xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> Previdência corrói as contas | Blog do Crato
.

VÍDEO - Em breve, estaremos de volta com as novas transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, alguns programas ao vivo ). O modelo será mais ou menos como no vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos em que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

03 julho 2017

Previdência corrói as contas

Editorial de "O Estado de S.Paulo",03-07-2017.
Com novo recorde negativo nas contas públicas, fica mais uma vez comprovado o enorme desarranjo da Previdência Social



Com novo recorde negativo nas contas públicas, fica mais uma vez comprovado o enorme desarranjo da Previdência Social. Não há como negar, com base nos números, a urgência de uma reforma. Em maio, o governo central teve déficit primário – sem a conta de juros – de R$ 29,37 bilhões. No ano, o buraco chegou a R$ 34,98 bilhões. Os dois números são os maiores, para o mês e para o período, da série iniciada em 1997. O Tesouro Nacional e o Banco Central (BC), no entanto, contabilizaram superávit de R$ 35,04 bilhões em cinco meses. Esse valor ficou muito longe do necessário para cobrir o déficit previdenciário acumulado de janeiro a maio, de R$ 70,03 bilhões. Esse balanço do governo central, formado por Tesouro, BC e Previdência, mostra apenas a diferença entre receitas e despesas ligadas ao funcionamento da administração, sem os custos financeiros e sem a indicação das necessidades de financiamento.
A meta de R$ 139 bilhões como limite para o déficit primário neste ano parece muito difícil, em vista dos números muito ruins acumulados até maio. Bateu em R$ 167,6 bilhões o saldo negativo acumulado em 12 meses pelo governo central, de acordo com o balanço divulgado pelo Tesouro. Será difícil, estimam vários analistas, evitar um aumento da tributação, se o governo insistir em alcançar o resultado prometido para 2017. Se necessário, o governo tomará esse caminho, admite o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, evitando, no entanto, falar sobre detalhes. A hipótese também foi admitida pela secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, ao apresentar os últimos números.
O resultado de maio, segundo a secretária, foi agravado porque o governo decidiu antecipar para maio e junho pagamentos de precatórios antes previstos para o fim do ano. Isso gerou uma despesa adicional de R$ 10 bilhões em maio. Em junho serão pagos mais R$ 8,9 bilhões. A decisão, explicou, permitirá economizar uma correção entre R$ 600 milhões e R$ 700 milhões. Mas nem com essa explicação as perspectivas ficam melhores, porque a evolução da receita continua refletindo a lenta recuperação da atividade.
 cenário fica mais preocupante quando se considera a insegurança gerada pela crise política. Apesar de leves sinais de melhora na oferta de empregos, a incerteza ainda refreia o consumo, assim como as decisões empresariais de aumentar estoques e de incorrer em riscos maiores.
Levando em conta esse quadro e a incerteza quanto à rapidez na aprovação de reformas, economistas do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) estimam expansão de 0,3% para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2017 e de 2,3% em 2018. Os Ministérios econômicos também devem rever a projeção oficial de crescimento, segundo adiantou há poucos dias o ministro da Fazenda. O novo número deverá ficar abaixo de 0,5%.
O cenário geral do setor público, apresentado pelo BC, é também muito ruim. O balanço consolidado, incluindo as contas do governo central, das administrações estaduais e municipais e das estatais, excetuadas Petrobrás e Eletrobrás, apontou um déficit primário de R$ 30,74 bilhões em maio e resultados negativos de R$ 15,63 bilhões no ano e de R$ 157,71 bilhões em 12 meses.
Os saldos primários calculados pelo pessoal do BC correspondem às necessidades de financiamento. Com a inclusão dos juros, obtêm-se os saldos nominais, com déficits de R$ 190,71 bilhões no ano e de R$ 588,60 bilhões em 12 meses. Este valor corresponde a 9,22% do PIB, mais que o triplo do observado na União Europeia. Resultados positivos obtidos pelos governos subnacionais melhoram um pouco o conjunto dos saldos primários. Pelo critério do BC, o déficit primário do governo central ficou em R$ 34,82 bilhões no ano.
O endividamento piorou. A dívida bruta do governo geral chegou a R$ 4,63 trilhões, ou 72,5% do PIB, com alta de 1,2 ponto de abril para maio. A projeção para 2017 subiu de 76,2% para 77,5% do PIB, disse o chefe adjunto do Departamento Econômico do BC, Fernando Rocha. Conter o endividamento, um dos objetivos centrais do governo, tomará mais tempo.

0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Setembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30