20 novembro 2017

CRATO - Depois de conceder título de cidadão Cratense a Lula, câmara aprova título para Bolsonaro.





A proposta é do vereador Bebeto Anastácio. Já o projeto de cidadania de Lula foi de autoria do vereador Fernando Brasil.

Mais uma medida que vai causar muita polêmica ( E já está causando ) na câmara municipal do Crato. Circula pelas redes sociais a proposta de concessão de título de cidadão Cratense ao Deputado e presidenciável Jair Bolsonaro ( PSC ), feita pelo vereador Bebeto Anastácio. Sem entrar no mérito da questão, a quem deixo para nossos comentaristas, basta ressaltar que essa mesma câmara concedeu em Agosto deste ano, o título de cidadão Cratense a Lula, e obviamente, aos dois ilustres, só deve ser pelos "relevantes serviços prestados ao Crato". O que achar de uma coisa dessas ?

VIA BLOG DO CRATO


“Zona Azul” em Crato: uma zorra – por Armando Lopes Rafael

   Depois de muitos meses, a Zona Azul foi reimplantada em Crato. Uma coisa tão simples, mas a gestação foi demorada e a montanha pariu um rato.
      E agora, como está a Zona? Uma zorra...   
    “Panela que muitos mexem”… diz o adágio popular…   
    Este é o caso da Zona Azul, serviço oferecido  para disciplinar o estacionamento de veículos no centro de Crato. Zorra total! Quem administra esse serviço? Dizem que o Zona Azul é explorado pela CDL-Crato. Em sendo verdade, a CDL entrou numa fria. Pense numa prestação de serviços que deixa a desejar.
    A Zona Azul funciona numas ruas, noutras não. É o caso da Rua Tristão Gonçalves, mais conhecida como Rua da Vala, onde os “flanelinhas” é quem são "o dono do pedaço". Tem também o caso da Praça da Sé, onde a Zona Azul é administrada -- ao que parece -- em parceria. Lá, é comum os “guardadores de carro” dividirem a administração do estacionamento com os funcionários da Zona Azul. Simples assim.
     Como na Praça da Sé virou uma bagunça, os proprietários de carros não sabem a quem confiar o estacionamento dos seus veículos. Uma tarde dessa procurando espaço para estacionar meu carro, e não encontrando (pois a Prefeitura ainda divide aquele  pequeno espaço destinado aos veículos com superados “parques de diversão”, como se Crato não fôssemos uma cidade de 135 mil habitantes, e sim um  distrito) o “flanelinha” sugeriu que eu estacionasse meu veículo atrás de outro carro que já ocupava uma vaga.
      Declinei da oferta:
      –  “Meu amigo, e se aparece alguém do Demutran, como vou justificar”?
      Ao que o flanelinha respondeu:
      – Não se preocupe patrão! Hoje pela manhã eu mandei foi uma D-10 estacionar atrás de outro carro. Ela ficou toda    a manhã aí,  e não teve nenhuma bronca!
      Moral da opereta buffa: “Panela que muitos mexem”…
      E  a Prefeitura não está nem aí para tanto desmantelo.
      A quem reclamar? CDL, Prefeitura?

Um adendo do livro "Famílias Alves Pequeno & Teixeira Mendes

   Entre os melhores livros lançados em 2016, destinado às pesquisas histórico-genealógicas de Crato, está  “Famílias Alves Pequeno e Teixeira Mendes”, da lavra do Prof. Paulo Tasso Teixeira Mendes.
    Já escrevi artigo sobre essa obra. Agora, o autor me enviou um complemento à edição do livro acima citado, o qual – dada a sua importância e esclarecimentos adicionais do adendo – faço questão de compartilhar o texto com os muitos leitores da obra do Prof. Paulo Tasso Teixeira Mendes.
                                               Armando Lopes Rafael


LISTA COMPLETA DOS DEZESSEIS FILHOS DO CEL. ANTÔNIO LUÍS ALVES PEQUENO ( O SEGUNDO DO MESMO NOME ) E MARIA PINTO NOGUEIRA,  Por Paulo Tasso Teixeira Mendes

Por um descuido de minha revisão do livro Familias Alves Pequeno e Teixeira Mendes, de minha autoria, omiti a lista completa dos filhos do cel. Antônio Luís Alves Pequeno (o segundo do mesmo nome) e de sua esposa Maria Pinto Nogueira, quando deveria ser  colocada de imediato  antecedendo o sub item 1.5 na página 60 do meu livro já publicado no ano passado de 2016.
   Esta lista destina-se a completar uma citação por mim retirada do livro citado A História do Município de Orós II, do Dr. João Maia Nogueira, na sua página 130, quando o autor aí enumera apenas cinco filhos “de seu conhecimento” do casal acima mencionado (81-8.5), dentre os dezesseis, como veremos. Inicia por Ana Pinto Nogueira Pequeno e termina em Antônio Luís Alves Pequeno (o terceiro) na sua página 131.
   A enumeração completa da lista que segue é retirada do livro Raízes Mineiras e Cearenses de Waldemar Alves Pequeno, de 1971, obra já citada e por mim apenas retificadas algumas poucas grafias de nomes próprios, acrescentando, pontualmente, alguma nota de pessoas que conheci pessoalmente, com pequenas informações. Com exceção do primeiro e sétimo filhos do coronel em que se encontram registrados os seus descendentes na Parte II de seu livro (páginas 15-133), todos os quatorze demais restantes têm suas descendências registradas na sua Parte VI (paginas147-195), empenhando-me no meu livro Familias Alves Pequeno e Teixeira Mendes na atualização dos descendentes da oitava filha do coronel, Maria Pia A. Pequeno, casada com Alfredo Teixeira Mendes, meus avós paternos, até os dias atuais.
     Eis, a seguir os nomes de seus dezesseis filhos:
    1. Augusto Pinto Alves Pequeno. Natural da cidade do Crato-CE. Formado em Direito. Juiz na cidade de Muriaé-Minas Gerais. Foi também parlamentar naquele estado. Casou-se  com Augusta da Silva Canedo, filha do Desembargador Antônio Augusto da Silva Canedo e de sua primeira esposa e sobrinha Antônia Severina, deixando uma grande descendência em Minas Gerais.
     2. Ana Pinto A. Pequeno. Natural da cidade do Crato-CE. Casada com o médico Antônio Pinto Barbosa Cordeiro.
          3. Cecília Alves Pequeno. Casada em primeiras núpcias com Juvenal Rodrigues Pinheiro Botão e em segundas núpcias com Júlio Fiúza Pequeno.
          4. Cândida, falecida no estado de solteira.
        5. Irinéa Pinto A. Pequeno (ver foto dela na página 220 do meu livro), casada com o médico Manoel Rodrigues Pinheiro, pais do escritor Irineu Pinheiro, a quem dou destaque nas páginas 70-78 do meu livro.
          6. Ambrosina Pinto A. Pequeno (ver foto dela na página 220 do meu livro), nascida no Crato-CE a 26-4-1861 e falecida a 10-6-1959 Casou-se em primeiras núpcias com o segundo filho do velho Senador Pompeu, chamado Antônio Pompeu de Souza Brasil que é o pai do escritor Thomaz Pompeu de Souza Sobrinho, a quem dou destaque nas  páginas 79-81 do meu livro. Em segundas núpcias, casou-se com Cezário Pompeu de Souza Magalhães. A minha tia Susana, de quem Waldemar A. Pequeno recebeu inúmeros subsídios para seu livro, inverte a ordem destas núpcias. Dei preferência e registrei aí o texto corrigido de tia Susana.
          7. Pio Alves Pequeno (ver foto dele na página 222 do meu livro). Médico pela Faculdade de Medicina do Rio e casado com a mineira Maria Isabel de Oliveira Diniz, pais do escritor mineiro Waldemar Alves Pequeno.Estive em seu apartamento em Belo Horizonte e com ele mantive correspondências. Dou-lhe destaque nas páginas 82-93 do meu livro. É numerosa sua descendência em Minas Gerais.
          8. Maria Pia Alves Pequeno (ver sua foto na página 218 do meu livro), casada com Alfredo Teixeira Mendes são os pais de Marieta Teixeira Mendes, com a qual se casa o coronel Antonio Luís A. Pequeno (o terceiro do mesmo nome), seu tio.
A descendência completa e atualizada dos 13 filhos de Maria Pia  e Alfredo até os dias atuais se encontra posteriormente no item 2.12, à página 179 do mesmo livro Familias Alves Pequeno & Teixeira Mendes.
            9. Antônio Luís Alves Pequeno (o terceiro do mesmo nome). Ver suas fotos jovem e idoso na página 219 do meu livro.
        10. Celso A. Pequeno, solteiro sem descendentes.
        11. Jovino A. Pequeno, solteiro sem descendentes.
        12. Julieta A. Pequeno  (ver fotos dela jovem e idosa na página 221 do meu livro), casada com Fco. Zabulon de Almeida Pires, pais de:
         Lino Zabulon, casado com Adalgisa Corrêa, sem geração. Conheci-os.
         Gerson, falecido solteiro,
         Heloísa Pinto de Almeida Pires (todos da família chamavam-na Helósia), solteira.
         Violeta Pinto de Almeida Pires, solteira.
         Nair Pinto de Almeida Pires. Não só conheci as três como também convivi.
         Alice, casada com Alfredo Teixeira Mendes (Dr. Alfredinho), em suas terceiras núpcias, sem descendentes.  Ver sua foto na página 227 do meu livro.
         13. Adolfo, falecido em criança.
        14. Luiz, falecido em criança.
        15. Júlio falecido em criança.
      16. Júlio A. Pequeno (segundo do mesmo nome), casado com sua parenta Suzana Teixeira Pequeno que são os pais de Raimundo Alves Pequeno, falecido solteiro e Maria Júlia Alves Pequeno, religiosa da Congregação  de Santa Dorotéia, a quem conheci pessoalmente em visita que lhe fiz no seu  convento em Natal no Rio Grande do Norte em 1976, já bem idosa, mas muito forte e simpática.
Com os devidos esclarecimentos, o meu pedido de desculpas aos leitores.

Princesa Isabel, volte aqui -- Por Carlos Eduardo Esmeraldo

   Por favor Princesa, venha logo! Estamos precisando urgentemente de uma nova libertação dos escravos! A "Terceirização da Mão de Obra", inclusive no Serviço Público, combinada com o desmantelamento da "Consolidação da Legislação do Trabalho", mais carinhosamente chamada de CLT, um conjunto de leis posto em prática no ano de 1941, há 76 anos portanto. Era a única rede de proteção ao trabalhador, a parte mais frágil das relações trabalhista.
    Tão logo soube da noticia, Manduca Corró, prefeito do município de Aroeira Ferrada, esfregou as mãos de contentamento. Afinal, iria conseguir recursos suficientes para ampliação do açude da Fazenda Ribeirão dos Angicos, a jóia da fazenda do Manduca. Além de se manter indefinidamente no cargo, tão duramente conquistado, à custa de muita ajuda aos amigos. E este imediatamente agendou uma reunião com o Secretário de Viação e Obras Pública, Tadeu Cipriano.
    Manduca e Tadeu contrataram a "Companhia Força Trabalhadora de Aroeira", mais conhecida por CFTA, a principal locadora de mão de obra da região. E de comum acordo foi montada uma tabela para os salários do quadro técnico da prefeitura: Antão Victor Machado, o engenheiro, que recebia um salário fixo de $R 2.000,00 (dois mil reis) iria custar ao erário municipal pela tabela da CFTA $R 8.000,00 (oito mil reis), Mara Régia Chachado, a secretária, cujo salário era de R$ 600,00 (seiscentos reis), em seu nome, teria renda anotada pela empresa contratadora do pessoal terceirizado $R 3.000,00 (três mil reis). E Edson Grilo Junqueira, o contador e administrador do pessoal, recebendo um salário de $R1.000,00 (mil reis) teria anotado nas contas da locadora $R 4.000,00 (quatro mil réis). Isto tudo somado, sobraria para o grupo político de sustentação do prefeito uma renda mensal de $R 11.400,00 (onze mil e quatrocentos réis). Aí está um grande passo para exploração do assalariado. Conforme constatou a O.S.D (Operação Suja Devagar), este pequeno item lembra como ocorrerá a escravidão do assalariado da cidade de Aroeira Ferrada e suas vizinhas.
    Sabe Deus o que poderá esperar o trabalhador brasileiro com o desmantelamento da CLT, o fim da Carteira do Trabalho e a implantação de um maldito sistema de ajuste da Previdência Pública, cujo objetivo principal é forçar os trabalhadores brasileiros a pagarem o rombo previdenciário gerado desde o financiamento da construção de Brasília, passando por sucessivos governantes, alguns eleitos, outros nem tanto.

Bens de Conselheiro e Padre Cícero: Patrimonialização urgente! – por José Luís Lira (*)

  
   Em carta dirigida no início de setembro à Dra. Kátia Bogéa, presidente do IPHAN, com cópia ao Superintendente no Ceará, Dr. Otacílio Macêdo, demonstrei minha preocupação quanto à preservação de alguns bens de grande valia para o Estado do Ceará e para o Brasil edificados nessa terra de Antônio Conselheiro e do Padre Cícero Romão Batista, o santo do povo mais popular do Nordeste brasileiro, cuja reabilitação com a Igreja Católica já ocorreu e no momento se aguarda a abertura do seu processo canônico de beatificação, figura pública e religiosa de grande preeminência. Conselheiro, o “santo” Conselheiro, no dizer de seu grande estudioso José Calazans, ficou no imaginário e nas páginas da História e dos célebres romances “Os Sertões” de Euclides da Cunha e “A Guerra do Fim do Mundo”, de Vargas Llosa. Na oportunidade, busquei amparo no Decreto-Lei n°25/37, que trata dos tombamentos federais.
   Em Quixeramobim, Ceará, está a casa onde nasceu Antônio Conselheiro, em 1830, construída cerca
   No antigo povoado fundado por Pe. Cícero, Juazeiro do Norte, duas casas se constituem espaço de memória do religioso que influiu em todo o Ceará, no Nordeste e no Brasil em geral. A princípio, o Padre Cícero era venerado pelo povo mais simples; aos poucos, foi despertando o interesse geral, a ponto de tendo ele vivido apenas 34 anos no século que passou, ter sido escolhido o Cearense do Século numa votação do Sistema Verdes Mares de Televisão, supervisionada pelo TRE-CE. Sua figura desperta interesse à Academia e à Igreja que, por meio de decisão do Papa Francisco, o reconciliou e considerou sua importância para a Instituição, presente em todo o mundo. As casas referidas são do final do XIX para o início do século XX. A Casa-Museu de Pe. Cícero, com seu valioso acervo está sendo estudada no Processo nº 1335-T-94 e fica na Rua São José nº 242, Juazeiro. A segunda é a casa onde o Pe. Cícero viveu de 1906 a 1934, que tem a capela anexa, situada na Rua São José nº 120, na mesma Cidade. Esses monumentos são de total importância para a História do Ceará e do Brasil.
   Na esteira do que fez a França com a casa natal de Santa Joana d'Arc que, mesmo considerando os acontecimentos relevantes de sua vida em Rouen, não olvidou em proteger sua casa de nascimento e infância da Santa, tombando-a em 1840; ou, ainda, da Itália que preserva as casas natais dos Papas que têm seu destaque fora da terra natal, mas, considera-se o espaço que berço da memória do personagem, solicitei a apreciação dos processos: n° 1370-T-96, da casa natal de Antônio Conselheiro, e n° 1335-T-94, da Casa-Museu do Pe. Cícero, e, ainda, a abertura do processo para tombamento da casa onde o Pe. Cícero viveu de 1906 a 1934, que tem a capela anexa, situada na Rua São José nº 120, em Juazeiro do Norte. Até o momento, nenhuma resposta obtive, mas, espero que esses espaços recebam a merecida patrimonialização.
de 5 anos antes. Esta casa é situada na Rua Cônego Aureliano Mota, 210, no Centro da Cidade. Existe um processo de tombamento aberto sob o n° 1370-T-96, há tempos e até agora não houve resolução quanto ao tombamento definitivo do bem que se constitui um espaço perfeito para a preservação da memória do grande revolucionário e religioso.

(*) José Luís Lira é advogado e professor do curso de Direito da Universidade Vale do Acaraú–UVA, de Sobral (CE). Doutor em Direito e Mestre em Direito Constitucional pela Universidade de Lomas de Zamora (Argentina) e Pós-Doutor em Direito pela Universidade de Messina (Itália). É Jornalista profissional. Historiador e memorialista com vários livros publicados. Pertence a diversas entidades científicas e culturais brasileiras.

Com filho no colo, PM de folga reage a assalto e mata ladrões em farmácia



Segundo informações em boletim de ocorrência, assaltante chegou a apontar arma para policial que segurava a criança. Dupla não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

Um policial militar de folga matou dois ladrões que tentaram assaltar uma farmácia no Jardim Paulista, em Campo Limpo Paulista (SP), na noite de sábado (18). O policial estava na farmácia com a mulher e com o filho pequeno no colo, quando os criminosos - sendo um deles armado - entraram e anunciaram o assalto.  De acordo com o boletim de ocorrência, logo que entrou na farmácia, o suspeito que estava armado apontou a arma em direção ao policial militar que estava com o filho no colo. Na hora, o PM se identificou, sacou o revólver e deu ordem de prisão para os criminosos. No entanto, o suspeito passou a atirar em direção ao policial que, mesmo com o filho no colo, revidou os disparos, matando o ladrão armado e também o comparsa, que já havia rendido o gerente da farmácia, ainda segundo o boletim de ocorrência.

A perícia técnica foi acionada e a área da fármacia precisou ser preservada. Uma ambulância municipal chegou a ser chamada para socorrer os criminosos, mas eles não resistiram aos ferimentos e morreram no local. Já o policial e a criança não ficaram feridos. Um revolver calibre 321 que estava com um dos suspeitos foi apreendido e levado para a delegacia. O policial militar, a esposa e o filho também foram até o plantão policial e participaram do registro da ocorrência.

G1
Via BLOG DO CRATO

Razões da existência - Por: Emerson Monteiro

Não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito. 
                                                                                                                            Shakespeare

Reunir forças suficientes de manter a calma face aos desafios. Estabelecer metas claras de aonde chegar diante dos embates. Desenvolver disposição necessária ao prosseguimento dos dias, nas determinações do tempo. Lembro-me de uma peça que, certa vez, assisti no Teatro Vila Velha, em Salvador, cujo título, O que mantém o homem vivo, indicava essa busca incessante da sustentação diante dos passos seguintes da existência. Quais meios utilizar no sentido de achar as respostas perante circunstâncias nem sempre favoráveis de viver, e sobreviver.

Eterno ir e vir representa, pois, a humana situação. Selecionamos, assim, escolhas e tocamos em frente o comboio de nós mesmos. Nalgumas horas, forçamos a marcha e superamos obstáculos. Noutras, sujeitamos o instinto à paciência e revelamos conhecimentos que jamais imagináramos possuir. Há de viver e descobrir o jeito justo de ser feliz.

Que respostas oferecer aos trilhos das nossas histórias, eis o resumo dos muitos espetáculos a representar, neste palco da existência. Ninguém abandona o próprio barco ao léu. São as vivências guardadas e práticas constantes que somam a realidade nisso, e impõem leis que ensinam e exigem nossas reservas físicas e morais, no dever de caminhar. Quando alguém adquire métodos ideais, vem logo a seguir o instante de regressar rumo ao desconhecido donde viera.

Qual modelo pessoal, vimos criando nossos rebanhos de experiências e demonstrando o quanto aprendemos, nessa escola incessante. Quais professores e alunos, agimos e aprendemos no espelho das nossas ações, no fim de orientar à gente mesma. Ninguém foge da pretensa liberdade no agir, mas quantos quebram a cara porém ajeitam de continuar, sempre oferecendo razões que acalmem o gosto de viver.

Portanto, a arte de resistir e vencer significa essa ciência principal que explicaria existir. Aqueles que desistem, desaparecem com mais rapidez e facilidade. Independente do nosso prazer e bem estar, resta-nos obedecer às condições inevitáveis que defrontamos, isso por norma de meridiana sabedoria. Continuar... Continuar...

Se não houver fraude, estarei no 2° turno, diz Bolsonaro



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em entrevista ao programa "Canal Livre", da Band, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) disse que, se não houver fraude nas eleições de 2018, com certeza chegará ao segundo turno da disputa.

"Sou diferente de todos os presidenciáveis que estão aí. Quem declara voto em mim dificilmente mudará. Não havendo fraude, com certeza estarei no segundo turno", afirmou.

O pré-candidato diz contar com a simpatia de grupos específicos, como os evangélicos, os que querem ter arma em casa e setores do agronegócio. Acredita, no entanto, que as eleições em urnas eletrônicas no Brasil não são limpas, e por isso defende a impressão do voto. Bolsonaro participou de uma série do programa "Canal Livre" com os presidenciáveis. Foi entrevistado, na madrugada de domingo (19) para segunda (20), pelos jornalistas Fabio Pannunzio, Fernando Mitre, Julia Duailibi, Sérgio Amaral e Mônica Bergamo, colunista da Folha de S.Paulo. Por quase uma hora, tratou de temas como economia, segurança pública e a relação entre Executivo e o Congresso. Questionado sobre manifestações pelo país que defendem o autoritarismo, disse que nunca pregou uma intervenção militar. "Mas se chegarmos ao caos, as Forças Armadas vão intervir para a manutenção da lei e da ordem", afirmou, ecoando comentário similar do general Antonio Hamilton Mourão em setembro deste ano. Bolsonaro disse ser favorável à privatização de estatais, mas defendeu que cada caso específico seja analisado com cuidado. Vê com receio, por exemplo, a entrada de capital chinês no país. "A China não está comprando do Brasil, e sim o Brasil."

Bolsonaro fez críticas à Folha de S.Paulo ao ser questionado a respeito de um levantamento de sua carreira no Congresso publicado pelo jornal. O texto revela que, a despeito do discurso liberal adotado recentemente, ele votou com o PT em temas econômicos durante o governo Lula. "A Folha não é referência de nada. Não atendo mais a Folha. Eles deturpam tudo." Na conversa Bolsonaro afirmou ainda ser imune à corrupção e que, em caso de vitória, não seguirá o modelo "toma lá, dá cá" para distribuir cargos. Comporá um eventual ministério, afirmou, guiado apenas por critérios de competência, sem buscar agradar movimentos feministas, negros ou LGBTs. Quanto a este último ponto, criticou a discussão de gênero nos colégios.

"Eu quero que todos, inclusive os gays, sejam felizes, mas que esse tipo de comportamento não seja ensinado nas escolas", argumentou. "Os pais querem ver o filho jogando futebol, não brincando de boneca por causa da escola." Ao tratar o tema da segurança pública, um dos principais eixos de seu discurso, defendeu maior rigor e a adoção de medidas enérgicas no combate ao crime. 

"Se morrerem 40 mil bandidos [por ano, por ação da polícia], temos que passar para 80 mil. Não há outro caminho. Não dá para combater violência com políticas de paz e amor", afirmou.

"Preso não deve ter direito nenhum, não é mais cidadão. O sentido da cadeia não é ressocializar, mas tirar o marginal da sociedade."

No encerramento do programa, em suas considerações finais, Bolsonaro afirmou que o Brasil "precisa de um presidente honesto que tenha Deus no coração".

Folhapress
Via BLOG DO CRATO


DANÇAR DE ROSTO COLADO - Postagem do Antônio Morais


Rosto colado é coisa que os jovens de hoje não conhecem como preliminares de um ato de sedução. Nesses bailes de antigamente (que palavra dolorosa!), os jovens rastreavam o salão em busca da garota ideal para iniciar um romance. Caso ela fosse localizada na mesa com os pais, nossas pernas tremiam. Uma cuba libre (rum, coca-cola, gelo e limão), talvez fosse o combustível para encorajar o ato de atravessar o salão e chegar na mesa com o convite, formalíssimo, "vamos dançar". O "sim" dela poderia significar que também queria dançar, pois os olhos já tinham se cruzado num momento do baile, mas poderia ser apenas o "sim" formal para não dar um "cano" no rapaz audacioso. Neste último caso, a regra que a jovem aprendeu em casa com a mãe casamenteira, era dançar no máximo três para não significar que havia outro interesse a não ser o da boa educação. No entanto, se "pintasse um clima" – ai, Jesus! – As danças se prolongariam por todo o baile e, na hora exata, os rostos se colavam e a sedução começava com uma conversa de ouvido. O ato de seduzir transformava-se numa enciclopédia romântica que valia até mentiras ingênuas e nos dias seguintes flores e serenatas.

Corta para 2017. Não há mais rosto colado, não há mais bailes, os conjuntos melódicos são apenas boas lembranças e os clubes estão fechando seus salões que tinham a sua boate para os jovens. O beijo roubado, quando as luzes diminuíam de intensidade, era, talvez, o único da noite. Hoje, as garotas ficam apostando quem beija mais garotos numa noite e vulgarizou-se o ato mais sublime de um início de conquista. O baile funk, mais que uma reunião dos jovens de hoje, é um convescote de traficantes em busca de novos babacas para o início de uma vida de vícios. Vale o mesmo para a festa reive e os incidentes estão aí na imprensa para que o colunista não passe por um "velho recalcado". A sedução transformou-se em agressão sexual, para ambos os lados. Sem crack, sem pó, sem baseado, não há sequer uma aproximação de pessoas de sexo diferente. Não se dança mais, os requebros e os pulos substituíram os passos cadenciados. O barulho do bate-estaca acabou com o diálogo. Sem diálogo não há sedução, mas pode haver estupro.

Fim de papo. Está bem, somos velhos quando falamos em "rosto colado". Mas ninguém pode roubar, de nossa memória, um tempo mágico onde o cavalheirismo de uma dança fazia-nos flutuar por salões com pessoas especiais. “E quem não dançou uma vez na vida de rosto colado não sabe o que perdeu".

Rogério Mendelsk.
Via Blog do Sanharol - Antonio Morais


CRATO - Morre ex-vereador Didi Morais


Faleceu na tarde deste domingo o ex-vereador cratense  Hildo Morais de Brito (Seu DIDI MORAIS). Ele era servidor estadual aposentado  foi vereador no período de 1993 a 1996 e teve como base eleitoral do Distrito de Ponta da Serra.A ultima vez  Didi que foi candidato foi no ano de 2008.O velório do ex-vereador que tinha 72 anos  está acontecendo no Sitio Quebra, e o sepultamento será realizado no Cemitério da Ponta da Serra. O sepultamento será logo mais após a missa que será realizada logo mais as 9 horas.

Fonte: Flávio Pinto
Via BLOG DO CRATO


CEARÁ - Nível de água do Açude do Castanhão, atinge volume morto


O volume de água no Açude do Castanhão, no Ceará, responsável pelo abastecimento de água da região metropolitana de Fortaleza, onde vive quase metade da população do estado, atingiu o seu volume morto, quando o nível da água fica abaixo da captação normal. O reservatório tem capacidade para acumular 6,7 bilhões de metros cúbicos (m³) de água. De acordo com o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), órgão responsável pela administração do açude, o volume morto foi alcançado no último dia 13. Nesse dia, “o Castanhão atingiu cota de 68,73, que corresponde ao volume de 228.599.505 m³, abaixo da cota 71, que corresponde ao início de seu volume morto”, informou o Dnocs.

A redução do nível de água do Castanhão é consequência de seis anos de seca na região que fez com que diminuísse a vazão da Bacia Hidrográfica do Rio Jaguaribe. Este ciclo de estiagem atingiu também outros açudes do estado, entre eles, Orós e Banabuiú.
As águas do Castanhão abastecem também oito cidades ao longo de um trecho de 100 quilômetros do Jaguaribe, que foi perenizado pela obra do açude, além dos municípios que ficam ao longo do Eixão das Águas e do antigo Canal do Trabalhador.

Segundo dados do Ministério da Integração Nacional, o Castanhão é o maior reservatório público do país para múltiplos usos. Concluído em 2003, sua barragem fica localizada no município de Alto Santo e constitui importante reserva estratégica de água. É utilizado para irrigação, abastecimento urbano, piscicultura e regularização da vazão do Rio Jaguaribe.

Roberto Moreira
VIA BLOG DO CRATO


Papa Francisco oferece almoço a milhares de excluídos na Jornada Mundial dos Pobres


O papa declarou que "a omissão perante os pobres também é um pecado".

O papa Francisco convidou neste domingo (19) para uma missa e um almoço no Vaticano milhares de pessoas excluídas socialmente. Ele quis compartilhar com elas a primeira Jornada Mundial dos Pobres. Na missa celebrada na Basílica de São Pedro, o papa pediu aos fiéis que lutem contra a indiferença em relação aos mais necessitados.

"Temos talentos, somos talentosos aos olhos de Deus. Portanto, ninguém pode se considerar tão pobre ao ponto de não poder dar nada aos demais", disse Francisco, perante 7 mil pessoas reunidas no Vaticano. Cerca de 4,5 mil pessoas foram convidadas por Francisco enquanto carentes, que passam por privações como a falta de um teto para morar.

"Não fazer nada de mal não basta. Deus é um pai e
m busca de seus filhos a quem confiar seus bens e seus projetos", acrescentou o argentino. De acordo com Francisco, "a omissão perante os pobres também é um pecado". "Isso tem um nome preciso: indiferença. É como dizer 'isso não é problema meu, é culpa da sociedade", explicou.

Em sua mensagem, o papa argentino lembrou que os pobres, em sua fragilidade, são dotados de uma força salvadora. "Apesar de terem pouco valor ante os olhos do mundo, são eles que nos abrem o caminho para o céu", completou. Após a missa, o papa almoçou com 1,5 mil necessitados em uma sala do Vaticano. Outras 2,5 mil pessoas comeram nas cantinas das diferentes instituições pontifícias nas redondezas. A jornada tem como objetivo incentivar os católicos a reagir contra o que a Igreja classifica de "a cultura do descarte e do esbanjamento".

Clínica médica na Praça de São Pedro

Desde que foi eleito em 2013, Francisco se comprometeu com "uma igreja pobre para os pobres", por isso costuma criticar o acúmulo de riquezas em mãos de poucos privilegiados e denunciar as crescentes desigualdades registradas no mundo. Iniciativas semelhantes foram realizadas em todas as dioceses da Itália e do mundo.

Na Praça de São Pedro foi aberta neste domingo uma clínica médica gratuita para ajudar os desamparados. Homens e mulheres são acolhidos por voluntários em caminhões especialmente habilitados e têm acesso a exames de cardiologia, dermatologia, ginecologia e doenças infecciosas.

Fome volta a aumentar no mundo

Em outubro passado, o papa Francisco falou da fome no mundo na sede na Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) em Roma, onde denunciou "a atitude de indiferença - em nível pessoal, das instituições e dos Estados - em relação a quem morre de fome ou sofre de má nutrição. Segundo o último informe da FAO, a fome voltou a aumentar no mundo, já que afeta 815 milhões de pessoas, 11% da população do planeta. O aumento se deve em grande parte à proliferação dos conflitos violentos e às mudanças climáticas.

Fonte: G1
VIA BLOG DO CRATO