xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> O barqueiro de Dante - Por: Emerson Monteiro | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

27 junho 2017

O barqueiro de Dante - Por: Emerson Monteiro

No livro A divina comédia, obra-prima de Dante Alighieri, ao canto III, tocam os Poetas as portas do Inferno, lá onde terríveis palavras se acham postas logo no vestíbulo, ao encontro das almas dos que não foram fiéis a Deus. Depois chegam ao Aqueronte, onde avistam Caron, o barqueiro infernal que transporta à outra margem os danados que serão submetidos ao suplício. Nessa hora, treme a terra, lampeja uma luz, e Dante cai sem sentidos.

Ele, ali, o barqueiro da outra margem, conduz as almas dos condenados ao castigo da Eternidade, culpados pela consciência enlameada na ilusão pecaminosa. Derradeira paisagem de olhos assim tostados, apenas desmancham, no abandono, pálidas saudades largadas ao chão, quais máscaras do perjúrio, e aceitam do inevitável a lembrança para sempre naquilo que haveriam de ser, porém jamais que fossem, na opção dos espúrios condenados. Submersos, pois, na escuridão, já afrouxam a carne infeliz depositada às ondas do Mar da Morte e sua solidão definitiva. Deixai, ó vós que entrais, toda a esperança, diz o letreiro visto à porta.

Aqueles destinos arbitrados na ribeira do outro lado regressam apenas ao pó donde nunca daí foram tirados, mas oportunidade bem tiveram, e jogaram fora ao sabor dos retalhados enxofres. Enquanto isto, o velho barqueiro cumpre o furor da perdição de os levar, no cumprimento das sentenças. De olhos tristes, Caron segue o curso, na profissão dos executores das penas, gesto próprio de almas obedientes, a rever no dia tantos que o barco transportara, que nem desgosto disto poderia ter. Eis a entrega dos desvalidos aos lucros amargos das trevas que lhe fora determinado tutelar, naquela missão dos extremos, nos portais do Inferno.

E Dante ouve em si as notícias do esquecimento dos liquidados ausentes: Como no outono a rama principia \ as flores a perder té ser despida, \ dando à terra o que à terra pertencia... 

(Ilustração: Inferno, de Botticelli).

0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Maio ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31