11 junho 2018

O ritmo do tempo - Por: Emerson Monteiro


... Nas batidas do coração da gente, bem aqui dentro dessa caixa esplendorosa do ser que passa, que o tempo arrasta pelas escadas do firmamento, a deixar as marcas profundas nas carnes. Ele, o Tempo, senhor dos exércitos, máquina de transformações e vetor das glórias do mundo. Ele, a quem os gregos denominavam Cronos, que paria e devorava os próprios filhos. Nós, seus filhos diletos, sorridentes.

Quantos séculos, e vamos a tanger esse barco de cordas rumo do Infinito, à espera dos três gênios que lá certo dia salvarão o mundo. Nós, testemunhas privilegiadas da humana criação, autores dos versos que sagraram a Primavera. Menores, entretanto do tamanho exato dos sonhos largados fora, e habitantes que preenchem de cascalhos as paragens mais distantes do Universo à procura de outras espécies que talvez mostrem a cara aos céus.

Quais intrusos das noites temporais, nascemos a toda manhã, feitos almas que anseiam desvendar o enigma da libertação invés dos finais melancólicos, e alimentamos festas que jamais começaram, na alegria das gentes. Esses autores de si mesmos, contudo cientes de conhecer quase nada dos astros que nos imperam e conduzem às trilhas do desespero. Pobres ricos mortais de valia duvidosa, valentes e sórdidos, mocinhos de outras películas esmaecidas no tempo.

Saber do tanto de poder que há na sintonia desse ente, eis a que viemos e nisso deslizamos a superfície da solidão individual. Paladinos da justiça, entretanto vingativos anti-heróis de melodramas inacabados. Grosseiros amantes, outrossim galãs das óperas de antigamente, na saudade e no desejo.  Que ouvir, portanto, dessas horas e expectativas, depois de provar que conhecemos a velocidade dos movimentos da Terra e pouco fazemos a mudar as trajetórias do vento. Entregues na monotonia do escuro que envolve o conhecimento, roemos os objetos quais quem se apega e os abandona com a maior facilidade. Somem, sumimos, nas voltas do parafuso, a construir as histórias de que ele ri, e apenas jogamos seu jogo de esquecimento no velho tabuleiro das velhas contradições.

(Ilustração: Salvador Dali, em Momento suave da primeira explosão).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.