31 dezembro 2018

Valdemir Correia e Sonia Rolim - Um casal que sempre é destaque no Cariri



Na Foto: O amigo Valdemir, já nos esperando no portão de entrada

Tivemos o imenso prazer de passar grande parte do dia de ontem ( 30/12 ) na residência dos nossos amigos Valdemir Correia e Sonia Rolim, localizada no Grangeiro, em Crato, a convite do casal. Eu e a Ninha chegamos lá por volta das 10:30, um dia de domingo, de sol maravilhoso, daqueles que lembram um ano dourado, onde fomos calorosamente recebidos pelo Valdemir, que já se  encontrava todo arrumado para a nossa entrevista, e a primeira coisa que nos impressionou além da sua sempre pontualidade britânica, foi o seu entusiasmo. D. Sonia ainda não havia chegado das compras, e enquanto isso, passamos a conhecer melhor o jardim que circunda a propriedade de aprox. 50 mil metros quadrados, onde existe inclusive, um pequeno açude na região central. Um local maravilhoso ao sopé da Chapada do Araripe, que cercado pela exuberância da Chapada do Araripe, ainda se tornou mais belo, com o tratamento que Sonia tem dado à aquele jardim, que é a sua paixão. O Valdemir nos conduziu pelos principais pontos, falando como cada coisa foi colocada intencionalmente nos seus devidos lugares ao longo do tempo e de como comprou a propriedade, onde era apenas mato.



Nas fotos: Passeando pelo jardim, respondendo às nossas perguntas.


Sua propriedade reflete bem o que é o nosso Cratinho de Açúcar, ali, chove constantemente, e não existe período seco durante o ano.


Os jardins belíssimos tratados por D. Sonia Rolim.






E a netinha Rafaela apareceu para aumentar a "festa" e aumentar a nossa alegria ! ( Filha de Fred )


Na foto: Fred, filho caçula do Valdemir, a mesma simpatia, humildade e o coração de ouro do pai, mora na casa ao lado, foi-nos apresentar uma belíssima vista que se tem do topo.



Aí está o Valdemir Correia Neto, este garoto pode ser o futuro dos negócios da família, se bem que quase todos os filhos são também excelentes comerciantes, a exemplo do Valdemir de Sousa Rolim, que recentemente foi agraciado com a comenda Edson Queiroz, em Fortaleza, como o empresário do ano.


Bem pertinho do sopé da Chapada do Araripe


Um Deck lindo, piscina muito bem cuidada e imensa, fazem parte da "morada dos deuses" numa das melhores propriedades do Cariri.


Após um excelente café da manhã, começamos a nossa entrevista, onde a Sonia e o Valdemir nos contaram inúmeras histórias de vida, "causos" interessantes, fatos engraçadíssimos que aconteceram ao longo desses mais de 54 anos de casados. Fez um relato bastante detalhado da sua origem humilde quando estudava ainda lá no distrito de D. Quintino, quando depois, veio ao Crato e montou uma mercearia ali na Rua Santos Dumont, e através do seu tino comercial, foi galgando até os mais altos degraus do empresariado Caririense e Cearense. Hoje, Valdemir Correia é nome respeitado no Estado do Ceará como um dos maiores empresários.

Não obstante tanto sucesso em tudo que se compromete a executar, aos 80 anos de idade, sua disposição para o trabalho permanece intacta. Todos os dias após realizar a sua costumeira caminhada matinal, vai trabalhar o dia inteiro e só retorna somente ao por-do-sol. A entrevista com Valdemir e Sonia Rolim, você confere depois aqui no Blog do Crato, em vídeo, através da nossa TV Chapada do Araripe, mas uma dica que ele fala na entrevista, é que: "Para o comércio, não há escolas, você de uma certa forma, nasce com essa facilidade para o comércio, e através da vida, vai desenvolvendo sempre essa habilidade, através de muita determinação, força de vontade, e o poder se saber persuadir as pessoas. Tratar bem as pessoas, pois afinal, todos merecem ser bem tratados."

E em termos de tratamento, este casal realmente entende. Após um "suculento" e delicioso baião de dois com pequi, comida típica desta região, ( Que aliás, é a minha predileta ), nos despedimos, para retornar na próxima semana, quando continuaremos com as entrevistas. Foram tantas histórias interessantes, que apesar de falarmos por mais de duas horas completas, sequer arranhamos a superfície delas, rsrs.

Quereremos ( Eu e a Ninha ), aproveitar para deixar o nosso agradecimento ao maravilhoso casal por tão grande acolhida, e desde já também fica o convite para num dia desses virem também à nossa pequena casa aqui na Vilalta. E olha que ainda saímos de lá cobertos de presentes. Imagina !

Um grande abraço, amigos Sonia Rolim e Valdemir Correia de Sousa.
Que Deus os proteja sempre, e que neste ano que se inicia, sejam agraciados com saúde, paz, alegrias e prosperidade. Creio que não é à toa que o nosso criador provê certas pessoas desta terra com uma vida longa, de sucesso e de prosperidade. A vossa generosidade, a bondade e a humildade que nunca lhes abandonou, é o que pavimenta os seus maravilhosos caminhos. Que seja sempre assim !

Por: Dihelson Mendonça e Ninha Brito
BLOG DO CRATO


29 dezembro 2018

Cultura popular - Por: Emerson Monteiro


Durante esse tempo de tecnologia, quando as expressões artísticas utilizam meios avançados de perpetuar manifestações dos grupamentos sociais, espécie de matéria prima da cultura, ainda existem os que resistem a todo custo tais influências. Heroicas reações ao desaparecimento das memórias originais de famílias, raças, credos, persistem os registros das culturas. Ainda que, no entanto, a fúria dos bens industriais fira por vezes a ponto de eliminar as inspirações, porém a força dessas ações persiste no transcorrer das mudanças inevitáveis daqui do Chão.

Culturas arcaicas que trouxeram ao milênio gestos derradeiros das luzes de antigamente sumiram nalgumas guerras pelos bens de raiz, à gana do petróleo, dos mercados, das águas. Países desfeitos a título de ceder recursos aos mais poderosos veem eliminados das tradições desses valores espirituais da música, das artes plásticas, monumentos, cidades históricas, literatura e sonhos, largados nas ondas do impossível de reviver e de saudades que ninguém vive.

Nisso a importância transcendente das manifestações das pessoas, nascidas do seio dos corações em festa. Verdade que as máquinas guardam e reproduzem páginas e páginas do que antes havia, contudo a fonte primeira seguirá no fruir das produções em série dos meios atuais da comunicação, isto sem a força das presenças, dos momentos, dos sentimento das priscas eras, tudo sob a velocidade dos restos artificiais que sobraram.

Admitimos, todavia, ser assim qual devesse acontecer, vez que as leis do Universo jamais cessam de determinar movimentos e acontecimentos. As lâminas dos dias prosseguem pois; os pássaros insistem continuar trilando nas matas; o Sol a nascer; a Lua nos céus; a existência das criaturas humanas, suas testemunhas, andam face a face com o instinto de sobreviver. Essa extrema disposição dos humanos reflete bem o quanto de verdade há que alimentar os tempos e veremos, um dia, a intensidade do poder absoluto da vida em forma de novas criações e alegria definitiva no rosto do povo.  

Cratense VALDEMIR ROLIM DE SOUSA ( Filho de Valdemir Correia ), recebe comenda Edson Queiroz e empresário do ano no Ceará.










Já diz o velho ditado, que "filho de peixe, peixinho é". O sindilojas Fortaleza outorgou a comenda Edson Queiroz ao empresário lojista Valdemir Rolim de Sousa por ocasião dos 85 anos do Sindilojas. O evento aconteceu no início deste mês de dezembro, na capital do Estado, com a presença de inúmeras pessoas ilustres, mas gostaria de destacar aquele que para o Crato, é sempre um dos filhos mais ilustres, o próprio Valdemir Correia de Sousa, empresário de renome no Cariri, e um dos nossos maiores entusiastas e colaboradores do Blog do Crato. 


Ao amigo Valdemir Rolim de Sousa, a quem carinhosamente tratamos sempre por "Valdemir Filho", enviamos os parabéns por mais esta conquista, ele que há muitos anos vem se destacando na capital Cearense como um dos empresários mais bem sucedidos, é bastante merecedor dessa prestigiada comenda. E vale salientar que o Valdemir Filho, não só herdou o pulso para os negócios, como também a humildade, o coleguismo, uma pessoa que sempre chega junta nos momentos em que os amigos mais precisam. Merece, portanto, todas as honrarias a ele conferidas. Como filho Cratense, nós Cratenses, nos orgulhamos em ver este grande representante da nossa cidade brilhar na capital do Estado. Os nossos mais sinceros parabéns !







Por: Dihelson Mendonça
BLOG DO CRATO




Dom Manoel I, de Portugal, o Venturoso



     Os da minha geração, estudavam e assimilavam – nos antigos livros de História do Brasil – as ações perpetradas, por Portugal, durante o reinado de Dom Manoel,  o Venturoso.  Lembrei-me desse Rei Português,  ao ler o cartão-de-Natal de 2018, enviado pelo  Chefe da Casa Imperial Brasileira, Dom Luiz de Orleans e Bragança.
Armando Lopes Rafael

    “Este ano, o Chefe da Casa Imperial do Brasil, Dom Luiz de Orleans e Bragança, divulgou no seu tradicional cartão-de-Natal,  a grandiosa obra de seu venerando e remoto ancestral, o Rei Dom Manuel I de Portugal (1469-1521), cognominado o Venturoso, em cujo reinado as caravelas da esquadra de Cabral, levando a Cruz de Cristo em suas velas, aportaram no Brasil, e iniciaram nossa História erigindo uma cruz e celebrando uma Santa Missa, o primeiro ato público de nosso País.

     Inspirados na fé e na coragem de nossos maiores, Dom Luiz de Orleans e Bragança está convicto de que, muito em breve, nós, brasileiros, retomaremos as vias gloriosas que nos foram traçadas pela Divina Providência, restaurando nesta Terra de Santa Cruz uma sociedade autêntica e verdadeiramente cristã e monárquica”.

Abaixo a mensagem do cartão-de-Natal, de Dom Luiz de Orleans e Bragança:


  “Ao fim deste ano em que o Brasil vivenciou tantas angústias, mas também vê surgirem novas esperanças, convicto de que os sólidos fundamentos do nosso futuro foram firmemente estabelecidos em nosso glorioso passado, meu coração se volta para o momento em que a Santa Cruz foi pela primeira vez erguida em solo pátrio, como penhor de bênçãos para a nação cristã que então nascia.
Em Portugal, na continuidade de uma plêiade de reis sábios, governava Dom Manuel I, cujo cognome, o Venturoso, foi o prenúncio do destino que a Divina Providência traçara para nossa Pátria, descoberta sob seu reinado.

    Aclamado Rei e coroado em 1495, Dom Manuel I conduziu ao ápice as navegações iniciadas por seus antecessores. Em 1497, Vasco da Gama, com o intuito de propagar a Fé e estabelecer relações comerciais com o Oriente, dobrava o Cabo da Boa Esperança e abria o caminho das Índias pelo mar. Pouco depois, em 1500, Pedro Álvares Cabral descobria o Brasil, consolidando também para o Ocidente a expansão portuguesa. Dilatar a Fé e o Império: tal foi, na pena inspirada de Camões, o mote dessa Epopeia nacional.

    Enriquecido pelas Grandes Navegações, Portugal atingiu sua plenitude. Lisboa se tornara o grande centro da Europa. Da magnificência desse período ainda hoje nos dão testemunho os deslumbrantes exemplares da arquitetura manuelina.

    Porém, toda essa prosperidade e esse esplendor, que desordenados facilmente poderiam se tornar germe de degeneração, graças à prudente política de D. Manuel estavam orientados ao serviço de Deus. Exemplo dessa orientação foi a célebre embaixada por ele enviada ao Papa Leão X, que tanta impressão causou à Cristandade de então, e que significou um verdadeiro ato de submissão à Igreja e ao Vigário de Cristo.

    Relevantíssimo do reinado de D. Manuel foram igualmente as Ordenações Manuelinas, que marcaram profundamente o Direito português e brasileiro.

    No quadriênio que nos separa do Bicentenário de nossa Independência, sirva a recordação dos tempos do Rei Venturoso, tempos da mais tenra infância da nação brasileira, de inspiração para todos os que desejamos uma autêntica realização de nossa pátria.

    Que o Brasil retome assim, encerrados os tormentosos últimos anos, a trajetória de harmonia e de grandeza que lhe está reservada nos desígnios da Divina Providência.

    São essas as intenções que terei diante do Santo Presépio, na noite de Natal, rogando ao Divino Infante, pela intercessão da Santíssima Virgem e de São José, pelo Brasil e por todos os brasileiros. E que o ano de 2019 venha a ser um novo marco em nossa história!”

28 dezembro 2018

Alfinetando -- por Jorge Carvalho

1.    2019 assinala os 60 anos da Rádio Educadora do Cariri (15/02);

2.   Criado pela Lei nº 4611, de 27 de outubro de 1959, o Ginásio Estadual do Crato (hoje, Colégio Estadual Wilson Gonçalves). Portanto, em 2019, completam-se 60 anos de sua criação;

3.    Em 2019, 100 anos do desportista Almir Carvalho e também do professor Alderico Damasceno, ambos in memoriam;

4.    Também em 2019, completam-se 20 anos do Rapadura Culturarte;

5.    No último dia 25/12, 80 anos de inauguração da Praça Francisco Sá, popular Praça Cristo Rei, onde se encontra o monumento ao Cristo Redentor e a frase no seu pedestal “Sede bem vindo nesta terra há lugar para todas as pessoas de boa vontade”, de autoria do médico Dr. Quixadá Felício. Inaugurada na administração do prefeito Alexandre Arrais;

6.    Nos próximos dias 04 e 05 de janeiro, na Praça Siqueira Campos, haverá duas edições do Rapadura Culturarte. Dia 04: homenagem ao ex-bancário Elmar Lopes Custódio, folclorista Correinha, escritor João Lindemberg de Aquino e alfaiate Rivadavio Januário, todos in memoriam. 03 de dezembro último, 10 anos de falecimento de Correinha. No dia 05: dupla de violeiros, leitura e distribuição de cordéis e a comemoração do Dia de Reis;

7.    Em agosto de 2019, 30 anos do falecimento do cantor Luiz Gonzaga;

8.    Dia 1º de janeiro de 2019: 60 anos da Mercearia Caçula, no bairro do Pimenta. Sempre atendendo aos clientes, o proprietário Juarez Caçula;

9.    Em janeiro de 2019, 30 anos do assassinato do advogado Manoel Almino e da acadêmica de medicina Soraia Bezerra;

10.    Em 2019, 55 anos da Quadra Bicentenário e 75 anos da primeira Exposição Centro-Nordestina de Animais e Produtos Derivados.

     Interessante, oportuno e necessário, que no antigo Hospital Manuel de Abreu, funcione um hospital pediátrico público, para o atendimento das crianças da cidade e da zona rural do município do Crato, principalmente as crianças pobres. Parceria com o Governo Estadual e Federal por parte do município e emendas parlamentares estaduais e federais favorecem o funcionamento de referida casa hospitalar. É prioritário e de maior necessidade, mais do que um centro cultural.

Desejo a todos, muita saúde em 2019.

27 dezembro 2018

Às vésperas de 2019: Crato precisa reformar o seu brasão municipal e sua bandeira -- por Armando Lopes Rafael



Acima, o atual brasão de Crato

   Há uma coisa que incomoda o sentimento cívico dos habitantes de Crato: tanto a bandeira como o brasão desta cidade são pobres, têm  pouco significado e estão superados em relação as demais cideades brasileiras. Comecemos comentando o "brasão oficial". Foi o Sr. João Ranulfo Pequeno quem desenhou o Brasão do município de Crato, criado pela Lei Municipal Nº. 349, de 15 de novembro de 1955.

 Abaixo reproduzo um texto de autoria de Evandro Rodrigues de Deus sobre este assunto:

“O desenho foi criado por Pe. Antônio Gomes de Araújo que solicitou ao técnico-desenhista cratense João Ranulfo Pequeno a execução do projeto. O Padre Gomes não só sugeriu o desenho, mas redigiu o histórico do símbolo determinado da seguinte forma:

AS DUAS HASTES DE CANA-DE-AÇÚCAR – A principal produção agrícola do município;

UM PENACHO DE ÍNDIO – Pois a base étnico-sócio-cultural da cidade tivera, denso aldeamento indígena, que evoluiu ao ponto de em 1838 a população, na sua quase totalidade, constituía-se de 2.000 índios ao todo, puros e mestiços.

UM ARCO-ÍRIS, UM SOL E UMA CRUZ – Respectivamente significam a união de todos os povos que constituem nossa cidade, a liberdade e a Fertilidade, e o cristianismo.

A LEGENDA "LABORE" – Significa trabalho. É uma representação do progresso, da civilização e da cultura, triângulo em que o Crato se enquadra desde os primórdios.

O ESCUDO – De origem galesa e no seu centro uma rosácea em contorno vermelho, e nas extremidades de quatro CC, que significam, a acepção popular – Cidade de Crato, Cabeça de Comarca – com que se marca a fogo, desde os tempos remotos, a criação de animais graúdos, simbolizando a riqueza primitiva de nossa terra, que foi a pecuária, é o símbolo característico do Crato.

A FRASE CRATO COM  A DATA "17 OUT"E O "NÚMERO 1853" – Registra a data em que o município foi elevado à categoria de cidade.

Agora o meu comentário: O Pe. Antônio Gomes de Araújo foi um grande pesquisador e bom historiador do Cariri, mas não era especialista em Heráldica. Se fosse, não teria colocado um “penacho” de índio, no nosso brasão,  coisa inexistente na arte heráldica. Ao invés do “penacho” deveria ter colocado  uma coroa, pois nossa origem primeva remonta à “Vila Real do Crato”. Outra detalhe que precisa ser modificado: a data constante no brasão. Ao invés de 17 de outubro de 1853, deveria constar “21 de Junho de 1764”, data da criação da Vila Real do Crato. Inclusive, é no dia 21 de junho que comemoramos o dia do nosso Município e não no dia 17 de outubro.

E a bandeira?
 A atual bandeira de Crato

     A bem dizer ela não existe. Pois é representada apenas por um pano branco, tendo ao centro o escudo que contraria as orientações da heráldica, com como comentamos acima. Diferente da pálida dos dias atuais, a nossa bandeira ,municipal deveria ser dividida ao meio, por duas faixas horizontais. A faixa superior, na cor azul celeste, representando o azul límpido do céu que paira sobre a Chapada do Araripe. Já a faixa inferior, deveria ser na cor verde, representando as matas da floresta da Chapada do Araripe. Na faixa superior -- na cor azul celeste --, poderia constar o desenho de  um sol nascente -- simbolizando o alvorecer --, pois "Araripe", na língua indígena significa: “Lugar onde surge o sol”.
     
       Crato merece ter um brasão desenhado dentro da heráldica. Merece possuir, também, uma bandeira original e bela, quiçá a mais bonita dentre as bandeiras dos municípios do Cariri.

       Não perco a esperança de que um dia o Crato terá um prefeito culto, inovador e com visão de futuro. O aperfeiçoamento do nosso brasão municipal e a criação da nossa bandeira municipal deveria ser o primeiro decreto a ser enviado, por esse prefeito, à Câmara de Vereadores quando ele tomasse posse. Como fez o governador Cid Gomes, que redesenhou o Brasão do Ceará e, consequentemente, a Bandeira do nosso Estado.

Texto de Armando Lopes Rafael

Desbravar a Chapada do Araripe é boa opção para apreciar contato com a natureza e a história

Fonte: “Diário do Nordeste”, 27-12–2018, por Roberta Souza

Confira percurso, curiosidades da trilha da Nascente (ou das Samambaias), integrada ao Geossítio Batateiras
Trilha na Chapada do Araripe convida para imersão natural e histórica FOTO: Roberta Sousa

Você certamente já ouviu a profecia "O sertão vai virar mar e o mar vai virar sertão", espalhada por Antônio Conselheiro nos sertões da Bahia. Talvez o que não seja do conhecimento da maioria é que ela bebe de uma lenda contada pelos índios Cariri que viveram na região do Crato, e que ainda hoje continua a ser difundida no Sul do Ceará a quem visita o sopé da Chapada do Araripe. Foi esse um dos motivos que me deixaram curiosa, mesmo sob o sol de meio-dia, a fazer a trilha da Nascente (ou das Samambaias), integrada ao Geossítio Batateiras. É que ao fim dela eu encontraria a origem dessa história contada desde o século XVII pelos nativos daquela região.

Como uma boa moradora de cidade grande que se aventura só de vez em quando em trilhas naturais, fui totalmente desprevenida: sem chapéu de sol, sem repelente, sem garrafa d'água. Por sorte, o percurso era todo na sombra, mas ainda assim recomendo não seguir o meu exemplo. Preparada mesmo estava Deborah, instrutora do curso técnico em guia de Turismo do Senac da localidade. Foi ela quem conduziu a imersão natural e histórica por uma trilha sem grandes desafios (e por isso mesmo própria para pessoas de todas as idades), além de muito relaxante, por ser feita na beira da nascente do Rio Batateiras.

Sentidos

Pelo caminho, o som das cigarras, do fluxo da água, do balançar das árvores e até do canto do soldadinho-do-Araripe alertam para uma experiência mais sonora do que propriamente visual. As flores e as diferentes espécies de samambaias completam o jogo de sentidos.A caminhada pode durar uma hora ou mais, a depender da disposição de quem a faz para contemplar os detalhes. A meta é chegar na queda-d'água da "Pedra da Batateiras", que guarda todo o mistério da lenda Cariri.

Para os nossos antepassados indígenas, todo aquele vale era um mar subterrâneo, e, debaixo da terra dormia a Serpente d'Água, cujo imenso caudal era represado pela tal "Pedra da Batateiras". Os pajés profetizavam que ela iria rolar, todo o vale do Cariri seria inundado e as águas, em fúria, devorariam os "homens maus" que tinham roubado a terra e escravizado os índios. Quando as águas baixassem, a terra voltaria a ser fértil e livre, e os Cariri voltariam para repovoar o "Paraíso".

Adaptada aos dias de hoje, a história serve de alerta para aqueles que ambicionam a região para a construção de imóveis, por exemplo. Por enquanto, a pedra segue intacta, e até hoje não se sabe o que pode acontecer se alguém resolver desafiar as leis naturais e dos primeiros moradores. É melhor não arriscar.Bom mesmo é lavar o rosto com a água do Rio Batateiras. A experiência é tão revigorante que mais parece ter poder curativo, fazendo entender porque a natureza deve ser respeitada e compartilhada.

Serviço
Trilha da Nascente (Samambaias)
Bairro Lameiro, Sítio Luanda, Crato, Ceará.
De Fortaleza, saem voos diários para Juazeiro do Norte. 
Lá, a visita ao Geossítio pode ser agendada com a Anhaguera Turismo pelo telefone (88) 9838.5440.
Os preços são negociáveis.

Trilha na Chapada do Araripe oferece visitação acessível para pessoas com deficiência

Fonte: “Diário do Nordeste”, 27-12–2018, por Roberta Souza

Desbravar a Chapada do Araripe é boa opção para apreciar contato com a natureza e a história

Nem todo mundo que vai a uma trilha está preocupado em fazer fotos incríveis, seja da paisagem ou mesmo posando diante dela. É o caso de pessoas com deficiência visual, por exemplo, cujos principais sentidos explorados em situações como essa são o tato e a audição.  A verdade é que nós, videntes, acostumados que estamos a olhar tudo por detrás das câmeras dos smartphones, também podemos nos desafiar a viver experiências cuja prioridade não seja o visual. E a Chapada do Araripe oferece essa possibilidade por meio da Trilha dos Sentidos, inaugurada no Sítio Estadual Parque Fundão, no Geossítio Batateiras, localizado no Crato, este ano.

A iniciativa surgiu a partir de uma caminhada que o educador ambiental Alexadre Sinézio realizou com outra funcionária no local de olhos fechados. A mim, ele propôs o mesmo. Por alguns minutos, deixei-me guiar pela rota dos sentidos, sem saber onde estava pisando.  A relação com o guia é de total confiança. Mergulhamos no escuro para sentir, por meio da condução do outro, aquilo que já é natural para quem convive com a deficiência visual.

Cada passo dado sobre os galhos secos caídos no chão, no período mais seco da região Nordeste, aviva a nossa consciência sonora sobre o ambiente em que estamos inseridos.  No percurso, além de cordas para cegos, há placas em braille que indicam os nomes das plantas presentes na trilha. QR Codes, que podem ser lidos com o aplicativo offline Ecomaps, proporcionam mais informações sobre o bioma à disposição. Ao final, sentados sobre pedras, os visitantes podem ouvir o som de uma queda- d'água que replica o Rio Batateiras, cuja nascente está no sopé da Chapada do Araripe.

Sustentabilidade

A origem da Trilha dos Sentidos fica a alguns passos dali, nas proximidades de um sobrado de taipa (com um andar superior) que pertenceu a um dos pioneiros da consciência ambiental no Cariri, Jefferson da França Alencar.  A casa dele também é atração turística no Sítio Estadual Parque Fundão, por guardar um pouco da nossa história com alguns fósseis do período Cretáceo. Construída apenas com elementos da floresta, a residência dá lição de sustentabilidade.

É no local que fica guardada uma cadeira de rodas adaptada para trilhas, a Juliette. Feito para ser usado em terrenos irregulares, o equipamento pode ser disponibilizado para pessoas com dificuldade motora que decidam por qualquer trilha nos geossítios do Geopark Araripe. Diversa como é, a Chapada está pronta para acolher também a nossa diversidade, estimulando todo mundo a viver novas experiências no Sul do Ceará.

Serviço
Trilha no Parque  Estadual do Sítio  Fundão
Geossítio Batateiras 
(Rua José Franca Alencar, s/n, Bairro Seminário, Crato, Ceará)
Visitação todos os dias, de 6h às 17h30, com agendamento pela gerência da Semace Cariri pelo telefone (88) 3102-1288

25 dezembro 2018

Linhas do tempo - Por: Emerson Monteiro



Assim quais mudassem de nome e personalidade a todo novo momento, ontem teremos sido o que jamais voltaremos a ser; agora porém já fomos e o seremos novamente... Outros eus que, deste modo, vêm e vão à medida que o tempo troca suas fichas nas teclas de segundo, detrás das cortinas dos dias, e nós aqui a viver essas mudanças feitos nós mesmos no passado e desfeitos agora, contudo cheios de confiança de nunca mais ser iguais ao que ontem fomos, porquanto sabemos dessa capacidade infinita de nos desfazer pela dança incontrolável dos dias, sombras de nós próprios que algures, nalgum inevitável, Alguém ir sempre conduzir. 


São essas as tais linhas do tempo de que falam pesquisadores da personalidade. Variações intermináveis de valores, humores, sonhos, ideias, desejos, intenções, interesses e práticas, que andam à nossa frente feitos mentores desses nós, invés de nós sermos senhores delas. Tais barcos voltados a ler o passado, isto na velocidade estonteante do viver, marcamos no tempo nossas metas imaginárias, e tangemos essas criaturas do ser que somos e fomos, à busca do destino através das consciências, elas que oferecem meios parciais de acompanhar o processo, entretanto submetidos ao mar dos acontecimentos indomáveis. Às vezes, lampejos e lembranças de haver passado ali naqueles lugares e vivido aquelas situações, o que deixa entrever as possibilidades de lá um dia descobrir de vez as linhas que conduzem as cenas, ainda que de forma hoje nebulosa e, desde então, dominar o eterno e conter o fugidio. 

Quando pudermos, pois, chegar a tanto, o processo da compreensão, a lucidez que impera nos bastidores daquelas memórias, seremos parceiros do Desconhecido e senhores desses nós que hoje apenas parecemos ser e que deslizam assustados nas correntezas do Universo, sujeitos de tremores e temores, pequenos seres que, trazidos a dia sem maiores explicações, contudo dependem absolutos da própria evolução e crescimento. Nalguns menos, noutros mais claros, os instantes de percepção dormem, todavia, restritos a fatores climáticos, históricos, sociais, culturais e afins, que gradualmente, pausadamente, invadem o ser de aonde iremos sobreviver.

Viajantes do tempo, átomos da Eternidade e das luzes nas consciências, singramos a trilha dos destinos feitos ramos da árvore do firmamento, e sofremos, e sorrimos, em sonhos ou de olhos abertos, depositários dos segredos demonstrados nas estrelas e desvendados no abismo sagrado das nossas frágeis mãos.

(Ilustração: http://despertarcoletivo.com/geometria-sagrada-o-significado-da-espiral).

MENSAGEM DE NATAL AOS LEITORES DO BLOG DO CRATO - 2018




Ao chegarmos em mais um final de ano, queremos desejar um Feliz Natal e um próspero Ano Novo a todos os nossos caríssimos leitores, que acompanharam conosco esse trabalho diário de tentar levar a informação com credibilidade, o que acontece na nossa cidade, no Brasil e no mundo. Estamos juntos desde 2005; Fomos os pioneiros na internet caririense em formato de Blog e um dos primeiros do Brasil em Blog dedicado a uma cidade. Congratulamo-nos com a família caririense, em júbilo, e desejamos que o próximo ano possa trazer ainda mais saúde, paz, alegrias e prosperidade a este mundo tão caótico. Que o criador esteja sempre nas nossas ações e em nossos pensamentos. Um Feliz Natal e um Ano Novo de Felicidade.

Dihelson Mendonça
Armando Rafael
Glauco Vieira

Administradores do Blog do Crato




24 dezembro 2018

Depois do fechamento de dois museus... outro retrocesso

Escritório Regional de Produção Mineral do Crato encerra atividades
Fonte: "Diário do Nordeste", 24-12-2018
A prática de contrabando de fósseis é comum no Cariri, alertam pesquisadores FOTO: KIKO SILVA

A diretoria colegiada da Agência Nacional de Mineração (ANM), antigo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), aprovou mudanças que afetam, entre outras coisas, a sua estrutura organizacional, que é responsável pela fiscalização, regulação e proteção dos recursos minerais. As alterações foram publicadas no Diário Oficial da União (DOU), na Resolução de nº 2, de 12 de dezembro de 2018. Com isso, o Escritório Regional do Crato vai encerrar suas atividades e isso pode afetar a fiscalização no Cariri.

De acordo com o chefe do Escritório Regional do Crato, Artur Andrade, a informação de que a unidade local não seria contemplada no novo regimento já circulava, de forma não oficial, mas foi confirmada na última semana.

No município, há apenas dois servidores: Artur, que é geólogo, e outro profissional que trabalha no setor administrativo. Ambos devem, possivelmente, ser deslocados para Fortaleza, onde funcionará uma Gerência Regional. Uma das alternativas para a ANM continuar no Cariri seria a criação de uma Unidade Avançada, como aconteceu em Criciúma (SC), Itaiatuba (PA), Governador Valadares, Patos de Minas e Poços de Caldas (MG).

O Escritório Regional está instalado em um prédio da Prefeitura do Crato, que deve ser devolvido. Já os bens materiais ainda não têm seu destino. No entanto, o material fóssil que está sob sua guarda deverá ser entregue, a princípio, à Universidade Regional do Cariri (Urca), que detém o Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens, em Santana do Cariri.

De acordo com o geólogo da ANM, Paulo Ribeiro Santana, o material depositado no Escritório do Crato será destinado, preferencialmente, às instituições científicas da Região, como o Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens, da Urca, e a Universidade Federal do Cariri (UFCA).

A maior preocupação com o fim do Escritório Regional é quanto à fiscalização, principalmente, pelo tráfico de fósseis. "A região não vai ter um ponto de referência no sentido de qualquer denúncia", acredita Artur.

"Desinstalando o escritório, as denúncias, tanto em mineração como paleontologia, chegarão a Fortaleza. Aí, devem deslocar um corpo técnico para fazer essas vistorias. Vai demorar mais". O Escritório Regional de Crato era responsável por fiscalizar aproximadamente 10 mil quilômetros quadrados, contando com apenas duas pessoas.

"Aqui estava praticamente entregue a ninguém. Sem dúvida, o fim do escritório está prejudicando e abrindo um precedente sério para o tráfico de fósseis. Pelo bem ou pelo mal, existia um local aqui onde alguém poderia denunciar. Não é só a questão do fóssil, mas da água. Os arenitos da encosta do Crato, que estão fazendo construção de forma perigosa, a retirada de areia dos rios. Eu acho um verdadeiro descaso não ter um ponto de fiscalização direto aqui", lamenta Álamo Feitosa.

Contrabando
A prática de contrabando de fósseis é comum no Cariri. O professor Álamo Feitosa acredita que isso começou na década de 1980 e foi diminuindo, mas está sendo retomada nos últimos anos. Para ele, há uma "cadeia" deste tipo de tráfico. Tudo começa em Santana do Cariri e Nova Olinda, em contato com pessoas de Juazeiro do Norte. Estas, acionam pessoas em São Paulo, que montam os lotes que depois saem pelos portos para fora do País. Importante destacar que cada nacionalidade possui uma legislação diferente, que permite, inclusive, a posse particular desse material. No Brasil, a comercialização de fósseis é proibida.

23 dezembro 2018

CARIRIENSIDADE (por Armando Lopes Rafael)


Igrejas de Juazeiro do Norte: a do Sagrado Coração de Jesus, dos Salesianos

   Juazeiro do Norte é conhecida como a cidade das grandes igrejas católicas. Dentre elas,  a do Sagrado Coração de Jesus é uma das mais novas. Neste 2018 essa igreja completou 40 anos de sua inauguração. Mas levou muito tempo para ser construída. Abaixo nota publicada pelo site Miséria sobre este aniversário:

“O Santuário do Sagrado Coração de Jesus ou Igreja dos Salesianos em Juazeiro do Norte, cuja inauguração aconteceu no dia 7 de maio de maio de 1978, comemora hoje, 40 anos daquela grande festa. O templo se constitui num dos mais belos do município por conta do seu projeto arquitetônico no estilo barroco europeu, com traços de exuberância. As obras começaram em meados da década de 50 um terreno doado pela prefeitura onde existia a Praça Pio XII e duraram pouco mais de 20 anos.
A benção da pedra fundamental foi procedida pelo Padre Renato Ziggiotti, quinto sucessor de Dom Bosco. Sua idealização tem a ver com um sonho e desejo do Padre Cícero apresentado aos religiosos da ordem salesiana. Outra curiosidade, é que a imagem do Sagrado Coração de Jesus presente no altar foi fabricada por alunos salesianos de Gênova, na Itália. 

Já a criação da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, por iniciativa do terceiro Bispo Diocesano de Crato, Dom Vicente de Paulo Araújo Matos, tinha ocorrido cerca de três anos antes. Na placa de inauguração constam o reconhecimento ao voto do Padre Cícero, a dedicação do Padre Nestor e a ajuda dos fiéis. Na época, o presidente da República era o General Ernesto Geisel; o governador do Ceará, Waldemar Alcântara e o prefeito de Juazeiro do Norte, Ailton Gomes de Alencar. Todos falecidos.

O Santuário abriga ainda imagens que tinham sido trazidas de Roma pelo próprio padre Cícero quando viajou em busca de suas ordens sacerdotais. Muitos foram os párocos que por ali passaram sempre promovendo um edificante trabalho de evangelização com o apoio de dezenas de pastorais da Paróquia”.  
A construção durou mais de 20 anos
 A igreja do Coração de Jesus, hoje

Barbalha: Festa do Pau da Bandeira reconhecida como patrimônio cultural do Ceará


    Após apresentação do excelente relatório do Conselheiro José Luís Lira, o Conselho Estadual de Preservação do Patrimônio Cultural do Ceará (Coepa) declarou a Festa do Pau da Bandeira de Santo Antônio de Barbalha como “Patrimônio Cultural do Estado do Ceará”.  Desde 2015 essa festa tinha sido reconhecida, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), como “Patrimônio Imaterial Brasileiro”. O reconhecimento, agora, por parte do Estado é, seguramente, mais uma razão para a salvaguarda desse evento e melhoria de sua realização anual.

     Na sua monografia de mestrado, o Prof. Océlio Teixeira de Sousa, do Departamento de História da Universidade Regional do Cariri afirma: “O Cortejo do Pau da Bandeira consiste no carregamento de um grande mastro do sítio São Joaquim (nos últimos 4 anos o pau tem sido retirado do Sítio Flores, distante cerca de 10 km da sede do município), que dista 5 km da cidade de Barbalha, até a Praça da Igreja Matriz, onde é levantado com a bandeira de Santo Antônio. Não se sabe com precisão quando ocorreu o primeiro cortejo com o mastro da bandeira do Santo Padroeiro”.

     Já no documento de reconhecimento do Iphan consta: “A Festa de Santo Antônio é uma referência cultural do barbalhense e independente do reconhecimento de um órgão público, como é o Iphan, junho é e permanecerá sendo tempo de celebrar Santo Antônio em Barbalha e em inúmeras cidades brasileiras em seus folguedos juninos – que assumem formas e sentidos diversos – até que os grupos sociais que as agenciam considerem-nas pertinentes. E em Barbalha, a celebração a Santo Antônio ganha contornos particulares por meio do Carregamento do Pau da Bandeira”.

Caririenses ilustres: Antônio Xavier de Oliveira


   Médico, escritor e político, Antônio Xavier de Oliveira nasceu em Juazeiro do Norte, em 9 de outubro de 1892 e faleceu em 6 de fevereiro de 1953, no Rio de Janeiro (onde se fixara após sua formatura em medicina). Na política, chegou a ser deputado federal – eleito pelo Ceará – e participou da Assembleia Constituinte de 1934 (a segunda constituição republicana dentre as seis promulgadas pelos governos republicanos do Brasil).

    Escreveu o livro “ Beatos e cangaceiros” (1920); “O magnicida Manso de Paiva — um aspecto clínico e médico-legal de sua psicopatia” (tese do seu doutorado em  medicina, 1928); “Intercâmbio intelectual americano” (1930); “Espiritismo e loucura” (1931); “O Exército e o sertão (1932); “Cardeal Pacelli  no Brasil (1942) e “Pio XII no Brasil”, este último somente publicado após sua morte, dentre outros. 

      Em 1967, na administração do Prefeito Mauro Sampaio, foi fundado o Ginásio Municipal Antônio Xavier de Oliveira, que prestou relevantes serviços à educação de Juazeiro do Norte. Este educandário (única homenagem prestada pela terra natal à memória do seu filho, Dr. Antônio Xavier de Oliveira) teve, anos depois, suas atividades encerradas.
Para a época o prédio do Ginásio Antônio Municipal  Xavier de Oliveira era imponente

Instituto Cultural do Cariri vai comemorar centenário de nascimento do Prof. José do Vale

    No próximo dia 13 de abril de 2019, o Instituto Cultural do Cariri–ICC comemorará os cem anos de nascimento do Prof. José do Vale Arraes Feitosa. Além de algumas solenidades cívicas e religiosas, previstas para resgate da memória deste ilustre educador, o ICC lançará uma “edição extra” da revista “Itaytera”, toda ela dedicada à vida do Prof. José do Vale.

     O Prof. José do Vale lecionou, durante décadas, em educandários cratenses, dentre os quais: Colégio Diocesano de Crato, Colégio Estadual Wilson Gonçalves, Escola Agro Técnica Federal de Crato, Ginásio Municipal Pedro Felício Cavalcanti.  Era sócio do Instituto Cultural do Cariri e foi um modelo de cidadão para a comunidade onde viveu praticamente toda a sua existência.

Cronologia da vida do Prof. José do Vale

1919 – 11 de abril, nasce José do Vale Arraes Feitosa, na Fazenda Cana Brava, em Parambu (CE).
1936–1941 – Aluno do Seminário Diocesano São José, na cidade de Crato.
1942 – Início de suas atividades como Professor, no Colégio Diocesano de Crato.
1946 – Casamento com Maria Gisélia Pinheiro Feitosa, com quem teve seis filhos.
1965 – 30 de janeiro, morte de Maria Gisélia Pinheiro Feitosa.
1968 – Casamento com Maria do Carmo Feitosa, com quem teve dois filhos.
1997 – 19 de outubro, o Prof. José do Vale morre, após pertinaz doença, morre num dos leitos do Hospital São Francisco, em Crato.

22 dezembro 2018

Da ocidental praia lusitana - Por: Emerson Monteiro


Quantos e quantos que ainda carregaram os feixes de lenha às costas e depois de tudo nem usufruem do banquete homérico do mundo, deuses batidos que foram no furor da procela. E aqui todos de novo a transportar, às estações do Infinito, essas naus dos verdes mares de acender as luzes dos corações em festa. Querer é poder; dominar, pois, as mazelas e sorrir de certeza que dias melhores sempre vêm.

Nos ossos da lua cheia há disso, de imaginar que portas abertas assim permanecem diante da vontade extrema de achar sinais que irão determinar a realização dos versículos e das orações das seitas. Marujos de séculos sem fim, tocar o barco até que parece bem simples, no correr dos anos. As considerações de ordem prática no amor de compreender os hemisférios mostra o tanto de vontade que a raça tem demonstrado no passar dos calendários. Daí o momento de que hoje parece viver só de marasmo de proporções monumentais, com a predominância dos interesses individuais sobre os da coletividade. Uma fase de excessos, ânsias maiores sobre a saciedade dos instintos, invés de buscas que sejam no âmbito espiritual.

Nisso a milenar interrogação entre a morte da matéria e os valores da beleza, o aprimoramento do ser versus a fome do prazer, dias de ira da carne sobre o espírito, numa farra descomunal dos trópicos pós a descoberta de um Novo Mundo. Isto também por dentro de nós, entes experimentais da evolução da consciência desde o comum da matéria a fim de revelar o exercício do sufoco.

Bem, tais experiências em tempo de viver passam fugazes ao circular do Sol de longas descobertas. Senhores das sombras presos ao deserto das torpezas são as quimeras dos mares. Tontos de vertigem, no entanto, seguiremos o trilho dos sonhos e mergulhamos na busca de sentido no que reservam as palavras; elas querem dizer quanto queremos ouvir e logo dever pôr em prática. Nunca nada estará perdido para sempre.

20 dezembro 2018

Professora Sandra Nancy recebe comenda pela sua relevante contribuição à cultura caririense

Sandra Nancy Ramos Freire Bezerra, professora do Curso de História da Universidade Regional do Cariri – URCA e secretária-executiva da pasta de Cultura de Juazeiro do Norte, foi agraciada na noite do último dia 18 com a Medalha do Mérito Legislativo Cultural Mestre Joaquim Mulato.

O destaque alcançado por Sandra Nancy para que fosse agraciada com esta importante comenda, outorgada anualmente e a um único homenageado por vez, deve-se aos serviços prestados à cultural de Barbalha e, por extensão, de todo o Cariri.

Especificamente, deve ser ressaltado o seu empenho na organização da tradicional Festa de Santo Antônio, mais conhecida como Festa do Pau da Bandeira de Barbalha.

A grande projeção alcançada pelo evento deve muito a Sandra Nancy, a exemplo de sua contribuição com a inovadora ambientação temática da cidade durante os dias de festividade e, principalmente, de sua atuação como coordenadora do projeto realizado pela URCA em convênio com o Instituto do Patrimônio Histórico-Artístico Nacional - IPHAN, que tornou a Festa do Pau da Bandeira um patrimônio cultural nacional e, mais recentemente, do Estado do Ceará. 

Não obstante, Sandra Nancy é autora de livros e estudos sobre História de Barbalha e da Festa do Pau da Bandeira, além de monografias sobre as irmandades de penitentes e de dissertação sobre a cultura do Cariri. Atualmente, em nível de doutorado, realiza pesquisa e está escrevendo uma tese sobre a xilogravura produzida no Cariri cearense.

Entretanto, sua contribuição para a divulgação da cultura caririense não pára aí.

Como pró-reitora de Extensão da URCA, no período de 2012 a 2015, Sandra Nancy idealizou a I Feira de Cultura e Turismo dos Municípios do Cariri, ocorrida em 2014, e coordenou o IV Simpósio Internacional sobre o Padre Cícero, também em 2014, bem como o Espaço Cultural da Universidade na Expocrato, com destaque para a edições do Palco Sonoro de 2013 a 2015, dentre outras significativas promoções. 

No campo acadêmico propriamente dito, Sandra Nancy foi a coordenadora executiva da comissão que elaborou o projeto e implantou os cursos de Artes Visuais e Teatro da URCA, ficando à frente destes até a contratação dos primeiros professores efetivos.

Empenho máximo, com esforço cidadão e visão de futuro, é a marca profissional e afetiva dessa educadora que abraçou a causa do Cariri com competência e compromisso.

Parabéns, Sandra Nancy. O Cariri, agradecido, também lhe abraça. 


Sandra Nancy recebe a comenda do vereador Rildo Teles

Discurso de agradecimento da agraciada

Corpo Legislativo de Barbalha com a agraciada e seu esposo Ivan de Araujo B. Filho

Comenda Mestre Joaquim Mulato concedida a Sandra Nancy

Sandra Nancy com o esposo Ivan Araujo Bezerra Filho (esq.) e o prefeito de Barbalha Argemiro Sampaio (centro).