25 janeiro 2018

Memórias do sentimento - Por: Emerson Monteiro


Nas horas das despedidas de que lembrar? Momentos extremos de vidas que esvaem no infinito, as pessoas seguem o curso natural das existências... Somem pelas encruzilhadas do nunca mais e um dia retornam em outros corpos, em outra geração, noutras idades, qual dizem os reencarnacionistas... De que lembrar quando virão, se nunca antes isto acontecera? Isso vale também aos amigos que tocaram em frente suas histórias imortais diante dos vendavais do destino e desapareceram nas curvas do tempo.

Nesses dias, revemos quais caminhos alumiaram através do exemplo que viveram com alegria e coragem. Semearam a boa semente no coração de nós todos, sempre disponíveis à causa que abraçaram, na força da simplicidade, do talento.

Há, sim, o dia quando os dois planos encontram na razão de ser e destinam as criaturas aos braços do Eterno, na busca incessante das novas oportunidades e do crescimento espiritual. Cruzaram longos percursos de dores físicas, tratamentos, expectativas. Depois, no entanto, deixam este pedaço de mundo e uma ausência que rasga o seio das comunidades, tocadas nos sentimentos, em face da saudade. Agora resta exercitar o que ensinaram nas atitudes e nos praticados, motivo de responsabilidade aos que testemunharam as histórias ricas de transformação e coerência.

Bem isto de falar nos sentimentos que ganham espaço da memória e esvaziam o leito das ausências, nas várzeas dos lugares em que passaram. A situação atual dos humanos limita arranjos de compreensão aos objetos, aos túmulos daqui do chão. Quando alguns aceitam melhor o desaparecimento dos entes queridos, estes são raros, por vezes estudiosos e vinculados a denominações religiosas. A conformação diante das perdas é, pois, fruta rara nos dias de agora.

Porém desde longe que todos querem, incessantemente, as provas do despertar no mundo invisível dos que existiram na matéria. A Natureza possui virtudes inimagináveis, ainda desconhecidas, contudo de sabedoria extrema. Viver significa, antes de qualquer coisa, vinculação com a imortalidade, segundo tantos e em toda civilização.

(Ilustração: Maurice de Vlaminck).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.