade de recursos adicionais, não fazer os cortes necessários para manter o equilíbrio. […] A empresa está correndo contra o relógio, porque o governo não tem recursos", disse o ministro em entrevista coletiva à imprensa.
      E imaginar que os Correios já foram um orgulho para os brasileiros. No tempo do Brasil-Império ser funcionário dos Correios era um privilégio e dava status. Os Correios era uma empresa eficiente e confiável. Mesmo na República, foi, por muito tempo, reconhecida como uma empresa de renome, uma empresa de alta credibilidade, uma empresa que realmente atendia a necessidade da sociedade. O grande Presidente Juscelino Kubitschek, para citar um único exemplo, foi funcionário dos Correios em Belo Horizonte. Quem entra na Agência Central dos Correios na capital mineira, na Avenida Afonso Pena, defronta logo com um enorme retrato de JK no saguão, e abaixo a legenda: “Funcionário modelo dos Correios”.
      Entretanto, com a chegada do PT ao poder, em 2003, os Correios começaram a dar prejuízo. Hoje é uma empresa deficitária e ineficiente. O aparelhamento político da empresa, feito pelo PT de Lula e Dilma,  foi sem nenhuma dúvida, a causa maior da sua decadência.