27 maio 2018

A matriz das histórias pessoais - Por: Emerson Monteiro


Depois de tracejar tantos caminhos pelas superfícies deste mundo e trocar de olhos sucessivamente na busca das compreensões e justificar motivos de tocar adiante, vem o instinto elaborado de querer explicar as razões de sobreviver aos desgastes e dúvidas pelas oficinas das palavras. Vontade enorme de contar detalhes desse roteiro místico que chamam viver, nisso pouco a pouco se anota que tudo resume só no jeito melhor de contar o que acontece. Contar a nós próprios e aos demais. Daí, vez em quando, ouvir o diálogo íntimo da gente com a gente, e pegar a rir das histórias que conta a si, e aguçar o espírito, e esperar, e desesperar, e esquecer, e adormecer sobre mobílias de salas silenciosas, inexistentes cá fora, quais sujeitos dos objetos criados e largados nas sucatas do destino.

Certa feita, Jean-Paul Sartre escreveu que, de duas uma, ou viver ou escrever, e ele escolhera escrever. Nem tanto, nem tão pouco significa tratar as palavras quais pescadores aos peixes. Há, sim, que sobreviver a tudo, conquanto independente de salvar os enredos e as histórias, por mais que elas sejam tão apaixonantes e prendam às malhas seus seguidores, desejam explicar mundos e estações. Isso assim pede, no entanto; aliás, além de pedir, exige atitude que priorize interpretações de causa e efeito, versões consistentes da existência real; contudo ainda fictícia. Aconteça, pois, algo nalgum pedaço de chão e bem ali aparece o instinto agressivo de juntar partes e montar as maneiras muitas de compreender e jogar dentro do aparelho digestivo as sensações, e esclarecer com que fim elas aconteceram.

Bom, nesse impacto quase absurdo de dar nexo às ocorrências e nunca morrer inocente de mostrar a finalidade de que tais ocorreram, então vem nisso impulso inevitável de achar a matriz das histórias. Descobrir a explicação do que trouxe Colombo ao Novo Mundo, espécie da fome de falar que causa as cólicas aos mudos de trazer à tona o quê, o porquê, das intenções acordadas que foram nos sonhos e que precisam nascer, de qualquer modo, logo na luz do dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.