xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 13 de maio: 200 anos do casamento do Imperador Dom Pedro I com a Imperatriz Leopoldina | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

15 maio 2017

13 de maio: 200 anos do casamento do Imperador Dom Pedro I com a Imperatriz Leopoldina

Além da data da 1ª Aparição de Nossa Senhora em Fátima (100 anos atrás) e do 129º  aniversário da Lei Áurea que libertou os escravos, o Brasil comemora hoje 200 anos do casamento do então Príncipe Dom  Pedro e a Arquiduquesa  Leopoldina.

Há 200 anos, no dia 13 de maio de 1817, casaram-se, por procuração, o Príncipe Real de Portugal, Brasil e Algarves, Dom Pedro de Alcântara de Bragança, e a Arquiduquesa Leopoldina da Áustria, da Casa de Habsburgo.
O noivo era filho do Rei Dom João VI, Soberano do recém-criado Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, que já despontava como uma futura grande potência, e da Rainha Dona Carlota Joaquina. A noiva, filha do Imperador Francisco I da Áustria, último Soberano do Sacro Império Romano-Germânico, chefe da mais importante Dinastia da Cristandade, e da Imperatriz Maria Teresa.
A cerimônia de casamento foi celebrada na Igreja de Santo Agostinho, localizada em Viena, próxima ao Palácio Imperial de Hofburg, de onde, desde o século XIII, os Imperadores administravam os vastos domínios dos Habsburgo. Na ocasião, o noivo foi representado pelo Arquiduque Carlos da Áustria, tio da noiva, que comandara as tropas do Exército Imperial na guerra contra Napoleão Bonaparte. A data escolhida, marcava o 50° aniversário do Rei Dom João VI.
A nova Princesa Real só chegaria ao Rio de Janeiro, sede do Império Português desde 1808, no dia 5 de novembro, sendo recebida com grandes festejos não só por seu marido e pela Família Real, mas por toda a população carioca – que, traduzindo os sentimentos de todos os brasileiros e portugueses, dava as boas-vindas à nobre dama que vinha unir seu destino ao de seu novo lar e de seu povo.
Não demorou para que a Princesa Real se apaixonasse pelo Brasil e pelos brasileiros, sentimento que compartilhava com seu marido, nascido em solo português, mas acolhido pelo Brasil e criado como brasileiro desde a infância. Com o retorno do Rei e da Rainha para Portugal, em 1821, o jovem Casal permaneceu aqui, com o Príncipe Real nomeado Regente do Reino do Brasil.
Abraçando por completo a nacionalidade brasileira, o Príncipe e a Princesa Reais logo se puseram à frente do movimento independentista, pois reconheciam que o Brasil, como o filho que atinge a maioridade e deixa a casa paterna, deveria se separar da Pátria-Mãe Lusa, mas conservando a tradição monárquica luso-brasileira e permanecendo uno no território, na cultura, na língua e na fé.
Sendo assim, a 2 de setembro de 1822, a Princesa Real, Regente interina na ausência de seu marido, assinou o decreto de Independência do Brasil, no Rio de Janeiro. Cinco dias depois, 7 de setembro, em São Paulo, o Príncipe Real deu seu imortal Grito do Ipiranga. O Brasil estava independente. Éramos uma Nação. Uma Nação que, no dia 12 de outubro, aclamou aquele jovem Casal como seu Imperador e sua Imperatriz, coroando seu novo Soberano a 1º de dezembro.
Como não poderia deixar de ser, a Bandeira do Brasil reúne o Verde dos Bragança e o Amarelo dos Habsburgo, demonstrando perpetuamente que nossa Independência foi um trabalho conjunto de todos os heróicos brasileiros de 1822, sob a alta liderança de seus Pai e Mãe Fundadores, Dom Pedro e Dona Leopoldina.
Deste insigne Casal nasceu o ramo brasileiro da Dinastia Bragantina, a Família Imperial do Brasil, que há quase 200 anos, a exemplo de seus ancestrais, vem se dedicando incansavelmente a servir à Pátria e ao povo, quer seja na Monarquia, no Exílio ou na República
(Postagem original no Blog Pró Monarquia)

0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Abril ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30