xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 12/08/2017 | Blog do Crato
.

VÍDEO - CONVERSA FRANCA - O DESCASO NO CRATO - Dihelson Mendonça ( 30-11-2017 ).
Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

12 agosto 2017

Dias alegres - Por: Emerson Monteiro

Os olhos que enxergam a paisagem são os nossos olhos. A cor da paisagem quem vê somos nós. O mundo existe independente, mas nós lhe damos o tom, a melodia. A paisagem existe lá fora, no entanto de dentro quem a vê seremos sempre nós. Daí a imaginação de que fomos criados a fim de dar sentido aos mundos e seres. Isto é, o panorama existe objetivamente, não fosse, contudo, a nossa existência ninguém registraria tais existências. Somos o sujeito das existências, inclusive de saber da nossa existência.

Dizem os existencialistas que, nos outros seres, a essência precede a existência. Vêm do jeito que serão. Já nos seres humanos a existência precede a essência; ainda não sabem o que virão a ser ao sair de volta. Animais, coisas e lugares nascem animais, coisas e lugares. O ser humano haverá de se fazer ser humano, deixar de ser só um objeto em movimento ocasional. A essência, o ser, nos humanos virá depois que existir, condição necessária. Se não, estará sendo tão só mais um animal, ou coisa, ou lugar, em que a essência estaria em potência sem realização daquilo que trazia quando chegara à existência.

Bom, essas tiradas conceituais resolvem o desejo de contemplar a paisagem do dia, uma manhã bonita de nuvens de chuva, chão molhado e frio gostoso pelo ar. Os dias que sucedem aos dias. As belas manhãs que enchem de vistas a alegria, quando a gente abre o coração e recebe de bom grado viver com intensidade o deslindar do tempo. As certezas, as pessoas integradas no gesto de viver em paz que elas delas conseguem obter. Horas de boa vontade.

Todo instante traz frutos bons, desde que plantemos à luz dos sóis em nossas almas, trabalho de quem busca inteiro o motivo de viver. Há, no que há, religiosidade plena, que nos resta desvendar através da sabedoria. Oferecer o melhor de si aos acontecimentos do Universo. Espécie de doação boa a nós próprios, viver pede inspiração. Dias alegres durante as existências, eis, em resumo, a razão principal do ato de existir.

Padre Cícero, do milagre ao Papa


FÉ QUE PERDURA Romeiros no monumento em Juazeiro do Norte: devoção ao “padim” (Crédito: Divulgação)

Para o povo, ele sempre foi santo, o padrinho dos pobres. Para a Igreja, a figura de Padre Cícero Romão Batista (1844-1934) oscilou em um curioso movimento pendular. No início, seu trabalho de evangelização popular mereceu total reverência; depois, ele foi atacado como um farsante que deveria ser impedido de celebrar missas e até excomungado. Passados mais de 80 anos desde a morte do religioso que se tornou político, a Santa Sé, em Roma, propõe uma reconciliação com o padre cuja devoção popular ainda hoje atrai romarias para Juazeiro do Norte, no Ceará. Compreender quem foi de fato esse homem, a dimensão de sua obra, as perseguições que sofreu e, principalmente, o lugar que ele merece na história e na Igreja, se tornou um chamado para a irmã Annette Dumoulin, religiosa, psicóloga e pesquisadora nascida na Bélgica que há mais de 40 anos se dedica ao legado do protetor dos despossuídos e aos romeiros de Juazeiro. Em “Padre Cícero – Santo do Povo, Santo da Igreja” (Paulinas), ela apresenta um estudo inédito e esclarecedor, baseado em documentos pouco conhecidos que permitem um novo entendimento da obra do injustiçado “padim Ciço”.

Sangue na hóstia
Nascido no Vale do Cariri, região considera- da um oásis em contraste com o árido sertão cearense, Cícero Romão Batista ficou órfão de pai aos 18 anos e precisou de favores do padrinho de Crisma para poder estudar no seminário da Prainha, em Fortaleza, onde foi ordenado sacerdote em 1870. Em Juazeiro, o jovem Padre Cícero passou a celebrar a Eucaristia aos domingos, na capela de Nossa Senhora das Dores. Foi lá que, em 1º de março de 1889, durante a confissão da beata Maria de Araújo, a hóstia verteu sangue. Seria um “milagre eucarístico”? No entender de Padre Cícero e de quem presenciou o fenômeno, sem dúvida. A sentença da Igreja, porém, foi outra: “Os pretensos milagres e outros fatos que se dizem de Maria de Araújo são falsos e manifestamente supersticiosos (…) e devem ser por todos reprovados e condenados”. Até os panos manchados de sangue, que haviam sido guardados como relíquias, tiveram de ser recolhidos e queimados por ordem do Santo Ofício.
Os desdobramentos desse fato dividiram o povo e a Igreja. De um lado, romarias passaram a ser cada vez mais comuns a Juazeiro. De Roma, contudo, partiu o decreto de excomunhão de Padre Cícero. O religioso seguiu sua vocação pastoral e em defesa dos pobres dentro e fora do sacerdócio. Entrou para a política e foi o primeiro prefeito de Juazeiro, quando o município se emancipou. Embora preserve a aura de santo no imaginário popular, a Igreja o manteve bem longe dessa condição por mais de 80 anos.
Apenas em 2001 uma comissão de estudos teve acesso aos arquivos relacionados aos mistérios de Juazeiro. Depois de cinco anos de pesquisa, o Vaticano recebeu os documentos compilados pela comissão, acompanhados de uma petição assinada por 254 bispos favoráveis à reabilitação de Padre Cícero. Ela foi finalmente concedida pelo Papa Francisco em 2015, para quem “O afeto popular que cerca a figura do Padre Cícero pode constituir um alicerce forte para a solidificação da fé católica no ânimo do povo nordestino”. Seja ou não canonizado pela Igreja, o Padre Cícero encontra-se agora legitimado pelo Papa Francisco.

O calvário de Padre Cícero
1889 – Durante a comunhão da beata Maria de Araújo, na Igreja de Nossa Senhora das Dores de Juazeiro do Norte (CE), a hóstia verte sangue. O suposto milagre começa a atrair romeiros
1894 – A Santa Sé, em Roma, considera que houve fraude e reprova os fatos em Juazeiro como “gravíssima e detestável irreverência e ímpio abuso à Santíssima Eucaristia”
1897 – Padre Cícero recebe a portaria de excomunhão caso não se retire de Juazeiro
1898 – Depois de apresentar sua defesa em Roma, Padre Cícero recebe uma nova sentença: é absolvido das censuras, mas fica proibido de falar ou escrever sobre o “milagre da hóstia”
1922 – Pedido de reabilitação de Padre Cícero é negado pelo Papa Leão XIII
2001 – Uma comissão é criada para estudar os arquivos relativos aos fatos de Juazeiro
2006– O resultado da análise é entregue ao Santo Ofício com uma petição assinada por 254 bispos para a reabilitação de Padre Cícero
2015 – O Secretário de Estado do Vaticano assina a carta de “reconciliação histórica da Igreja com o Padre Cícero”

Fonte: revista ISTOÉ, desta semana


Edições Anteriores:

Novembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30