xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> Santa Teresa de Jesus: uma devoção antiga na cidade de Crato – por Armando Lopes Rafael | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

16 maio 2017

Santa Teresa de Jesus: uma devoção antiga na cidade de Crato – por Armando Lopes Rafael

Capela de Santa Teresa, localizada em Crato. Foto: Dihelson Mendonça

Quem é Santa Teresa d’Ávila
“Teresa d’Ávila (também conhecida como Santa Teresa de Jesus), foi o nome que essa notável santa espanhola adotou quando entrou para o Carmelo. Ela  nasceu em 1515. Aos 16 anos, sua atração pelas vaidades do mundo era muito acentuada. Por isso, o pai a enviou para o colégio das agostinianas em Ávila. Uma doença grave a fez voltar para receber tratamento em casa. Nesse período, pela primeira vez, Teresa passou por experiências espirituais místicas e  conversas com Deus. Já com 20 anos, decidiu tornar-se religiosa. Foi para o Convento Carmelita da Encarnação, na cidade de Ávila”.
“Em 1560, teve a inspiração de recriar um novo Carmelo, onde se vivesse sob as regras originais. Dois anos depois, fundou o primeiro Convento das Carmelitas Descalças da Regra Primitiva de São José em Ávila, onde foi morar. Em 1580, o papa Gregório XIII declarou autônoma a província carmelitana descalça. A pedido de seus superiores, registrou toda a sua vida em livros. Neles, ela própria narra como um anjo transpassou seu coração com uma seta de fogo. Morreu no dia 4 de outubro de 1582, aos 67 anos, no Convento de Alba de Torres, Espanha”.
(Até aqui transcrevi uma matéria publicada no jornal “O Povo”, edição  de 15-10-2009)

O culto de Santa Teresa d’Ávila em Crato
No dia 31 de outubro de 1923, há 94 anos, era inaugurada na cidade do Crato a capela de Santa Teresa de Jesus, felizmente conservada, até hoje, como originalmente foi entregue ao povo católico da “Cidade de Frei Carlos”.
Devemos a construção dessa capela à Cruzada Carmelitana, uma associação religiosa existente no Crato, fundada que fora em 1914, pelo então vigário da Paróquia de Nossa Senhora da Penha, Padre Quintino Rodrigues de Oliveira e Silva, o qual, um ano depois, seria eleito primeiro bispo da Diocese de Crato.
A Cruzada Carmelitana era formada por senhoras e jovens da sociedade cratense. Além da parte religiosa, seus membros desenvolviam uma grande ação social na comunidade. Na prática religiosa, basta destacar que as festas de Nossa Senhora do Carmo (16 de julho) e Santa Teresa d’Ávila (15 de outubro) eram comemoradas com grande pompa, precedidas de Tríduo Festivo e encerradas com uma missa solene. Tudo acompanhado pelo Coral das Teresinas, onde se sobressaía a maravilhosa voz de Iraídes Gonçalves. De tudo isso só nos restam as gratas lembranças e poucos registros históricos...
Foi notável o empenho da Cruzada Carmelitana na construção da sua capela. As ricas obras talhadas em madeira de lei (altar-mor, quatro nichos laterais, confessionário, sólio episcopal, bancada e grade do altar) foram esculpidas por Mestre José Lucas, conhecido artista cratense. Tão bonito é o sólio episcopal que, posteriormente, ele foi cedido à Sé Catedral, onde ainda hoje está, tendo servido aos seis bispos que foram titulares da Diocese de Crato.
As imagens dessa capela foram adquiridas na Itália. No altar-mor está o “Trio Carmelitano”: Santa Teresa d’Ávila pontifica como padroeira, tendo ao seu lado Nossa Senhora do Carmo e São José. Os quatro nichos laterais abrigam as estátuas de São João da Cruz, Santa Teresinha do Menino Jesus, São Geraldo e São Quintino.
Toda a construção e acervo da capela de Santa Teresa foram viabilizados no primeiro quartel do século passado, quando o Crato vivia longe (e quase isolado) dos grandes centros do Brasil. Naqueles tempos, as estradas e os meios de comunicação eram precários e a nossa economia dependia unicamente do produzido nas fainas agrícolas e na incipiente pecuária da época. Mas o importante é que o povo tinha fé!
Tanta, que este pequeno templo de Santa Teresa de Jesus continua aí, para atestar essa fé...

Texto e postagem de Armando Lopes Rafael

0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30