xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 08/01/2017 - 09/01/2017 | Blog do Crato
.

VÍDEO - CONVERSA FRANCA - O DESCASO NO CRATO - Dihelson Mendonça ( 30-11-2017 ).
Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

31 agosto 2017

Setembro chegou! – por Armando Lopes Rafael



Neste 1º de setembro a imagem histórica de Nossa Senhora
da Penha percorrerá, em procissão, as ruas centrais de Crato 
Agosto acabou.  Os supersticiosos acreditam que esse mês não traz sorte. Muito pelo contrário,dizem. E lembram que o Brasil vivenciou muitas tragédias, principalmente na área política neste agourento mês... Na verdade essas tragédias só começaram a acontecer após o golpe militar de 1889 que implantou a forma de governo republicana no país. Ora, a República em si já é uma tragédia! Sempre foi. E continua sendo.
       O que ocorre é que essas tragédias são sempre lembradas pela mídia, que as divulga em profusão. É o nosso “rosário” de cruzes – de difícil solução – lembrado diariamente, a toda hora, pelos meios de comunicação: rádio, televisão, jornais, revistas, Internet, cinema, whatsApp, replicadas sempre em conjunto com a hipertextualidade (caminhos não lineares de leitura do texto).
    Mas, enfim, setembro chegou!
    Este é um mês ameno e agradável. Tem início, entre nós, com a festa da Rainha e Padroeira de Crato, Nossa Senhora da Penha, celebrada no dia 1º. Setembro é um mês que registra, também, grandes acontecimentos da história pátria. Em 06 de setembro de 1922, através de um decreto do Presidente Epitácio Pessoa (um dos poucos que presidentes da República que a história guardou) foi oficializado o Hino Nacional Brasileiro, embora a letra, escrita por Joaquim Osório Duque Estrada já tivesse sido escrita em 1909.

    Depois vem 7 de setembro, Dia da Pátria, nossa data maior. Neste dia o Brasil alcançou sua independência política, em 1822, num gesto ousado do Imperador Dom Pedro I. Em 12 de setembro de 1902 nasceu Juscelino Kubitschek, outro dos raríssimos presidentes que passou à história. A rigor o povo não guarda o nome desses presidentes. Terminado o seu mandato de plantão eles entram no rol do esquecimento. Quer uma prova? Tente lembrar o nome de 10 ex-presidentes da República do Brasil, desde que você não inclua Temer, Dilma ou Lula, os últimos. Tentou? Não lembrou? Não se preocupe. Isso acontece com 99% dos brasileiros.

        No dia 18 de setembro de 1822 foi criado, por Dom Pedro I, o Escudo do Império do Brasil. Um brasão oficial muito bonito, ainda hoje venerado por milhões de brasileiros, como nosso o único e verdadeiro emblema. Herança dos tempos imperiais quando “a nossa pátria tinha estabilidade política, administrativa e econômica; quando havia credibilidade do país no exterior; havia dignidade, havia segurança, havia fartura, havia harmonia e seriedade em todos os órgãos da administração pública”. Isso tudo acabou. Hoje vivenciamos a maior crise político-econômica da nossa história, a violência crescente, o desgaste da imagem do Brasil no mundo, a corrupção que generalizada que atingiu a Petrobrás, a Eletrobrás, a Caixa Econômica... o crescimento do consumo das drogas, o caos enfim.
    Mas voltemos ao mês de setembro. No dia 21 é comemorado, entre nós, o Dia da Árvore, com o objetivo principal de conscientização desse importante recurso natural. No dia 23 tem início a Primavera no hemisfério sul, onde está localizado o nosso país. E por aí vai.

    Particularmente, gosto muito do mês de setembro! É o mês da floração dos Ipês (Pau d’Arco, como é chamado no Cariri), sendo que o ipê amarelo deveria ser declarado como “A árvore-símbolo do Brasil”.
           Bem vindo setembro!

Independência ou morte! -- por José Luís Lira (*)


    Aos 24 anos incompletos, o jovem Príncipe Regente do Brasil e herdeiro do trono de Portugal, cidadão português, Dom Pedro, que chegara ao Brasil em 1808, aos 10 anos, contrariando seus patrícios, proclamou a independência do Brasil e de Colônia o transformou em Império. Corria o ano de 1822, no dia 7 de setembro, o jovem libertador chegava às margens do Rio Ipiranga, em São Paulo, província que apresentava problemas políticos que fizeram o Príncipe ir até lá apaziguar os ânimos.
  
No Rio de Janeiro, cinco dias antes, a Princesa Leopoldina de Áustria, Regente do Brasil, presidiu a reunião do Conselho de Ministros, a 2/09/1822.
    Nesta reunião foi aprovado o decreto da Independência, declarando o Brasil separado de Portugal. A imperatriz enviou uma carta a Dom Pedro, além de comentários de Portugal criticando a atuação do marido e de Dom João VI, exigindo o retorno de Dom Pedro e de sua família a Portugal, o que ele rejeitara antes. Ela, então, exigiu que Pedro proclamasse a Independência do Brasil e, na carta, o advertiu: "O pomo está maduro, colhe-o já, senão apodrece". D. Pedro, corajosamente, rompeu os laços que uniam Brasil a Portugal. Doravante, nos tornamos uma nação livre, independente. Passavam-se apenas 322 anos de nossa descoberta e menos de 300 de colonização. Nosso povo já falava a língua que se constitui a última Flor do Lácio, o Português, mas, com tonalidade brasileira.
   Para celebrar, nossa bandeira foi feita. Musicista que era, o Imperador compôs melodia à letra do poeta Evaristo da Veiga, cujo refrão ainda hoje nos estimula: “Brava Gente Brasileira/ Longe vá, temor servil;/ Ou ficar a Pátria livre,/ Ou morrer pelo Brasil”. O próprio Hino Nacional, em sua estrofe inicial, exalta a grandeza do feito de 1822: “Ouviram do Ipiranga as margens plácidas/ De um povo heroico o brado retumbante,/ E o sol da Liberdade, em raios fúlgidos,/ Brilhou no céu da Pátria nesse instante”.
   Com a instauração da República no Brasil, se tratou de ofuscar a História Imperial, criando-se estórias fantasiosas etc. A data de 7 de setembro só voltou a ser comemorada em 1922 para se celebrar o centenário da Independência. Depois, a data caiu no esquecimento. Somente em 1934, o cearense Luís Cavalcante Sucupira (Comendador Sucupira como era conhecido, imortal da Academia Cearense de Letras) deputado à então Assembleia Nacional Constituinte, compondo a Comissão de Educação e Cultura, no dia 6/09/1934, apresentou o Projeto de nº 42, propondo a instituição do Dia da Pátria, 7 de Setembro.
   O Decreto Presidencial nº 7, de 20/11/1934, assinado por Getúlio Vargas, oficializou a iniciativa do notável deputado cearense e passamos a ter o Dia da Pátria. Raramente vemos desfiles de Colégios e Escolas, também desconheço incentivo aos Hinos da Independência e Nacional em momento algum em sala de aula. Parece só existir quando a Seleção Brasileira de Futebol entra em campo ou outros eventos desportivos ou oficias. Não vivi, fisicamente, os dias do Império, já a República... Ah a República, melhor não comentar. A vontade que dá é de dizer: devolvam a Pátria Amada e gritar: “Ou ficar a Pátria livre, ou morrer pelo Brasil”.
   Viva o Dia da Pátria! Viva aos pais da Pátria Brasileira, especialmente ao Imperador Dom Pedro I e à Imperatriz Dona Leopoldina de Áustria!
 (*) José Luís Lira, advogado. Professor do Curso de Direito da Universidade Vale do Acaraú. Escritor com vários livros publicados, jornalista, historiador e memorialista.


Boa notícia para os vascaínos: Chefe da Casa Real Portuguesa concede o Título de Real Sociedade ao Vasco da Gama

Na última segunda-feira, dia 21, em Sessão Solene comemorativa pelos 119 anos do Club de Regatas Vasco da Gama, em sua sede no Rio de Janeiro, o Presidente do Clube, Eurico Miranda, recebeu o Decreto de Alvará Régio, assinado pelo Senhor Dom Duarte, Duque de Bragança e Chefe da Casa Real de Portugal, conferindo o título de Real Sociedade ao Vasco, um dos quatro tradicionais clubes cariocas, junto ao Fluminense, o Flamengo e o Botafogo.
O feito foi alcançado após 109 anos, quando, ainda durante o reinado do Rei Dom Carlos I de Portugal, o Clube havia pedido autorização do Soberano para utilizar o título de Real Sociedade. O Decreto de Alvará Régio original teria sido entregue pelo Rei em pessoa, na visita de Estado que estava agendada para fazer ao Brasil, em 1908. Infelizmente, em 1º de fevereiro daquele ano, deu-se o infame Regicídio do Terreiro do Paço, onde Sua Majestade foi assassinado junto ao seu filho e herdeiro, o Príncipe Real Dom Luís Filipe. Já em 1910, dá-se o golpe republicano em Portugal, com a deposição de seu segundo filho, o Rei Dom Manuel II.
Com a esperança renovada de ainda poder obter tal distinção junto ao atual Chefe da Casa Real de Portugal, a Direção do Vasco, junto ao Presidente da Associação dos Autarcas Monárquicos, Manuel Beninger, renovou o pedido à Casa Real e, após uma investigação do Assessor do Departamento Histórico da Fundação D. Manuel II, ficou comprovada a aprovação dessa concessão pelo Rei Dom Carlos I, tendo sido emitido então o tão esperado Decreto de Alvará Régio, assinado pelo Duque de Bragança, no dia 1º de fevereiro último, e impresso em papel timbrado antigo, com as Armas Reais em alto relevo, proveniente da Sala de Despacho Pessoal da Casa Civil de Sua Majestade.

Recordamos que o Duque de Bragança é primo em segundo grau do Príncipe Dom Luiz de Orleans e Bragança, Chefe da Casa Imperial do Brasil, sendo ambos bisnetos da Princesa Dona Isabel e do Conde d’Eu. Seus pais, o Senhor Dom Duarte Nuno, então Duque de Bragança, e a Princesa Dona Maria Francisca de Orleans e Bragança, casaram-se em uma grandiosa cerimônia, celebrada na Catedral de São Pedro de Alcântara, em Petrópolis, em 1942. O Duque de Bragança mantém excelentes relações com a Família Imperial Brasileira, e frequentemente visita nosso País, junto à sua esposa e filhos.
Assim como seu primo, o Chefe da Casa Imperial do Brasil ocasionalmente também outorga o título de Imperial a entidades que se destacam em nosso País. Para não multiplicar os exemplos, em 2009, em comemoração pelo bicentenário da Polícia Militar do Rio de Janeiro (instituída por seu pentavô, o então Príncipe Regente de Portugal, futuro Rei Dom João VI), Sua Alteza elevou a instituição ao título de Imperial Polícia Militar, com o Alvará de Decreto Imperial entregue por seu irmão e herdeiro, o Príncipe Imperial do Brasil, Dom Bertrand de Orleans e Bragança, em solenidade no dia 13 de maio de 2009, aniversário da Polícia Militar do Rio de Janeiro.
Salve o Vasco da Gama, o time da Cruz de Malta!
Foto: Alvará de Decreto Real concedendo ao Club de Regatas Vasco da Gama, do Rio de Janeiro, o título de Real Sociedade, assinado por S.A.R. o Senhor Dom Duarte, Duque de Bragança e Chefe da Casa Real de Portugal, em 1º de fevereiro último.



Juazeiro do Norte vai comemorar o centenário de ordenação sacerdotal do monsenhor Azarias Sobreira

Tendo como local o Memorial Padre Cícero, uma comissão de intelectuais caririenses pretende celebrar, entre os dias 4 e 6 de outubro de 2017, o centenário de ordenação sacerdotal do monsenhor Azarias Sobreira Lobo, fato ocorrido em 22 de abril de 1917. Mons. Azarias Sobreira foi um ilustre religioso nascido em Juazeiro do Norte, que viveu um destacado sacerdócio na Diocese de Crato.

Quem foi Mons. Azarias
Monsenhor Azarias Sobreira nasceu em 24 de janeiro de 1894, em Juazeiro do Norte e faleceu em 14 de junho de 1974, em Fortaleza. Foi ilustre sacerdote da Diocese de Crato. Foi filósofo, educador, professor e escritor. Formado sacerdote no Seminário da Prainha, em Fortaleza, que desde 1864 é um importante centro de formação do clero no processo de romanização da Igreja Católica no Brasil. Ordenado em 1917, na Catedral de Nossa Senhora da Penha de Crato, pelo 1º bispo da Diocese, Dom Quintino Rodrigues de Oliveira e Silva, Pe. Azarias foi Secretário do Bispado, cargo hoje  denominado de Chanceler.
Pe. Azarias foi também professor e diretor do Seminário São José de Crato até 1928. De 1929 a 1935 foi vigário de Milagres, Lavras da Mangabeira e Campos Sales, na Diocese de Crato. De 1935 até 1949, foi capelão e professor do Patronato Juvenal de Carvalho, em Cascavel (CE). De 1949 a 1964 foi  capelão e professor em Aracati, ensinando nos colégios São José, Marista e das Salesianas.
A partir de 1964, convidado pelo então Arcebispo do Ceará, Dom José de Medeiros Delgado, tornou-se professor do histórico Seminário da Prainha. Passou, então, a desenvolver sua missão evangelizadora, além do púlpito, nos principais jornais e revistas de Fortaleza. Escreveu vários livros. Dedicou-se, especialmente, ao trabalho de ampla pesquisa e profunda análise sobre o Padre Cícero, seu padrinho de batismo e já há muito tempo venerado como santo pelo povo do Nordeste. Desse estudo saiu a sua principal obra, publicada pela Editora Vozes, do Rio, em 1969: "O Patriarca de Juazeiro", consagrado clássico da literatura sobre a figura do Padre Cícero.

A Programação do evento
Local: Fundação Memorial Padre Cícero
Data: 4, 5 e 6 de outubro de 2017
Dia 4.10.2017 
19h. Mesa de Abertura.
19h30. Roda de Conversa: Memórias sobre Padre Azarias Sobreira Lobo.
Mediadora: Dra. Ângela Maria Dantas Sobreira Tavares
20h30. Abertura da Exposição: Padre Azarias Sobreira, O padrinho de meu “Padim”.
21h. Coquetel
Dia 5.10.2017
14h. Roda de Conversa: Padre Azarias e a historiografia de Juazeiro
Mediadores: Daniel Walker e Renato Casimiro                         
15h30. Intervalo
16h. Roda de Conversa: Padre Azarias e a Diocese de Crato
Mediador: Armando Lopes Rafael
Dia 6.10.2017
14h. Roda de Conversa: Padre Azarias Sobreira e mundo dos beatos
Mediadores: Luitgarde Oliveira Cavalcanti Barros e Francisco Renato Sousa Dantas               
15h30. Intervalo
16h. Roda de Conversa: Padre Azarias, O padrinho do “Padim”.
Mediador: Geová Sobreira
(por Armando Lopes Rafael)

O Príncipe Dom Pedro de Alcântara e a independência do Brasil

Hoje tem início a Semana da Pátria. Até os anos 80 do século passado a população festejava durante 7 dias a data magna do Brasil. Hoje só se dá destaque ao "Grito dos Excluídos" que sai todos os anos contrapondo-se aos desfiles estudantil-militares do passado, gritando "slogans" político-partidários, incluindo o atual "Fora Temer". Abaixo uma crônica que reflete um episódio da história do Brasil.

A atitude das Cortes de Lisboa em relação ao Brasil, durante a crise da Independência, havia congregado os brasileiros patriotas, deliberados a emancipar a antiga colônia, com ou sem o auxílio do então Príncipe Real de Portugal e Regente do Brasil, Dom Pedro de Alcântara de Bragança. As combinações para isso marchavam céleres, multiplicando-se os emissários especiais entre as Províncias de São Paulo e do Rio de Janeiro, estabelecendo ligações para o grande movimento libertador.


Incumbido pelos patriotas do Rio de Janeiro de ir a São Paulo com uma mensagem verbal aos conspiradores, o Capitão Pedro Dias Pais Leme, que foi mais tarde Marquês de Quixeramobim, entendeu que era seu dever, como amigo pessoal do Príncipe Real Regente, passar na Quinta da Boa Vista e lhe narrar o que se tramava.


Sua Alteza ouviu com calma a narrativa e, ao fim, em vez de lhe agradecer ou lhe dar qualquer ordem, pôs-se a falar sobre viagens e caçadas, até que, a certa altura, chegando à janela, começou a olhar o horizonte, no rumo do sul, e, apontando-o a Pais Leme, disse:

– Que belo dia para se viajar!

O oficial compreendeu tudo. Beijou, comovido, a mão do Príncipe Real Regente, desceu rapidamente as escadas, montou seu cavalo e partiu a galope.

( Baseado em trecho do livro “Revivendo o Brasil-Império”, de Leopoldo Bibiano Xavier)


Libertação interior - Por: Emerson Monteiro

Busca incessante, existir. Tantos detalhes, tempo veloz em câmara lenta. Baixas, elevações, pensamentos, sentimentos, vontade aberta e limitada, a um só momento. Dizem muito, dizem mares de palavras, no silêncio disso tudo. Seguir, correr, prosseguir. Voar no vento e regressar de mãos vazias ao dia seguinte, presos às bólides metálicas da carne. Aos olhos vulgares, mera prisão dos dias e das noites, novas chances e velhas ilusões. O escafandro amarrado às mangueiras de oxigênio, máscaras de vidro das esperanças que renascem nas outras manhãs. Daí o desejo monumental de saber o motivo de vir, ou já estar, ou nunca ir, a milhões e milhões de séculos vagando neste caos. Ser das perguntas, vidas em movimento, chuvas de gente, de números, de nadas.

Mas há quem fale diferente, que chegue mais à frente e veja distante, lá depois das montanhas que molduram a vista. Revelam certezas maiores do que todas as dúvidas. Acalmaram em si o jeito com que descrevem as práticas do que é bom, amar as coisas e criaturas, perdoar, acalmar os temporais, alimentar alegres sonhos de paz e aceitar o firmamento. Descrevem territórios luminosos, recantos aprazíveis, belezas mil, apenas mergulhando nas planuras da Consciência e penetrando as cores e maravilhas jamais até então imaginadas pelos mergulhadores da imaginação delirante que antes foram. Dizem haver, nos refolhos da alma da gente, o alimento que satisfará a fome dos gigantes e a sede dos desertos.

Lugares quiçá inatingíveis, fossem noutros universos inexistentes, que habitam o solo fértil das criaturas, de nós mesmos vem a forma de altares de oferendas aos deuses do coração, a que chegar por meio da Verdade aceita. Dotados das melhores alternativas dos elencos e das cortes, dispõem os voluntários da coragem no véu da Eternidade, enquanto agora. Logo hoje. Sempre terno poema de graças e felicidade, são os valores do Bem, das aspirações dos santos, avisos dos profetas, doutrinas dos místicos, criação do Divino, aqui no íntimo chão-oceano da pessoa humana que ora lê, pensa, e quer.

(Ilustração: Nicholas Roerich).

10º Sucessor de São João Bosco visitará o Cariri em outubro (por Armando Lopes Rafael)

A Inspetoria Salesiana do Nordeste anunciou que o padre Ángel Fernández Artime, Reitor-mor dos Salesianos e 10º sucessor de Dom Bosco, estará no Nordeste do Brasil entre dias 20 e 27 do próximo mês.
Ele desembarcará em Recife no dia 21 de outubro e permanecerá em Pernambuco até o dia 24. No dia 25 o Padre Ángel Fernández Artime, visitará Juazeiro do Norte, no Ceará. Ele conhecerá o complexo religioso do Horto (monumento e museu vivo do Padre Cícero e a Igreja do Coração de Jesus – a maior do Cariri – ainda em construção) na parte da manhã, visitando os lugares de peregrinação durante a tarde. À noite o Reitor-mor dos salesianos celebrará missa no Santuário do Sagrado Coração de Jesus, construída pelos salesianos no centro de Juazeiro. No dia 26, o Sucessor de Dom Bosco terá encontro com professores do Colégio Salesiano e dará a bênção a uma unidade infantil, em Juazeiro do Norte. À tarde viajará para Natal, capital do Rio Grande do Norte.  Seu retorno a Roma está previsto para o dia 27 de outubro.

Quem é o Padre Ángel Artime
Padre Ángel Fernández Artime, 57 anos, nasceu em 21 de agosto de 1960 em Gozón-Luanco, na Espanha, e foi ordenado sacerdote aos 4 de julho de 1987. Exerceu destacadas funções dentro da Ordem Salesiana até que em 2009 foi nomeado inspetor da Argentina Sul, passando a residir em Buenos Aires. Em virtude desse encargo teve também a oportunidade de conhecer e colaborar pessoalmente com o então arcebispo de Buenos Aires, cardeal Jorge Mario Bergoglio, hoje Papa Francisco.

A Imperatriz Leopoldina e a Princesa Isabel passarão a constar do Livro de Heróis e Heroínas da Pátria

Avó e neta serão consideradas oficialmente heroínas brasileiras
 A Deputada Federal Dâmina Pereira (PSL-MG), coordenadora da Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados, recebeu em reunião, em 10.11.2016, o Dr. João Pedro de Saboia Bandeira de Mello Filho, Subprocurador-Geral da República, e o Prof. Bruno da Silva Antunes de Cerqueira, conselheiros do IDII.
Ela aprovou entusiasticamente o anteprojeto de lei do IDII para inserir os nomes de D. Maria Leopoldina (1797-1826) e D. Isabel (1846-1921) no chamado “Livro de Heróis e Heroínas da Pátria”, que fica no Panteão da Pátria e da Liberdade, em Brasília.
O projeto de lei nº. 6.405/2016, da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, recebeu pareceres favoráveis nas comissões por que passou e agora o Presidente da Câmara, Deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), solicitou urgência na tramitação, que ainda depende da Comissão de Constituição e Justiça.
Princesa Isabel, a Redentora

Postado por Armando Lopes Rafael, a partir de informação da Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados

29 agosto 2017

Fulô da Aurora - Por: Emerson Monteiro

Na noite do sábado (26.08.17), no pátio da RFFSA, em Crato, assistimos a apresentação deste grupo, Fulô da Aurora, de música característica das melhores tradições populares do Nordeste. Criado em 2003, inspirado nos brincantes do Cariri cearense, a banda, composta por sete exímios executantes, traz a mais pura alegria, isto nos moldes das bandas cabaçais sertanejas, com baiões, frevos, cocos, xotes, xaxados. De harmonia e ritmo admiráveis, reacende a força viva dos maracatus, reisados, maneiro-paus, das festas dos terreiros, e o que é melhor, sob controle rigoroso de quem sabe o que faz, e faz.

A música sempre refletirá o nível cultural das populações. No entanto a repetição mecânica dos meios eletrônicos sujeitou a gerar distanciamento das origens autênticas e produziu aberrações e artificialismo perverso, qual o que hoje constrange o mercado da civilização de massa. Espécies de arremedos daquilo que poderia ter sido, o mundo artístico musical tendeu aos absurdos da agressividade perdida, tanto nas letras, nos estilos repetitivos e sem graça, quanto na intensidade extrema da utilização dos equipamentos dissonantes. Retrato desta fase escura nas artes em geral, o que agora chamam de música passa longe da dignidade artística do bom-gosto e da beleza.

Porém nada está perdido. Vez por outra a gente encontra resistentes dos tempos e costumes medíocres. Fruto da necessidade primal da estética limpa e verdadeira, sobrevive almas da inspiração original. Daí os arautos, semelhantes a heróis imbatíveis da essência sublime, que jamais perecerão. Queremos assim classificar este exemplo da Fulô da Aurora, que aguardava o momento certo de conhecer. Tem dois cds gravados, Querendo tem e Cabocô, estando esgotado o primeiro deles. Liderados por Fabiano de Cristo, um dos executantes do grupo, cumprem com maestria a função de contemporanizar ritmos saborosos os quais traduzem no som de rabeca, viola caipira, percussão, pife, violão, vocais, numa musicalidade feliz, rica, fértil, sublime.


Bom presenciar os sabores da nossa imortal oralidade nas letras e nos naipes sonoros de tão consistente manifestação artística deste momento. 

Fazendo inveja às cidades vizinhas: Reforma da Praça Padre Cícero,em Juazeiro, terá resgate de conceitos originais

 O Prefeito Municipal de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra, apresentou, na noite do último sábado, 26, no Memorial Padre Cícero, o projeto de reforma da Praça Padre Cícero, um dos importantes cartões postais da cidade, durante o lançamento do livro “A Praça Padre Cícero”, do escritor Daniel Walker. O projeto foi apresentado, por meio de vídeo-animação, com a presença da autora do projeto, a secretária de Infraestrutura do Município, arquiteta Gizele Menezes. O projeto se encontra na fase de licitação e irá revitalizar parte importante do Centro, valorizando uma das cidades do interior do Brasil de maior fluxo de visitantes. O projeto de reforma terá investimentos de R$ 5,9 milhões.
Aguardado com muita expectativa pela população juazeirense, o projeto que resgata conceitos originais da praça, teve a primeira apresentação diante de uma plateia que vivenciou parte da história do local. O livro traz imagens da antiga arquitetura, os bancos e as casas que tinham em volta. O escritor resgata histórias das mais diversas, desde as lembranças dos enamorados, recordações de infância, aos momentos marcantes das origens do local, como praça da Liberdade.

Originalidade
A reforma do espaço terá R$ 4,5 milhões, com investimentos do Governo do Estado, e R$ 1,4 milhões do Governo Federal. Os recursos já estão garantidos e o projeto foi enviado para licitação na semana passada. Com a proposta de resgatar a originalidade da praça, serão utilizados materiais como ladrilho hidráulico, bancos de granilite, postes coloniais, e o mesmo desenho urbano da época, com restauração da coluna da hora, além da instalação de novas lixeiras.
Fachadas da antiga
Haverá também a criação de uma área de convívio com bares e restaurantes, no local onde atualmente se encontra o terminal rodoviário, que será realocado. O desenho e cores das fachadas são releituras das casas antigas que circundavam a praça. Valorizando, dessa forma, a gastronomia e culinária local.
Fotos: Anderson Duarte  / Elizangela Santos
Postagem original: site Portal de Juazeiro

28 agosto 2017

Valdemir Correia, 79 anos de serviços prestados ao Crato - Por: Dihelson Mendonça


Valdemir Correia encabeça campanha pela Faculdade de Medicina do Crato.
.

Hoje, dia 28 de agosto, é um dia muito especial para todos nós que compomos esta imensa família BLOG DO CRATO. Hoje comemora-se o aniversário de um membro ilustre que tem cada vez mais participado do nosso quadro de escritores e colaboradores nos últimos tempos; Trata-se do Senhor Valdemir Correia de Sousa, um nome que tem sido sinônimo de orgulho para o Crato e para o Ceará por décadas. Seria infindável a lista de benefícios e serviços prestados ao Crato por Valdemir. Eu costumo dizer que os políticos vêm e vão, mas grandes homens é que fazem mais por uma cidade e por um país, pois não molham as suas mãos na sujeira da política. 

Em sua imensa trajetória de 79 anos, quantas pessoas, quantos funcionários já tiveram emprego e mudanças consideráveis de padrão de vida graças a ele; Quantas reuniões importantes em que foram decididos os destinos da nossa cidade ele já participou e continua participando ? 

Não obstante a sua incansável e diuturna luta, Valdemir Correia não deseja parar. Falando com ele há cerca de uma semana, fui encarregado de mais uma das suas missões, que é fazermos uma imensa campanha em todos os veículos de mídia por mim administrados, para que se dê ênfase á vinda da Faculdade de Medicina do Crato, que como sabemos, há alguns anos, vive num estado de vai-não-vai. Segundo Valdemir, conforme foi publicado aqui mesmo no Blog do Crato dias atrás, se o Governador Camilo Santana, que é Cratense, abraçasse essa causa, facilitaria muito para que a faculdade viesse para cá. Por isso, o nosso objetivo é somar forças nesse sentido, unindo os poderes Municipal, Estadual e até representantes em Brasília para que esse sonho se torne realidade.

Mas por enquanto, o assunto é a alegria, o júbilo de termos tão nobre Cratense em nosso meio e por tanto tempo, contribuindo, mantendo, e nos auxiliando em todos os sentidos. Valdemir tem sido uma das pessoas mais importantes não só para o Blog, mas para o Crato em si. Sendo destaque Estadual, sua esfera de influência abrange algumas das pessoas mais importantes do Ceará. Por isso mesmo, temos muito orgulho de nesta data poder parabenizá-lo por quase 80 anos de uma vida íntegra e inteiramente dedicada ao trabalho; Um homem que soube construir a duras penas a sua própria existência, moldando a vida com a firmeza do seu caráter, não se dobrando a nenhum "poderoso", mas tendo poderosos como iguais para o benefício da coletividade. 


Parabéns, amigo Valdemir Correia. Que o criador cubra a ti e a toda a tua família de graças, de saúde, de paz e de sucesso, este sucesso que você tão bem sabe expressar, transformando em ouro e felicidade tudo e a todos em que toca. Os nossos sinceros agradecimentos. PARABÉNS !!!


Dihelson Mendonça
Crato, 28 de Agosto de 2017




Sementes do desconhecido - Por: Emerson Monteiro

Escravizado às camadas inferiores da varada, algum animal escondido ali buscava acordar dos entulhos, dos galhos e folhas secas, até obter êxito nos esforços e surgir à vista de quem olhava interessado em descobrir o que adviria daquele movimento estranho de debaixo das entranhas do chão. Espécie alimária entre ressequida e semelhante quase à textura dos galhos e das folhas secas da entrecasca do solo, dali surge médio corpo de um jacaré filhote de boca grande e dentes afiados. Assim inesperado, preenche o espaço das apreensões de quem assistia. Algo de se recolher com cuidado ao espaço que lhe restava, em defesa dos botes do estranho visitante vindo das entranhas da terra.

Mas achou por bem de suportar na casa a presença do inesperado ser. Haveria de superar a visita e seus modos, sempre em favor da instituição doméstica. E o tempo foi deslizando no correr dos dias, nas linhas das horas intermitentes, meses, levando a novo acontecido.

O bicho ainda pequeno lá numa incerta ocasião acharia de se meter em um buraco de outros insetos no encontro de uma parede do lado sul da casa e nele permanecer algum tempo, sem mais, nem menos. Sumiu desaparecido dentro do furo qual houvesse terminado de tudo o drama. Que durou outro tempo, talvez longo, talvez breve, no juízo de velocidade da testemunha que acomodava os sucessivos inesperados.

Ora só o que viria ocorrer. Daquele buraco, aonde penetrara o filhote de jacaré aparentemente inofensivo pela idade, sairia já no formato de espécie maior da mesma família dos dinossauros, mas noutras e maiores proporções, esse de pele enegrecida, consistente qual o casco dos bichos do passado geológico dos antigos predadores, e com aparência agressiva de apreciador de carne sangrada, de gente que fosse e achasse pela frente.

Ele, que acompanhara tudo a partir do nascedouro da primeira visão, notou a gravidade dos sucedidos, presenciou em si o risco da sobrevivência em xeque, e somou as peças do enigma. Deveria sobreviver, sim, no intuito primeiro maior de cumprir a missão lhe destinada. Fugiria na primeira nave que lhe viesse recolher face ao desencanto das populações em volta de fogueiras acesas nas noites frias do estio da Terra.

Não é só a URCA que homenageará Lula na próxima 4ª feira. A Prefeitura de Crato também aderiu


Fonte: O POVO, 28-08-2017.
As maiores cidades do Ceará (Fortaleza, Maracanaú, Caucaia, Juazeiro do Norte e Sobral) ficaram fora do roteiro). Visitas só a cidades de médio porte

O ex-presidente Lula (PT) chega ao Ceará amanhã, iniciando caravana pelo Estado no município de Quixeré, localizado no Vale do Jaguaribe. Até quarta-feira, 30, ele fará paradas em pelo menos quatro cidades cearenses e passará por outras nove no trajeto. Presença de Camilo Santana (PT) ainda não é certa porque, embora líderes petistas deem como certa sua participação, a assessoria do governador não confirmou agenda até a noite de ontem.
Durante os dois dias, Lula fará paradas para atos públicos em quatro cidades: Quixeré (Posto do Capricho), Morada Nova (Posto do Ubiratan), Quixadá (Praça José de Barros) e Crato (Centro de Convenções do Cariri). Nesta última, ele receberá a Medalha Bárbara de Alencar e o título de doutor honoris causa da Universidade Regional do Cariri (Urca), além do título de cidadania de alguns municípios da região.

O "caos da República": Crise nos Correios gera atrasos na entrega de compras online e espera chega a meses

Déficit de servidores tem contribuído para que as encomendas demores a chegar aos consumidores
Fonte: Diário do Nordeste, 28-08-2017  
 Atualmente, o Estado conta com 2.673 servidores dos Correios. O Sindicato dos Trabalhadores em Correios, Telégrafos e Similares do Ceará (Sintect-CE) afirma que existe um déficit de 1.600 funcionários. Já a empresa diz que seria necessário ampliar em 11% o quadro atual, com cerca de 300 contratações ( FOTO: HELENE SANTOS )

Déficit estimado em 1.600 trabalhadores no quadro de funcionários dos Correios no Ceará vem contribuindo para o atraso na entrega de encomendas aos consumidores do Estado. Quem realiza compras pela internet, por exemplo, precisa ter muita paciência para receber os produtos. Mesmo que as empresas enviem as mercadorias para os clientes no prazo estimado, os itens costumam ficam travados por meses nas unidades dos Correios antes de chegar ao destino.
O problema representa uma contradição, pois, ao passo que o número de compras feitas pela internet aumenta no Brasil e no Ceará, a quantidade de servidores dos Correios diminui. Com isso, o consumidor, que busca a melhor relação custo-benefício ao adquirir mercadorias online, é o grande prejudicado.
O Estado conta atualmente com 2.673 empregados concursados da empresa. Segundo a secretária geral do Sindicato dos Trabalhadores em Correios, Telégrafos e Similares do Ceará (Sintect-CE), Carolina Pantaleão, cerca de 2 mil atuam na Região Metropolitana de Fortaleza e o restante no Interior.
Ela diz que o número de servidores dos Correios no Ceará deveria ser de 4.400 pessoas. O déficit de 1.600 pessoas no quadro de funcionários da empresa também estaria sendo responsável pelo aumento na quantidade de reclamações na Central de Atendimento dos Correios. Grande parte das queixas também são feitas porque os objetos costumam ser extraviados, chegando depois de muito tempo na casa do consumidor.

27 agosto 2017

A certeza da convicção - Por: Emerson Monteiro

Nos primeiros séculos do cristianismo, quando a fé em Jesus galvanizava multidões inteiras necessitadas de esperança, quais as de hoje, a força com que aceitaram a transformação interior entre as pessoas a ponto de marcharem altivas às primeiras perseguições. Iam aos circos romanos de almas livres ao sacrifício. Seriam ali vítimas das feras famintas, dos gladiadores insanos, das fogueiras, o que divertia sobejamente aos instintos dos césares e da massa ignara, delirante nos poleiros dos estádios superlotados. Cenas de horror, a pão e circo, que alimentavam o sadismo dos ignorantes, a troco da exploração política e ditatorial de profissionais da descrença.

Hoje as manias dos humanos nivelam as épocas parecidas. A própria fé mudou de espírito. O que fora amor extremado na busca da Salvação virou interesse desnorteado pelas posses materiais. De que vale ao homem ganhar este mundo e perder a Eternidade? – indagou Jesus nos evangelhos.

Espécie de loteria da religiosidade, o valor das consciências pende aos paraísos artificiais do dinheiro, da fama, do sexo, dos vícios de outras espécies. O prazer pelo prazer, pouco ou nada importa o preço de pagar no correr dos ponteiros. Meros bonecos de marionetes absurdas, seres se exaurem na lama da autodestruição.

Daí apresentarem os tempos espécie de mutação moral que reclama inteligência. Quantas aberrações nessas fases críticas da Humanidade. Valores perdem o sentido, e enquanto nos tempos antigos desciam aos circos, de olhos abertos, os mártires da perseguição em nome da fé, agora carece de razões até às vítimas abandonadas nos guetos, paupérrimos e marginais. Fase escura de esperança, onde os vendilhões oferecem as almas no mercado da desonra e exploram o povo a mantê-lo escravo da mesma ignorância que lhes possui.

Mais que nunca, o presente requer a certeza da convicção, em que os princípios cristãos sejam o motivo forte de salvar si e aos irmãos de humanidade.

Corruptor Doutor -- por Jota Alcides (*)

Artigo publicado no site “Juanorte”, em 27-08-2017.

  É uma ofensa à moralidade pública brasileira e à dignidade do povo caririense, o que promete fazer a Urca-Universidade Regional do Cariri, nesta quarta-feira (30), em Crato. Sem sensatez, sem escrúpulo, sem moral, sem ética e sem vergonha. Você seria professor ou estudante de uma Universidade assim, tão indecente e indecorosa? A Urca vai entregar o título de Doutor Honoris Causa ao ex-presidente Lula da Silva, condenado pela Justiça como corrupto chefe da quadrilha que assaltou os cofres públicos do Brasil, deixando o País na maior e mais grave crise de sua história.
   Enquanto importantes instituições estrangeiras, como a Universidade de Coimbra, Portugal, estão arrependidas e mobilizadas para cassação de semelhante diploma concedido a Lula, enquanto a Justiça proíbe a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia de homenagear Lula da mesma maneira, a Urca faz exatamente o contrário, sujando para sempre sua história e virando lixo da história. Na Bahia, a cerimônia estava prevista para dia 18 passado, mas o juiz Evandro dos Reis decidiu suspendê-la após ação popular impetrada, determinando que ela não seja realizada em nenhuma outra data.
    Em sua decisão, o juiz argumentou que a concessão do título de Doutor Honoris Causa a Lula é uma ofensa á moralidade pública e administrativa do País. Em caravana pelos Estados do Nordeste, fazendo campanha antecipada para tentar voltar à Presidência da República em 2018, Lula fez um ato de protesto contra a decisão judicial em frente à Universidade lembrando que já recebeu 28 títulos universitários depois de deixar o Governo do Brasil: "Talvez tenha sido o único presidente que não teve diploma. Mas eu sou o que tem mais títulos de doutor honoris causa na história do Brasil". Infelizmente, como já observou o escritor e romancista Mário Vargas Llosa, Prêmio Nobel de Literatura de 2010, Lula enganou todo mundo, no Brasil e no exterior, e agora a sociedade brasileira tenta purificar a democracia.
   Nesse sentido, o juiz da Bahia foi bem explícito dizendo que a honraria aprovada pela Universidade ao ex-presidente Lula é uma agressão à moralidade administrava e à Constituição brasileira: "O artigo XXIII, da Carta Política, tem como matriz a preservação do patrimônio público onde nele repousa o de cunho moral". Ora, o ex-presidente Lula é um condenado por corrupção tendo praticado vários ilícitos comprovados pela Operação Lava-Jato. Já condenado a 9 anos e seis meses de prisão é Réu ainda em vários processos em andamento, Lula pode ser preso a qualquer momento. Chamá-lo de corrupto, portanto, não se trata de uma opinião, mas de uma constatação da Justiça.
    Pelas delações premiadas da Lava-Jato, durante seu Governo, Lula recebeu propina mensal de R$ 50 milhões da Odebrecht em conta no exterior e R$ 70 milhões mensais da JBS também em conta no exterior. Isso ainda não foi comprovado porque a conta no exterior não era em nome de Lula, mas em nome das próprias empresas. Segundo os delatores, quando Lula queria dinheiro, os ex-ministros Antônio Palocci e Guido Mantega entravam no circuito, as empresas convertiam o valor desejado em reais dos dólares mantidos no exterior, repassavam para os ex-ministros que entregavam a propina pessoalmente a Lula, tudo sem nenhum recibo.
   Além disso, durante os oito anos de seu Governo, Lula acertou para a Odebrecht a pagar R$ 5 mil mensais de mesada ao seu irmão Chico. Tudo isso em troca de favores do Governo às empresas. Desse modo, Lula pode ser o presidente campeão de títulos de Universidades, como ele diz, mas também é o presidente campeão de propinas. Sem falar no Mensalão do PT, que ele comandou comprando votos de deputados e senadores no Congresso para aprovação de projetos do Governo. Dessa forma, Lula proporcionou o Mensalão e o Petrolão, os dois maiores escândalos de corrupção do mundo. 
   Mas ele não se emenda, nem se perturba. Pelo contrário, neste momento, está em a caravana eleitoral pelo Nordeste, onde pretende novamente enganar o povo, menos um chargista que fez uma ilustração de jornal com Lula aparecendo cercado de jumentos de verdade e a legenda: "Lula assediado por eleitores". Por tudo isso, é um constrangimento público o que está programado para acontecer na Universidade Regional do Cariri-Urca.
   É uma imoralidade o que está fazendo a Urca que deveria ter como apanágio a transmissão da verdade, das boas práticas administrativas, da competência e da transparência e não a honraria à corrupção e a um corrupto condenado pela Justiça. É preciso que o povo do Cariri reaja contra isso lembrando Martin Luther King: "O que me preocupa não é nem o grito dos corruptos, dos violentos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética... O que me preocupa é o silêncio dos bons”. Não pode haver silêncio dos caririenses diante dessa premiação da iniquidade e dessa degeneração moral.
   Ainda dá tempo aos que são contra essa imoralidade da Urca entrar na Justiça e conseguirem a suspensão desse título. Estudantes e professores da Urca poderiam seguir o exemplo dos estudantes da Universidade de Coimbra colocando na frente da Urca uma faixa com os mesmos dizeres que chocaram Coimbra: "Lula, o burro que rouba vira doutor".

(*) Jota Alcides, jornalista e escritor, é autor de "O Recife - Berço Brasílico" e "Marquês do Recife".

26 agosto 2017

Vamos acordar! - Por: Emerson Monteiro

Certa feita, assisti pela televisão a uma entrevista com um senhor que vivera na Alemanha no período que antecedeu a Segunda Guerra Mundial. Ele descrevia o clima reinante no país naquela ocasião. Espécie de letargia dominava a grande população. Enquanto isso, escaramuças da política ditavam as cartas e Hitler chegara ao poder, logo demonstrando a agressividade dos seus instintos de dar início à conflagração que custaria 70 milhões de vidas, entre mortos e desaparecidos. Mas o povo acompanhava aquilo tudo sob a relativa normalidade. A militarização e o crescimento armamentista que caracterizavam os desejos do ditador rápido prevaleceram através da propaganda e das mobilizações do Estado.  

No auge dos avanços agressivos em relação a países próximos, lá um dia os nazistas reuniram grande massa no Estádio de Berlim no sentido de apresentar os planos da propaganda e consultar os presentes quanto ao apoio à guerra iminente.

Os alto-falantes bradavam hinos e discursos, até o instante da consulta coletiva de apoiar à escalada do conflito mais cruento até hoje acontecido na Terra. Quando consultados, o estádio em peso levantou-se favorável à ação deletéria. O tal senhor de quem faláramos da entrevista na televisão, ali no meio da multidão desvairada, nenhum gesto esboçou, permaneceu sentado no seu lugar das arquibancadas, pois fora voto vencido. Inútil a qualquer cogitação. E o andamento dos acontecimentos seria danoso para toda a Humanidade.

Assim é sujeito a ocorrer em qualquer época diante da maioria silenciosa que dorme acomodada diante das situações da história. Nada vê. Nada ouve. Nada fala. Embriagada nos braços dos prazeres fáceis, acha que tem nada com isso.


Entretanto se sabe da importância da conscientização das pessoas na conquista dos direitos, na obtenção dos resultados da paz, do progresso. Há tempos durante os quais todos nós seremos responsabilizados pelas atitudes de todos. A coerência exige participação, movimentação. Os próprios governantes necessitam saber as aspirações populares, a fim de promover ordem e justiça que farão os dias melhores que construiremos às novas gerações.a

Arquitetura de Crato do passado

Alguém se lembra?
Ficava na esquina onde hoje funciona a Agência da Caixa Econômica (Rua Santos Dumont com Rua Cel. Luís Teixeira)

A delação do fim da República: Ex-ministro do STJ recebeu propina de R$ 5 milhões, diz Palocci

O ex-presidente do STJ Cesar Asfor Rocha, citado por Palocci em negociação de delação premiada

Fonte: " Folha de S.Paulo", matéria escritra por FLÁVIO FERREIRA, DE SÃO PAULO e ESTELITA HASS CARAZZAI, DE CURITIBA

 Em negociação de delação premiada, o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci afirmou que o ex-presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Cesar Asfor Rocha recebeu suborno no valor de pelo menos R$ 5 milhões da construtora Camargo Corrêa para barrar a Operação Castelo de Areia da Polícia Federal.
Além da Camargo Corrêa, a operação deflagrada em 2009 tinha como alvos outras empreiteiras e políticos posteriormente investigados na Operação Lava Jato.
Palocci disse que o acerto com Rocha foi comandado pelo advogado Márcio Thomaz Bastos, morto em 2014, e incluía também a promessa de apoio para que o então magistrado fosse indicado para uma vaga no STF (Supremo Tribunal Federal) –o que acabou não acontecendo.
O repasse para Rocha foi depositado numa conta no exterior, segundo Palocci.
Asfor, a Camargo e a família de Bastos negam a acusação do ex-ministro.
Palocci está preso em Curitiba e negocia um acordo de delação premiada.
A Castelo de Areia foi interrompida por uma medida liminar concedida por Rocha, então presidente do STJ, em janeiro de 2010.
A alegação dos advogados da Camargo Corrêa, acolhida pelo à época ministro, foi a de que as interceptações telefônicas da operação, principal base das investigações, tiveram origem apenas em uma denúncia anônima, o que seria ilegal.
Naquele ano, levantamento do STJ feito a pedido da Folha revelou que era inédita a decisão de Rocha.
A apuração mostrou também que, antes e depois da concessão da liminar, Rocha decidiu pela validade de investigações iniciadas com denúncias anônimas.
Em março de 2011, o julgamento final sobre a legalidade da operação começou a ser feito pela 6ª Turma do STJ, da qual Rocha não fazia parte.
Na ocasião, a ministra relatora do caso, Maria Thereza de Assis Moura, votou pela anulação da operação e o ministro Og Fernandes, pela regularidade das investigações da Polícia Federal.
Porém, após o empate, o julgador Celso Limongi pediu vista e a apreciação da causa foi interrompida.
No mês seguinte, o caso foi retomado com voto de Limongi favorável à tese da Camargo Corrêa. O ministro Haroldo Rodrigues seguiu o mesmo entendimento e o resultado final foi de 3 a 1 pela ilegalidade dos grampos.
A decisão resultou na anulação total da operação e de todos os seus desdobramentos, que envolviam outras construtoras e políticos, inclusive obras da Petrobras posteriormente investigadas na Lava Jato –como as refinarias Abreu e Lima, em Pernambuco, e Getúlio Vargas, no Paraná.
Palocci não mencionou nas tratativas de colaboração premiada repasses diretos aos ministros da 6ª Turma do STJ que julgaram a causa.
Rocha obteve aposentadoria do tribunal superior em setembro de 2012 e passou a exercer a advocacia.

RELAÇÃO COM BASTOS
Palocci e Bastos ocuparam ministérios no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Bastos foi ministro da Justiça até março de 2007 e Palocci ministro da Fazenda até março de 2006, após assumirem em janeiro de 2003.
Depois de saírem dos cargos na administração de Lula, eles mantiveram relações comerciais.
Quando Palocci abriu sua consultoria, a Projeto, Bastos se tornou o segundo maior cliente da empresa.
O escritório do advogado fez repasses de R$ 5,5 milhões à Projeto, entre 2008 e 2011, segundo dados registrados pela Receita Federal.
À época, tanto Bastos quanto Palocci atribuíram os pagamentos ao grupo Pão de Açúcar, como resultado de assessoria nas negociações da fusão entre a companhia e as Casas Bahia.
Uma auditoria do grupo concluída em 2015, porém, não encontrou evidências de prestação de serviços, tampouco contratos que justificassem os pagamentos.
O Pão de Açúcar pertencia ao empresário Abilio Diniz, também próximo de Palocci, e passou a ser controlado pelo grupo francês Casino, no ano de 2013.

OUTRO LADO
O ex-presidente do STJ Cesar Asfor Rocha, a construtora Camargo Corrêa e a família do ex-ministro Márcio Thomaz Bastos negaram a prática de ilegalidades para barrar a Castelo de Areia.
Segundo Rocha, "se Antonio Palocci efetivamente produziu essa infâmia, eu o processarei e/ou a quem quer que a tenha difundido. A afirmação é uma mentira deslavada que só pode ser feita por bandido, safado e ladrão".
O ex-magistrado e atual advogado disse que o autor da acusação agora está obrigado a revelar as circunstâncias do repasse que apontou.
"Observo que Márcio Thomas Bastos é um saudoso e querido amigo. Todavia, toda classe jurídica sabe que Márcio, até por ter compromissos com outras pessoas, nunca me prometeu apoio (o que muito me honraria), nem eu jamais lhe pedi –para ser ministro do STF. Muito menos fiz tal pedido a qualquer picareta", afirmou Rocha.
O ex-ministro lembrou que a liminar que ele concedeu em 2010 posteriormente foi mantida pela ministra relatora Maria Thereza de Assis Moura e pela 6ª Turma do STJ, que também concedeu habeas corpus no caso.
Essa decisão depois também foi mantida pelo Supremo Tribunal Federal, relatou o ex-presidente do STJ.
A Camargo Corrêa afirmou que desconhece qualquer irregularidade. "A única participação do ministro Cesar Asfor Rocha foi a concessão de uma medida liminar, que foi objeto de recurso, tendo sido confirmada, por unanimidade, pela 6ª turma do Superior Tribunal de Justiça".
Segundo a nota, "a anulação da operação foi confirmada pela 1ª turma do STF, que ratificou a existência de nulidade insuperável".
O advogado José Diogo Bastos Neto, sobrinho de Márcio Thomaz Bastos, disse que a família do ex-ministro recebe a acusação com indignação. "A afirmação é uma grande mentira, uma irresponsabilidade e até um ato de covardia, uma vez que ele não está mais entre nós."
A defesa de Palocci não se pronunciou.

Só um Rei une uma nação


 Imperador Dom Pedro I
A formação de partidos não é um mal em si. Pelo contrário, pode ser um poderoso fator de enriquecimento da vida cultural, social e política de uma sociedade, desde que – note-se – sobrepaire a eles um fator unitivo suficiente para contrabalancear as forças centrífugas.
Nas Monarquias, esse fator é habitualmente representado pelo Soberano, elemento aglutinador de todas as forças sociais.
Exemplo disso tivemos no Brasil, logo após a Independência: não fosse a presença entre nós do Imperador Dom Pedro I, que, aos 24 anos de idade,  assegurou a continuação da tradição monárquica luso-brasileira no Novo Mundo, forçosamente teria prevalecido aqui, como prevaleceu na América Espanhola, a força centrífuga, e ter-nos-íamos fragmentado em pequenas republiquetas, governadas por tiranetes e brigando entre si, como nossos vizinhos latino-americanos.
Outro exemplo foi a da Monarquia Austro-Húngara. Num imenso território habitado por pessoas de 15 nacionalidades ou etnias diferentes, em que tantos idiomas eram falados que se precisava usar o latim, língua universal, em muitos documentos oficiais, a única força aglutinadora era a Dinastia reinante, a Casa de Habsburgo. Proclamada a República, em 1918, sem uma ditadura muito antinatural, jamais se poderia assegurar a unidade daquele conjunto.
Na Rússia antiga, o Czar era indiscutivelmente esse elemento de união. Com o advento do famigerado comunismo, em 1917, somente uma tirania como nenhuma outra houve na História pôde manter unidas as pessoas desse imenso quebra-cabeça que se chamava União Soviética. Tal a força centrífuga de tais peças, porém, que foi só se afrouxarem um pouco as correntes que as prendiam umas às outras, e teve início a imensa desagregação que o mundo assistiu a partir de 1991.
O mal dos partidos em Repúblicas está, repita-se, em se digladiarem sem que um fator unitivo superior resguarde suficientemente o bem comum contra o avanço dos interesses privados e de grupos.

(Baseado em trecho do livro “Parlamentarismo, sim! Mas à brasileira: com Monarca e Poder Moderador eficaz e paternal”, do Prof. Armando Alexandre dos Santos).

25 agosto 2017

Lindemberg de Aquino, esse esquecido

Atualmente afastado das atividades sociais de Crato por motivo de saúde, o jornalista João Lindemberg de Aquino exerceu influência na vida da Cidade de Frei Carlos por cerca de 60 anos. Lindemberg nasceu em Crato, em  4 de junho de 1933, tendo completado em junho último 84 anos de idade.
Lindemberg é filho de Joaquim Patrício de Aquino e Maria Rosa de Aquino. Fez o curso primário na escola particular da professora Vicência Garrido e na Escola de 1º Grau Dom Quintino. Ingressou na Escola Técnica de Comércio do Crato e Colégio Diocesano do Crato, terminando seus estudos secundários. Depois disso foram sessenta anos escrevendo, pesquisando e divulgando a cidade de Crato “seu segundo amor, pois seu primeiro foi sua mãe”,  como ele gostava de dizer.
Hoje o Blog do Crato homenageia J. de Lindemberg de Aquino, escolhendo para tanto uma crônica sobre ele,  escrita por Emerson Monteiro há 7 anos.

Reproduzimos abaixo um artigo de Emerson Monteiro sobre Lindemberg de Aquino, publicado neste "Blog do Crato".

"Queremos tecer aqui, em algumas e poucas palavras, um comentário a propósito de personalidade a quem o Cariri deve boa parte da evidência que hoje detém neste mundão imenso de Meu Deus; falar a respeito do João Lindemberg de Aquino, jornalista inteligente, possuidor de talento inquestionável já reconhecido nas letras nordestinas, e autor emérito do livro Roteiro Biográfico das Ruas do Crato, trabalho permanente para os estudos da história desta Região.
Durante décadas, anos 50, 60 e 70, pelos menos, os principais registros da movimentação social, economia e política do interior cearense da região sul ganharam notoriedade, sobretudo nas páginas dos jornais de Fortaleza, através das matérias que ele encaminhava para publicação.
Nos seus escritos, Lindemberg mostrou especial dedicação à vida social caririense, aos acontecimentos e lideranças que nortearam o progresso deste vale onde habitamos, conquanto agora mesmo apenas usufrua de uma vida recolhida e afastada deste meio que, com carinho e trabalho, ajudou a construir e onde estabeleceu numeroso círculo de amizades.
Quando, em 1953, o Instituto Cultural do Cariri encetava caminhada, dentre os seus fundadores ele ali se encontrava na função de Secretário da primeira diretoria, ao lado dos nomes expressivos de Figueiredo Filho, Irineu Pinheiro, Padre Antônio Gomes, Huberto Cabral e outros. Desde cedo que busquei assisto de perto a trajetória intelectual deste cidadão cratense integrado ao meio, ainda de quando exercia um cargo no atendimento do INPS, em Crato, assessorava diversas administrações municipais cratenses e escrevia crônicas diárias para as Rádios Araripe e Educadora, além de testemunhar os principais acontecimentos sociais também das comunas próximas, divulgando-os na grande imprensa do Estado e do País. Nisto aplicou-se durante décadas inteiras, favorecendo o encaminhamento de temas progressista e atualizando as influências políticas e educacionais, o que marcaria bases no nosso crescimento histórico.
Dotado, pois, de paixão verdadeira pelo que realizou em termos de jornalismo sociocomunitário, Lindemberg de Aquino chamou a si a preservação da autoestima deste povo caririense, anotando para as gerações futuras efemérides e valores que eternizou com a sua pena. Perante tais aspectos que caracterizam existência de tantos préstimos, cabe-nos reconhecer o êxito das ações que empreendeu e dedicar o melhor tributo de reconhecimento a João Lindemberg de Aquino por tudo que fez valer em prol da gente deste lugar".(Por: Emerson Monteiro)

24 agosto 2017

Conhecendo os bairros de Crato: o Alto da Penha

Uma rua do Alto da Penha - Crato (CE)

Segundo a historiadora Ana Rosa Dias Borges, em um livro de sua autoria resgatando a história do Alto da Penha, este bairro começou a ser povoado na década 40 do século passado e seus moradores eram oriundos das classes menos favorecidas economicamente da cidade de Crato.
A historiadora citada diz que a mudança do nome para Alto da Penha foi sugerido pelo então Cura da Catedral de Crato, monsenhor Rubens Gondim Lóssio, um dos evangelizadores da população daquela região citadina de Crato. Depois disso, a população iniciou a construção de uma pequenina capela dedicada a Nossa Senhora de Fátima, ainda sob o influxo da visita que a Imagem Peregrina fez a Crato em 1953.
 Santa Teresinha do Menino Jesus, atual orago da Capela do Alto da Penha

A modesta capelinha original foi, recentemente, totalmente reformada e ampliada pela população do bairro, sob a coordenação do Padre Arileudo Machado, atual pároco da Paróquia de São Francisco do bairro Pinto Madeira. Em 2014, em face de ter sido construída outra capela dedicada a Nossa Senhora de Fátima no conjunto Mutirão (antigo Cafundó), muito próximo à capela do Alto da Penha, esta última foi dedicada a Santa Teresinha do Menino Jesus. Entretanto, o altar da capelinha ostenta as duas imagens: a de Nossa Senhora de Fátima e a de Santa Teresinha.
O Alto da Penha é hoje um bairro revitalizado urbanisticamente, com bom índice de crescimento e é habitado em sua maioria pela chamada classe "C".

Em 2015, a capela do Alto da Penha recebeu uma
imagem réplica de Nossa Senhora da Penha, Padroeira do Crato,
cujo nome deu nome ao bairro citadino a partir de 1953

(Texto e postagem de Armando Lopes Rafael)

23 agosto 2017

Karim Aïnouz - Por: Emerson Monteiro


Este cineasta cearense que vem ganhando destaque no cinema mundial tem suas origens na família Augusto, de Lavras da Mangabeira CE. Karim Aïnouz nasceu em Fortaleza a 17 de janeiro de 1966, filho de mãe brasileira e pai argelino. Roteirista, diretor de cinema e artista visual mais conhecido pelos filmes O Céu de Suely e Praia do Futuro, iniciou carreira como co-roteirista de filmes nacionais Abril Despedaçado (2001), de Walter Salles; Cinema, Aspirinas e Urubus (2005), de Marcelo Gomes; e Cidade Baixa (2005), de Sérgio Machado. 

Seu primeiro longa foi Madame Satã , em 2002, que veio a público na mostra Un Certain Regard do Festival de Cinema de Cannes do mesmo ano. 

Como palestrante, Aïnouz participou de eventos na Universidade de Princeton (Estados Unidos); Birkbeck College (Londres); Instituto de Tecnologia de Massachusetts (Estados Unidos); EICTV (Cuba) e San Francisco Art Institute (Estados Unidos), entre outras.

Em 2008, escreveu e dirigiu a série de televisão Alice, em parceria com Sérgio Machado, para a HBO América Latina. Seus curtas-metragens e instalações foram exibidos em mostras e museus pelo mundo, incluindo no Whitney Museum of American Art, MoMa Nova York, Bienal de São Paulo, Bienal de Sharjah, Museu de Arte Contemporânea de Fortaleza e Festival Videobrasil.

Depois de Madame Satã, seus longas seguintes foram O Céu de Suely e Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo (co-dirigido com Marcelo Gomes), que estrearam no Festival de Veneza, na Mostra Orizzonti, em 2006 e 2009. 

Em 2010, o diretor foi homenageado na 13ª Mostra de Cinema de Tiradentes e teve retrospectivas na Espanha, Suíça, França e Estados Unidos.

Em 2011, o filme O Abismo Prateado teve sua estreia mundial no Festival de Cannes, na Quinzena dos Realizadores, e recebeu o prêmio de Melhor Diretor no Festival do Rio. Realizou, a convite da Sharjah Art Foundation, o filme Sonnenallee, exibido na Bienal de Sharjah, de 2011.

Em 2012, foi convidado a integrar o júri da Cinéfondation e da Competição de Curtas-metragens do 65.° Festival de Cannes. No mesmo ano, participou do projeto Destricted.br, - inspirado no projeto Destricted de Larry Clark , - com Adriana Varejão, Janaína Tschäpe, Julião Sarmento, Lula Buarque de Hollanda, Marcos Chaves e Miguel Rio Branco.

Foi convidado para o júri do Heiner Carow Award durante o 63.° Festival de Berlim e em 2014 foi presidente do júri do Festival do Rio. Seu último trabalho de documentário experimental, Domingo, é resultado da parceria com o artista dinamarquês Olafur Eliasson durante o 17.° Festival Videobrasil, teve sua estreia mundial no Festival do Rio 2014.

Em 2014, lançou o filme Praia do Futuro, feito no Brasil e na Alemanha, e estreou na Competição Oficial do 64.° Festival de Berlim e é um de seus trabalhos mais conhecidos. Ainda em 2014, participou como co-diretor de Cathedrals of Culture, que explora como seis edifícios significativos e diferentes refletem nossa cultura. A película tem como produtor executivo Wim Wenders e estreou no Festival de Berlim, na seção Berlinale Special do ano de 2014.



São estas algumas das informações a propósito de Karim Aïnouz as quais recolhemos do site Wikepédia (Enciclopédia Livre) em 23 de agosto de 2017.

Ezequiel Moreno y Diaz: Um simpático santo colombiano – por Armando Lopes Rafael

Cada católico tem os santos de sua simpatia. Julgo, aliás, que não somos nós que escolhemos os santos da nossa predileção. São eles que nos escolhem. Eu, pessoalmente, tenho alguns, os quais, em determinado momento, cruzaram suas vidas com o meu monótono cotidiano. É o caso do menino-mártir mexicano São José Luís Sanchez del Rio, do Padre Pio, do  Papa Albino Luciano (João Paulo 1º) dentre outros...Mas hoje lembro-me que há muitos anos vi uma foto de um santo colombiano que chamou muito a minha atenção. Permita-me compartilhar com os leitores algo sobre ele.
***   ***   ***
"Ezequiel Moreno y Diaz nasceu no dia 9 de abril de 1848, em Alfaro Terazona, Espanha. Seus pais, honrados e piedosos, deram aos cinco filhos uma educação cristã. Ezequiel percebeu, desde criança, o chamado de Deus à vida religiosa e missionária.
Seguindo o exemplo do seu irmão mais velho, Eustáquio, em 1864 vestiu o hábito religioso no Convento dos agostinianos recoletos de Monteagudo, em Navarra. Tomou o nome de frei Ezequiel de Nossa Senhora do Rosário quando emitiu os votos solenes em 1866. Três anos depois, foi enviado para as Ilhas Filipinas, onde permaneceu por 15 anos, ganhando notoriedade pela integridade do seu apostolado missionário.
Em 1885, Ezequiel Moreno foi nomeado superior do Convento de Monteagudo, retornando para a Espanha. Após três anos, quando terminou o seu mandato, os irmãos da Colômbia pediram ajuda à Espanha e ele se ofereceu como voluntário. Nomeado superior da expedição de sete missionários, em 1888, partiu da Espanha em direção à América.
Antes de tudo, restabeleceu a observância das Regras religiosas nas comunidades da Ordem. Depois, trabalhou para a reativação das missões de Los Llanos de Casanare, exercida, anteriormente, pelos agostinianos recoletos.
Com cartas exaltando a necessidade e o valor das missões, despertava o entusiasmo do governo e das autoridades eclesiásticas, além de estimular o ânimo dos religiosos.
Ezequiel Moreno foi consagrado bispo de Pinara e vigário apostólico de Casanare em 1894. Pretendia acabar ali os seus dias, porém Deus o tinha destinado para uma tarefa mais árdua e delicada. Um ano depois, foi nomeado bispo de Pasto. O novo ministério foi seu verdadeiro calvário, sendo submetido a humilhações, menosprezo, calúnias, perseguições. Chegou, em algumas circunstâncias, a experimentar momentos de abandono por parte dos seus irmãos do clero.
Assim, para pôr um fim às polêmicas existentes, em 1898 foi para Roma apresentar sua renúncia ao papa Leão XIII, que não aceitou. Teve, então, de retornar à sua sede episcopal, onde, além dos novos ataques pessoais, esperavam-no as aflições da sangrenta guerra civil que se desencadeara.
Adoeceu em 1905, passando por um rápido e sofrido final, acometido por um câncer agressivo no nariz, depois de duas operações sem êxito feitas na Espanha. Morreu no dia 19 de agosto de 1906, na sua cela do Convento de Monteagudo, sendo sepultado na igreja de Nossa Senhora do Caminho, deste mesmo convento.
A fama de sua santidade difundiu-se entre os cristãos, sobretudo nos da Colômbia. Muitas curas, especialmente de câncer, foram atribuídas à sua intercessão, sendo beatificado em 1975. O anúncio de sua canonização foi feito pelo papa João Paulo II em 1992, na cidade de São Domingos, quando apresentou santo Ezequiel Moreno y Diaz ao mundo como exemplo de missionário e pastor, na festa do V Centenário da Evangelização da América".
(Fonte dos dados acima: Livraria Paulinas).
 Santo Ezequiel Moreno, Agostiniano Recoleto, missionário, bispo e protetor contra o câncer

22 agosto 2017

Lula exibe diploma com erros de português; universidade nega entrega do certificado

Fonte: jornal O Estado de Minas
Imagem foi compartilhada pelo sociólogo Emir Sader no Twitter. Internautas fizeram piada sobre o documento do ex-presidente
Em caravana pelo Nordeste, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem recebido diversas homenagens. Entretanto, uma em especial trouxe dor de cabeça ao petista. Para o próximo dia 30 está previsto o recebimento de novo diploma "Doutor Honoris Causa", na cidade de Crato (CE), título  desenterrado pela atual administração da Universidade Regional do Cariri. A concessão dessa homenagem foi concedida em 2002, há 15 anos, pela então reitora Violeta Arraes


Em foto publicada pelo sociólogo Emir Sader no Twitter, Lula exibe um diploma com erros de português. O documento tem identidade visual da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), inaugurada pelo ex-presidente em 2006. Entretanto, em nota, a UFRB nega a entrega do título.
Apesar de pequeno, o texto tem dois erros gramaticais. O primeiro deles é a separação entre sujeito e predicado por vírgulas. “A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, concede ao maior presidente da República Federativa do Brasil, senhor Luiz Inácio Lula da Silva, o torneiro mecânico, o título de doutor honoris causa”, diz o documento.
Já o segundo erro está na assinatura, na qual se lê “dicentes da UFRB”, em vez de "discentes". Outra possibilidade seria "docentes", que são os professores da universidade.
O acontecimento chamou atenção dos usuários no Twitter. Vários comentários críticos ao ex-presidente foram mencionados a Emir Sader.
Na semana passada, o ex-presidente foi impedido de receber o certificado. Por decisão da Justiça Federal, o evento, que seria realizado na cidade de Cruz das Almas, foi cancelado.
De fato, a imagem compartilhada na rede social não tem a assinatura do reitor da UFRB, Silvio Soglia. Dessa maneira, tudo indica que o material tenha sido entregue informalmente.

Conversando com Helder Macário -- (por Pedro Esmeraldo)

       
   Fiquei um pouco envaidecido, quando recebi o seu folheto contendo palavras elogiosas que você fez sobre minha pessoa. Senti uma sensação de alegria. Ao mesmo tempo, obtive segurança, já que me serviu de utilidade para desdobrar meu pensamento em defesa esse município.
    Noto que, ultimamente, Crato passa por uma das piores fases de mudanças do comportamento ético, isto é, cada um do estado que releva a grandeza ou arrefecimento quando se encontra nesse período, ou quando se sobressai com evolução sistemática do tempo. Com isso, quero dizer que, em certo tempo para cá, o município de Crato sofreu mudança de ritmo acelerado com o desenvolvimento equilibrado.
            É uma pena, mas o que eu posso fazer? Se o cidadão cratense não reage aos estímulos! Esse é meu modo de pensar: a única solução que há é lutar, lutar, lutar... mas isto, às vezes, se torna em vão, já que o povo desse município anda aparvalhado e parece que não há sentimento evolutivo de querer atentar esse povo que anda com o espirito alheatório e não conquista o processo gradual do desenvolver, pois anda desanimado e não deseja acompanhar o processo do desenvolvimento moderno, pois poderia atinar o crescimento com trabalho nobre e eficiente.
            O que faço atualmente, é querer cumprir com fidelidade e eficiência. A minha vontade de possuir é o desejo de ver, o crescimento acelerado do Crato com o barco dentro da velocidade progressista, podendo importá-lo a fim de ver novamente assumindo o comando do polo regional. Desejaria que evoluísse e obtivesse lutadores amigáveis com anseio de ver este município crescer no meio progressista com crescimento rápido e periódico. Dessa vez devo partir para o trabalho insano, alertado pelo desenvolvimento alternativo, visto que, deve fazer qualquer coisa que tenha o alcance do município. Mostrando a todos que Crato merece mais respeito e não é aquele que se pensa dele, mas hoje, vê-se que Crato foi e será grande município do Nordeste.
            Hoje há uma câmara de vereadores que possui poucos vereadores capacitados e um pouco desequilibrados, nada faz a não ser praticar o mexerico, na praça Siqueira Campos. Não ajuda seus efeitos com trabalhos dignos. Vive de braços cruzados, criticando e humilhando seus adversários. Acham que se elevam a moral, não praticam a estética e não há trabalho bem conceituado.
            Lembro muito bem senhor Helder que a praça Siqueira Campos era orlada com arvores bonitas e bem cuidadas, não havia fofoca e quem por lá passava era para apreciar as belezas naturais dos fícus benjamim e respeitar condignamente Jardim que havia na praça.
            Esse período demorou por muito tempo, até quando os trogloditas tomaram de conta da cidade. Aí as coisas se desgrudaram e mudaram o pensamento do povo. Aí surgiu o mexerico comandado por imensa legião de pessoas de baixo caráter que transmitia o fuxico irreconhecível por todos. Infelizmente essa história triste de se contar, pois começou a derrocada do Crato e as pessoas se acotovelaram diante desses homens que nada transmitiram e deixavam todos desalentados sem coragem de enfrentar o batente.
            Note prezado Helder como o Crato Sofreu nesse período conturbado de indiferença causada por esses homens que viviam sem projeto e sem ânimo para enfrentar os atoleiros que apreciavam e impediam o Crato de manchar no caminho do desenvolvimento.
            Por isso senhor Helder, há muito tempo, desde o período da minha infância, venho com muita vontade de agir, procurando movimentação periódica, seguindo o caminho do progresso deste torrão.
Embora aqui, há pessoas interessadas pra trabalhar em prol do Crato, mas não encontram apoio como esse cratense adotivo, filho de pais cratenses, anda esquecido pelos poderosos incompetentes que não é aproveitado para nada. É uma pena, pois esse senhor tem grande capacidade de trabalho e é dinâmico, tem grande conhecimento na agricultura e poderia ser aproveitado nessa área agrícola do município do Crato. Foi militar da Academia Militar Agulhas Negras, adquirindo vasto conhecimento e muita capacitação de promover muitos trabalhos, podendo ser aproveitado na secretaria de Agricultura. Chama-se Helder Macário de Brito, um brilhante lutador.

Pedro Esmeraldo




Edições Anteriores:

Novembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30