20 novembro 2018

Como surgiu a nação chamada Portugal – por Armando Lopes Rafael (*)


Batalha de Ourique, 25 de julho de 1139. Neste dia nasceu Portugal

      Faz alguns anos. Entre 2001/2002. O Prof. Vladenir Menezes, então diretor da Faculdade Leão Sampaio (hoje Centro Universitário Doutor Leão Sampaio – UNILEÃO) – da cidade de Juazeiro do Norte – convidou-me para lecionar a disciplina História do Brasil num curso superior existente naquela instituição. Ali demorei apenas um ano, porquanto não me seduziu o papel de professor nos tempos, digamos,  medíocres, em que vivemos.

        O Prof. Vladenir deu-me liberdade para eu elaborar a grade curricular da disciplina. O que fiz com muito empenho, buscando novo enfoque, evitando a mesmice da pregação, em sala-de-aula,  de luta de classes, “preferência opcional” pelo ideário marxista, e outros equívocos,  que viriam a ter seu apogeu quando o lulopetismo chegou ao poder, no Brasil, a partir de 2003.

         Minhas primeiras aulas ministradas versaram sobre um fato histórico antecedente à “descoberta do Brasil”. Um fato que teve profunda influência na formação do Brasil, desde os primórdios do Brasil-Colônia, passando pelo Brasil-Império, até desaguar no golpe militar que nos impôs a forma de governo republicana, em 1889. 
       Refiro-me a um episódio   do qual resultou o surgimento da nação portuguesa.  Fato desconhecido pela quase totalidade de professores e alunos dos cursos de História, no Brasil. Trata-se da "aparição" de Nosso Senhor Jesus Cristo ao Conde Dom Alfonso Henriques, na véspera da Batalha de Ourique, cujos registros se encontram nos Tombos da Torre de Belém e foram transformados em versos por Camões, no célebre poema “Lusíadas”.

A visão  do Conde Dom Alfonso Henriques, primeiro Rei de Portugal, 
na noite-véspera da Batalha de Ourique

        Dias atrás, para minha alegria, li um artigo escrito pelo futuro Ministro das Relações Exteriores do Governo Bolsonaro – o Embaixador Ernesto Araújo – sobre esse episódio. Transcrevo, para os que me lerem, o texto do futuro Chanceler brasileiro, um homem culto,  corajoso, autêntico intelectual, como há muito não se via à frente do Itamarati. Confiram abaixo:

“Antes da batalha (por Ernesto Araújo)

     Na noite antes da batalha de Ourique, em 25 de julho de 1139, Nosso Senhor Jesus Cristo apareceu numa visão a Dom Afonso Henriques, então ainda conde de Portugal, que se preparava para enfrentar cinco reis mouros contra ele coligados. Conta Afonso Henriques, num relato possivelmente autêntico, registrado alguns anos depois:

“E subitamente vi, à parte direita, contra o nascente, um raio resplandecente, indo-se pouco a pouco clarificando; cada hora se fazia maior. E pondo de propósito os olhos para aquela parte, vi, de repente, no próprio raio, o sinal da cruz mais resplandecente que o sol, e um grupo grande de mancebos resplandecentes, os quais, creio que seriam os Santos Anjos. Vendo, pois, essa visão, pondo à parte o escudo e a espada, me lancei de bruços e, desfeito em lágrimas comecei a rogar pela consolação de seus vassalos, e disse sem nenhum temor.

"– A que fim me apareceis, Senhor? Quereis, porventura, acrescentar fé a quem já tem tanta? Melhor é, por certo, que vos vejam os inimigos, e creiam em vós, que eu, que desde a fonte do Batismo vos conheci por Deus verdadeiro, filho da Virgem e do Padre Eterno, e assim Vos reconheço agora.
"A cruz era de maravilhosa grandeza, levantada da terra quase dez côvados. O Senhor, com um tom de voz suave, que minhas orelhas indignas ouviram, disse:

"– Não te apareci deste modo para acrescentar tua fé, mas para fortalecer teu coração neste conflito. E fundar os princípios de teu reino sobre pedra firme. Confia, Afonso, porque não só vencerás esta batalha, mas todas as outras em que pelejares contra os inimigos de minha Cruz. Acharás tua gente alegre e esforçada para a peleja; e te pedirá que entres na batalha com o título de rei. Não ponhas dúvida, mas tudo quanto pedirem, lhes concede facilmente. Eu sou fundador e destruidor dos reinos e impérios, e quero em ti, e em teus descendentes, fundar para Mim um império por cujo meio seja Meu Nome publicado entre as nações mais estranhas.”

Afonso Henriques foi proclamado Rei no campo de batalha e triunfou. Graças à sua fé e sua espada estamos aqui, e conhecemos o nome do Salvador. “E aquele que conhece o meu nome, eu também conheço o seu nome”, diz um texto cristão dos primeiros séculos.

***   ***   ***

        Ouso dizer que, naquele 25 de julho de 1139, quando Nosso Senhor Jesus Cristo previu: “(Que) seja Meu Nome publicado entre as nações mais estranhas”, já estava nos planos da Divina Providência a extensão do que seria o imenso Império Português, o qual,  no século XVI, abrangeria também o Brasil, várias nações da África (Angola, Moçambique, Guiné, Cabo Verde), pequenas porções da Índia e até um país o Sudeste Asiático: Timor Leste.

(*) Armando Lopes Rafael é historiador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.