xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> Indústria prevê que economia encerre o ano com estabilidade | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

02 junho 2017

Indústria prevê que economia encerre o ano com estabilidade


Com agenda intensa no Ceará ontem (1º), o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson de Andrade, passou mensagem de otimismo e esperança a empresários cearenses neste momento de dificuldade política e econômica. Para ele, mesmo diante do cenário de instabilidade, o País já começa a mostrar sinais de retomada do crescimento, tendo o Produto Interno Bruto (PIB) registrado crescimento de 1% no primeiro trimestre deste ano.

Durante almoço realizado na Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), em Fortaleza, Andrade disse que a economia nacional deverá ficar estável em 2017, com crescimento zero, "o que já vai ser muito bom na comparação com 2016". Afirmou que a indústria, um dos setores que mais sofrem com a crise político-econômica, começará a se recuperar com maior intensidade a partir do próximo mês de dezembro, chegando a crescer 4% em 2018, com o "PIB médio ficando entre 3% e 3,5%". "Nós temos uma reunião que fazemos com 104 CEOs de grandes empresas, realizada a cada três meses em São Paulo. Na última reunião, a expectativa dos empresários foi que os juros vão estar em torno de 8%, com uma inflação de 4%. Para nós, isso é muito otimista e estimulante. Vamos, sim, recuperar a economia do Brasil neste ano e nos próximos", apontou.

Em relação ao desemprego, cuja taxa continua em ascensão e atingiu 13,65% em abril, Andrade destacou que o problema será resolvido à medida que a confiança do empresariado aumentar, algo que, em sua opinião, já pode ser observado. Segundo ele, a indústria já começou a ocupar a capacidade ociosa de produção, as exportações nacionais vêm aumentando significativamente e o consumidor está mais confiante. Porém, diz que a volta do emprego só poderá ocorrer em médio prazo e depende de mudanças como a reforma trabalhista. "Os empregos dependem, principalmente, dos investimentos. Tudo isso acontece quando existe confiança que o País vai crescer e que o empresário pode empregar porque vai ter para quem vender. Por outro lado, a volta dos empregos também está ligada a uma possível reforma trabalhista, porque, hoje, para contratar mão de obra, existem muitos problemas. A nossa justiça do trabalho legisla, cria jurisprudência e atua de forma diferente nas regiões do País. Como não há uma regra, isso cria muita insegurança jurídica. Com a aprovação da reforma, certamente, teremos mais empresas com intenção de contratar".

Denúncias contra Temer

Sobre as atuais denúncias envolvendo o presidente Michel Temer, o presidente da CNI preferiu ficar isento, mas pontuou que "qualquer irregularidade deve ser combatida". Por outro lado, falou que as notícias ruins divulgadas intensamente pela imprensa nacional cria um ambiente de pessimismo no País e desmotiva os brasileiros, "passando a imagem de que os empresários são muito parecidos com a classe política negativa, o que não é verdade". "Não é só com força policial e medidas judiciais que a gente faz as correções necessárias. Não é isso que vai fazer mudar a política brasileira e o cidadão brasileiro, mas a educação. No futuro, nós só vamos resolver essas questões éticas que temos enfrentado com a educação dos jovens hoje. Não é com sistemas de repressão", reforçou, chamando a atenção para a necessidade de apuração dos fatos.

Convergência

O presidente da Fiec, Beto Studart, ressaltou durante o evento que existe uma convergência entre os posicionamentos e interesses do empresariado cearense e da CNI, que visam ao desenvolvimento do Brasil e, consequentemente, do Ceará. "A CNI é a pilota número um de todas as grandes mudanças que o Brasil deve ter", acrescentou, dizendo que não existe qualquer interesse político-partidário dos empresários. Para Studart, mesmo com a turbulência no Congresso Nacional, as possibilidades de o País retomar o crescimento são grandes. O presidente diz que a economia está dando sinais de "uma certa independência em relação à política", com o preço do dólar caindo ante o real e o decréscimo na taxa básica de juros (Selic), que saiu de 11,25% para 10,25%, além de outros indicadores econômicos. "O ministro da Fazenda e o presidente do Banco Central continuam trabalhando e nós, empresários, acreditamos na retomada do crescimento. Em breve, vamos conseguir inverter essa curva. A crise política coloca em risco esse avanço, mas isso não quer dizer que vamos novamente para o buraco. A política está ficando meio ao largo". O presidente da Fiec está otimista em relação à aprovação da reforma trabalhista, "que é o primeiro ponto para o País retomar o emprego". Quanto à reforma previdenciária, outra mudança defendida por parte do empresariado, Studart acredita que a aprovação das novas regras deverá ser postergada, pois precisam de uma maior discussão.

Agenda

Na manhã de ontem, Robson de Andrade sobrevoou o Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp), com o governador Camilo Santana. À noite, o presidente da CNI seguiu para o Centro de Eventos do Ceará, onde abriu a Fortaleza Brazil Stone Fair.

Estímulo

"A expectativa dos empresários é que os juros estejam em torno de 8%, com uma inflação de 4%. É estimulante"

Robson de Andrade - Presidente da CNI
Fonte: Portal Verdes Mares




0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Maio ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31