12 maio 2018

Amanhã, será um “13 de Maio” bem especial

Neste domingo - 13 de maio de 2018 -  comemoraremos  o Dia de Nossa Senhora de Fátima, 130º aniversário da libertação dos escravos e o  Dia das Mães. Abaixo uma homenagem à Princesa Isabel, a  Redentora
A princesa Isabel aclamada pela multidão na sacada do Paço Imperial, no Rio de Janeiro, após a assinatura da Lei Áurea, em 13 de maio de 1888
(foto: Antonio Luiz Ferreira/Divulgação)
 
      Em 24 de novembro de 1868, a Princesa Imperial do Brasil, Dona Isabel de Bragança, e o Príncipe Dom Gastão de Orleans, Conde d’Eu, seu marido, visitaram a cidade mineira de Baependi, hospedando-se no palacete do Comendador José Pedro Américo de Matos, que era pessoa muito rica e muito benquista na cidade. No entanto, por ser mulato, procurava não frequentar as festas sociais, para evitar constrangimento a certas damas da sociedade, especialmente nos bailes. Notara mesmo certa resistência, quando se tratava de dançar com algumas delas.
      Como anfitrião do Casal Imperial, era-lhe impossível deixar de comparecer ao grande baile de homenagem que a cidade ofereceu a Suas Altezas. Mas enquanto todos se divertiam com a primeira dança, uma quadrilha, o Comendador permaneceu alheio, olimpicamente indiferente e distraindo-se em contemplar, ora os dançarinos, ora a multidão que se comprimia na rua.
     À Princesa Imperial não passaram despercebidas a situação e a atitude do Comendador. Quando a orquestra iniciou a primeira valsa, o Conde d’Eu tomou a Princesa Imperial pela mão, levou-a ostensivamente e ofereceu-lha como par. A Princesa Imperial sorria, fitando-o. E o sorriso era de tal modo um convite irrecusável, que ele logo se refez da surpresa, iniciando com ela aquela primeira valsa. Tal foi a estupefação, que durante alguns instantes o par dançou sozinho.
     Depois dessa bela atitude do Casal Imperial, todas as atenções se voltaram para o Comendador. Mas, a uma dama das mais elegantes, que insinuara sentir imenso prazer em tê-lo como par, ele respondeu:
– Não, minha senhora, muito obrigado. Queira desculpar-me, mas quem dançou com a Princesa não pode mais dançar com outra mulher.
      Esse gesto de nobreza repetiu-se no Palácio de São Cristóvão, com o famoso engenheiro negro André Rebouças. O historiador Luís da Câmara Cascudo comenta:
“A gratidão do Dr. Rebouças ficou brilhantemente provada a 16 de novembro de 1889, quando voluntariamente se exilou, embarcando junto com a Família Imperial.”
( Baseado em trecho do livro “Revivendo o Brasil-Império”, de Leopoldo Bibiano Xavier).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.