08 março 2018

Sua Majestade o buraco!

imagem ilustrativa

A Temporada das chuvas chegou e os buracos nas ruas de Crato voltaram com força total. O assunto é um dos mais comentados nas redes sociais e as críticas giram em torno da administração municipal, pois,  a exemplo do ano passado, parece que aguarda auxilio do Governo do Estado para realizar nova operação “tapa buraco”.
Cabe a pergunta: o que dizer de uma administração municipal que não tem dinheiro nem para tapar os buracos das suas ruas? E se compararmos com as administrações das cidades vizinhas, será que existe justificativa para que nenhuma obra pública foi construída, pela Prefeitura de Crato nos últimos 15 meses? Alguma coisa está errada nesta Mui Nobre e Heráldica Cidade de Frei Carlos...
Por Armando Lopes Rafael

"Coisas da República": a "presunção de inocência" (por Gilberto Dib)


        Se há uma expressão que funciona como um mantra da impunidade no Brasil, essa é "presunção de inocência". Se, em meio a discussões sérias sobre a criminalidade no País, alguém brada essa expressão, todos se recolhem como se a voz fosse do Senhor...
       O que significa? Significa que um criminoso já condenado por um juiz de direito, continua tendo o direito de apelar, em liberdade, para mais três instâncias cujos processos podem levar mais tempo do que a máxima pena admitida no País. É um absurdo, e esse conceito resume tudo o que causa o estado da corrupção e da criminalidade que está destruindo, não só o País, mas também a esperança do cidadão brasileiro. O advogado de Lula, Sepúlveda Pertence, viu na sua derrota no STJ uma posição "punitivista".
       Pago pelo maior criminoso que o País jamais conheceu, esse senhor representa o atraso do pensamento das elites institucionais brasileiras. A expressão "presunção de inocência", e sua coirmã "foro privilegiado", não existem na Constituição, mas são expressões carregadas de emoção influenciando as decisões que deixam de ser racionais. Lula é inocente? Mostrem-nos uma prova, umazinha sequer, de que ele é inocente! Presunção? Ora, uma justiça que se baseie em presunções disso ou daquilo é viciada e polarizada tendendo claramente a proteger os maus. Não serve para um país como o Brasil, que necessita de objetividade e de equanimidade, e de uma Justiça isenta e verdadeira!

Gilberto Dib: E-mail: gilberto@dib.com.br
São Paulo

Supremo Tribunal Federal -- STF, a caixa-preta -- por Elias Skaf (*)

   
Mais uma condenação unânime de Lula da Silva – agora no Superior Tribunal de Justiça (STJ) –, julgada por critérios técnicos e jurídicos, ratifica a culpabilidade do ex-presidente, que só vê uma saída para não ser preso: o polêmico Supremo Tribunal Federal (STF). Enquanto outras instâncias analisam juridicamente as ações do ex-presidente, o STF, na contramão da Justiça brasileira, já demonstra articulações políticas de alguns ministros na tentativa de “melar o jogo”, visando a beneficiar o condenado, contrariando todo o trabalho minucioso realizado ao longo dos meses por outros juízes. Todo o Brasil já sabe quem são os ministros que pressionam a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, a mudar as regras.
      São os mesmos que sempre votam por gratidão, amizade ou interesses outros. É muito fácil identificá-los, é só ver seus retrospectos e suas indicações e teremos a resposta. Por “coincidência”, seus “entendimentos” são sempre óbvios e parciais. A Nação torce para que a Suprema Corte aja com ética, isenção e imparcialidade e que todos os ministros honrem a toga e deem a este país o que ele efetivamente merece: que seja feita justiça!

(*) ELIAS SKAF -- e-mail: eskaf@hotmail.com