14 junho 2018

Segredo das ruas - Por: Emerson Monteiro


Temos três histórias diferentes nesta cidade, de quando aqui cheguei ainda criança pequena, de depois adolescente e inícios da fase adulta, e de hoje, na maturidade. Costumo sair a caminhar pelos mesmos lugares dos instantes dessas horas. As casas, lojas, diagramações, agitações, e eu a percorrê-las de olhos abertos entre as mudanças, transições do calendário. Nisto, regressam as imagens e emoções dos antigamente. Incrível como entranhadas permaneceram, talvez grudadas nas paredes, calçadas, nos calçamentos, ou por dentro da gente (quem sabe?!). Cenas nítidas, claras. Horas inteiras de aflições, alegrias, emoções as mais pujantes, que compõem os quadros do ser interno que insisto em persistir.

Foram, então, tempos vivos que, intactos, continuam. Pessoas. Comércios. Ruídos. Festas. Coletividades. A urbe completa, só que agora multiplicada tantas vezes quantas vidas vividas no seu universo de memórias. Chego até esperar encontrar de novo os personagens que pontilhavam as esquinas, os bares, as praças. Lembro fisionomias, gestos, trajes; no entanto assusta não lhes rever em matéria à medida dessas lembranças tão fortes quanto as mais recentes ora lhes enriquecem.

Paro, às vezes, a contar a mim episódios presenciados, as doutrinas sociais trazidas a público naquelas ocasiões, os dramas que percorriam as fibras dos acontecimentos. Nelas, nas ruas, vivenciara as quermesses, os turnos eleitorais, as procissões, desfiles de 7 de Setembro, apreensões políticas nacionais e internacionais, shows, comícios, equívocos, tragédias e comédias comunitárias bem ali espalhadas no vento das transições dos dias que escorrem.

Largas películas a céu aberto repetem o presente quais sejam eternas, e o presente, este, sim, precisando sobreviver a qualquer custo, ao correr das gerações. Mexe comigo, nos metabolismo das ideais, esses passeios diários através dos lugares iguais e diferentes da velha cidade. As energias que voltam a se encontrar, agora nos céus da consciência, e as transporto nos caminhos, nesses passos em que mourejo.

Certa vez, li que, nas costas do Pacífico, num país da América do Sul, haviam captado sinais de televisão emitidos há mais de quinze anos, que vinham aos pedaços e desmanchavam sem qualquer razão de ser, o que estipularam permanecer circulando no éter até ninguém sabe quanto tempo. Destarte, chego a imaginar a força das emoções e das pessoas, propagada através dos corações e vivendo até quando só ninguém há de saber.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.