10 agosto 2018

250 anos de criação da Paróquia de Nossa Senhora da Penha

  Criada em 4 de janeiro de 1768, pelo 8º Bispo de Pernambuco – Dom Francisco Xavier Aranha –   a Paróquia de Nossa Senhora da Penha, de Crato, foi desmembrada da Paróquia de São José, de Missão Velha. Naquele tempo o Ceará pertencia à Diocese de Olinda.

   Originou-se a matriz cratense de uma humilde capelinha de taipa, coberta de palha, construída – por volta de 1740 – pelo capuchinho italiano, Frei Carlos Maria de Ferrara. Este frade foi o fundador do aldeamento da Missão do Miranda, núcleo inicial da atual cidade de Crato. A “missão” foi criada para abrigar e prestar assistência religiosa às populações indígenas que viviam espalhadas ao Norte da Chapada do Araripe.

   Em janeiro de 1745, Frei Carlos Maria de Ferrara colocou na igrejinha uma placa de pedra, oficializando a consagração que fizera do templo a Deus Uno e Trino e, de modo especial, a Nossa Senhora da Penha e, em segundo plano, a São Fidelis de Sigmaringa, este último oficializado – em 2014 – como co-padroeiro de Crato.

    Em 1914, com a criação da Diocese de Crato, a matriz de Nossa Senhora da Penha foi elevada à categoria de Sé, ou seja, tornou-se a Catedral e Igreja-Mãe; o templo mais importante da diocese, pois é lá que fica a cátedra (cadeira) do bispo (também chamada Sólio Episcopal). 

    Nos dias atuais, a Catedral de Nossa Senhora da Penha é o espaço sagrado e histórico mais importante da cidade de Crato. É o lugar-sinal de comunhão e da unidade da Diocese e também da comunhão com a Igreja Universal. A Catedral de Crato possui um rico patrimônio histórico, artístico, cultural e religioso que é um orgulho para a população de todo o Cariri.
Catedral de Crato na década 1930

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.