31 outubro 2018

Acalma o meu coração - Por: Emerson Monteiro


Esta força exterior e superior a nossas forças, a quem tantos pedimos durante as aflições, e a ela nos dirigimos e imploramos na grande mudança de hábitos desta vida. Ao que tantos, no transcorrer das existências e gerações, dedicam seu tempo por meio das crenças, nos rituais das horas e envolvimento com o mistério, este a quem pedimos de superar os limites aqui do Chão.

Por mais sejam prepotentes, avassaladores, os humanos baixam a cabeça diante do impossível. Naqueles instantes de contrição, revivem as lembranças dos antepassados e oram a seu modo de agora. Quais infiéis arrependidos, confrangem almas sob o peso dos destinos ocasionais, e erguem olhos aos Céus num gesto de humildade por vezes tardia.

Almas contritas, pedem a Deus que lhes resgatem do que fizeram de aberrações face à liberdade e anseiam desarvoradamente um jeito de transformar os resultados que houveram plantaram. O arrependimento nunca, pois, será fora de hora. A presença de novas esperanças cresce nos horizontes, numa vontade férrea de nascer de novo e usufruir a sorte dos eleitos.

Eis a razão fundamental das religiões e dos sonhos, perspectiva de regressar a construir, desde sempre, as chances perdidas nos eitos da ilusão. E oram, e renunciam, imploram... Desses gestos nasce o fervor de crescer espiritualmente. Pois ninguém aceita o desânimo de só viver e em seguida desaparecer. Há o senso de preservação particular dos que pensam, bichos racionais, os humanos.



E resistir sem luta significaria desistir. Resistir na inteligência, na memória, que representa a faceta honrosa da natureza humana. Daí a busca incessante pelos princípios da sobrevivência além da morte de quantas seitas religiosas. A disposição em nortear os valores morais sob tais conotações e vivências. Preservar o conceito da Lei do Retorno, a quem merece o que receber. Por isso, valor essencial de evitar a desistência e o desespero, a consciência reclama evolução nos conceitos individuais. Sustentar a perseverança dos amores, e distinguir entre sofrer e amar.

(Ilustração: Colagem de Emerson Monteiro).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.