22 janeiro 2018

Vozes da rua - Por: Emerson Monteiro


Todos numa vida em movimento, subterrâneos escondidos e misteriosos até naqueles que só trocavam passos nessas histórias de viver. Sabem o que querem, o que sentem, o que pensam, se é que sabem. Mas quero crer que sabem, sim, de verdade, à sua maneira por vezes acidental. Tropeçam, caem e se levantam meio assustados de existir, e tocam o caudal de folhas secas por vezes aparentemente sem sentido. Descobrem aqui e ali razões parciais e sobrevivem pelas páginas dos jornais, filmes, ficções que vagam soltas nos noticiários, nas versões das outras pessoas, nunca a real realidade das noites que somem. Admitem compreender as notícias, fora de saber que são meros manipulados ao sabor de interesses outros que não os seus. As paredes do tempo até que passam rápido nas faces do Eterno.

Noutras ocasiões, manipulam os corpos, seu e alheios, e jogam dados nos tabuleiros deste universo, quais campeões de times imaginários. Abraçam a si próprios e congratulam vitórias fantasiosas de sorrisos abstratos, seres doutras visões. Ah! Quantas bocas eles ainda beijarão antes de serem beijados?!. A tantas flores que, por certo, aspirarão novos perfumes, tais pássaros que cantam o silêncio e adormecem felizes rumo ao desconhecido. Olhos que nada veem do dia seguinte. Valorosos guerreiros da doce felicidade.

Nisso, saem às ruas à busca de renovar o repertório das cantigas e guardar a sensação dos desejos no íntimo do coração. Nem de longe avaliam haver nalgum lugar do Paraíso grandes painéis que a tudo controlam e determinam esse ritmo do fluir das gerações. Bom assim, porquanto nos dias sem conta os pássaros cantam e as pessoas regressam aos leitos nos braços dos sonhos. E um rio de água pura, lá um dia, passeará na perfeição das almas, enquanto palavras voarão livres ao sol das manhãs. Ninguém estará sozinho no Infinito, na face do amor que limpa a vontade e desvenda cicatrizes deixadas nas consciências despertas.

(Ilustração: Pancetti).

O rei morreu? Viva o rei! -- Sem Lula, vida que segue (por Ricardo Noblat)


    Às vésperas do julgamento de Lula em Porto Alegre, cada lado diz o contrário do que pensa, deseja ou imagina que vai acontecer. Dirigentes do PT, por exemplo, dizem que ele será inocentado porque outro caminho não existe a prevalecerem o espírito da lei e a ausência de provas do crime que lhe foi imputado.
    Estrelas de outros partidos da esquerda, só para ficarem bem na foto, dizem que a eventual condenação de Lula subtrairia a legitimidade das próximas eleições. A mesma toada é repetida por ex-adversários do PT encrencados com a Justiça, mas que sonham com seu apoio para tentar se reeleger.
Por fim, adversários de Lula que continuam adversários afirmam que o melhor seria que ele disputasse a eleição presidencial para ser derrotado. Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB) já disseram isso. Mais cuidadoso, o presidente Michel Temer não falou que gostaria de ver Lula derrotado, mas disputando, sim.
    Tudo falso!
    Os principais dirigentes do PT estão convencidos de que Lula será condenado – só não querem nem podem admitir. Torcem para que o placar seja de pelo menos 2 x 1. Porque se um juiz votar pela absolvição de Lula, haverá esperança de que ele possa ser candidato. A Justiça é lenta. As eleições, logo ali.
    A ser verdade que a condenação de Lula tornaria as eleições menos legítimas, os que pensam dessa maneira não deveriam disputá-las. A fazê-lo, serão cúmplices da desonestidade. Mas qual partido aliado do PT está disposto a tamanho sacrifício? Nenhum. Nem o PT está. O rei morreu? Viva o rei! Vida que segue.
    Pergunte a Renan Calheiros (PMDB-AL), Eunício Oliveira (PMDB-CE) e outros mais que defendem Lula, se eles irão para casa em sinal de protesto caso aquele que passaram a amar tão recentemente virar um ficha suja? Qual o quê! Lamentarão a ausência de Lula em suas campanhas e redobrarão o esforço atrás de votos.
    Por fim, os adversários de Lula que seguem adversários celebrarão às escondidas sua condenação, e com um suspiro de alívio. Não preferem derrotá-lo nas urnas. Para não correrem o risco de perder, preferem que os tribunais façam o serviço por eles. É o que tudo indica que vai acontecer.