xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> Um fato pouco conhecido da história do Brasil | Blog do Crato
.

VÍDEO - Em breve, estaremos de volta com as novas transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, alguns programas ao vivo ). O modelo será mais ou menos como no vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos em que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

15 julho 2017

Um fato pouco conhecido da história do Brasil

Um grupo de brasileiros acompanhou voluntariamente a Família Imperial ao exílio


Após o golpe de 15 de novembro de 1889, que implantou a República no Brasil contra a vontade popular, a Família Imperial Brasileira foi forçosamente exilada. A bordo do vapor Alagoas, que levou o Imperador Dom Pedro II e sua Família para a Europa, seguiram também outras personalidades, que decidiram se auto-exilar, por amizade e respeito ao Soberano deposto.
Foram o Conde de Mota Maia, médico da Casa Imperial e amigo pessoal do Imperador; o Barão e a Baronesa de Loreto, esta última, Dona Maria Amanda Lustosa Paranaguá Dória, amiga de infância da Princesa Imperial Dona Isabel; o Barão e a Baronesa de Muritiba, que foram, respectivamente, o último Procurador do Império e Dama do Paço Imperial; e o engenheiro negro e abolicionista André Rebouças, que teve seus estudos pagos pelo Imperador e com quem o Soberano passava horas conversando.
Esses “exilados voluntários”, junto a outros brasileiros que chegaram depois, e outros que já se encontravam na Europa, formavam uma espécie de Corte Imperial informal no exílio. Outros tantos monarquistas fiéis, que permaneceram no Brasil, serviam como canal de comunicação entre a Família Imperial e os brasileiros, como os membros do Diretório Monárquico do Brasil, organizado, em 1890, pelo Visconde de Ouro Preto, último Presidente do Conselho de Ministros do Império.
A “Lei do Banimento” (Decreto número 78-A, de 21-12-1889), que proibia os membros da Família Imperial de retornarem ao Brasil, foi revogada em 1920, pelo então Presidente da República, Dr. Epitácio Pessoa (Decreto número 4.120, de 3-9-1920). Entretanto, devido a dificuldades da ordem prática, causadas justamente por esse banimento injusto – se não inconstitucional, e que foi o mais longo exílio político da história do Brasil –, a Família Imperial permaneceu vivendo em situação de exílio até 1945.
Foto: Dona Maria José Velho de Avelar Vieira Tosta, Baronesa de Muritiba (sentada), junto ao Príncipe Dom Pedro Henrique de Orleans e Bragança, então Chefe da Casa Imperial do Brasil, sua mãe, a Princesa Imperial Viúva do Brasil, Dona Maria Pia de Bourbon-Sicílias de Orleans e Bragança, e irmãos, o Príncipe Imperial do Brasil, Dom Luiz Gastão de Orleans e Bragança, e a Princesa Dona Pia Maria de Orleans e Bragança, em foto tirada em Cannes, França, no ano de 1927.

Postado originalmente no Facebook do Pro Monarquia

0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30