xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> A história de minha geração perdida - Por: Emerson Monteiro | Blog do Crato
.

VÍDEO - VÍDEO DE LANÇAMENTO - Em breve, as novas transmissões TV Chapada do Araripe. Espero que curtam o vídeo de lançamento abaixo, em que há uma pequena retrospectiva de alguns trabalhos, reportagens já feitas ao longo dos muitos anos que fazemos reportagens. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 24.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

07 abril 2017

A história de minha geração perdida - Por: Emerson Monteiro

Quais saídos todos pelas portas do mesmo colégio, em profusão famintos audazes sonhadores, espalhavam esperança pelas praças. Os professores alimentavam a manada com o elixir da longa vida e poderes sobrenaturais. Ninguém tiraria por menos, a menos que houvesse o que houve, de alguém deixar de dizer aos donos da floresta que eles eram todos encantados e dotados dos tais poderes mágicos. Que logo mudariam em festa, trabalho e pão a sociedade inteira, a partir do terreiro de casa. Sei que éramos melhores do que todos os outros super-heróis criados depois na indústria de massa.

Acreditávamos que tudo seria diferente a partir de nós, os agregados maiores da sorte impossível. Farrávamos só alegria o ano todo, isso longos dias, longas madrugadas, pelas quermesses, tertúlias e matinais. Os gênios da amplidão afinal haviam nascido diante do domínio das bestas insensatas. E tomaríamos territórios e territórios, e que viessem os demais.

Chegávamos aos tempos trágicos do Vietnam, quando reservistas fugiriam da grande nação americana rumo ao Canadá, à Suécia, rasgando os alistamentos. Aceitariam o inevitável do anonimato das lamas do Woodstock. Hippies espalhavam flores pelo mundo afora. A contracultura impunha derrotas ao sistema vigente. Amor livre, drogas campeando soltas nas tardes frias e noites de amargura, porres mil, alimentação oriental, jornais alternativos, mochilas e sacos de dormir viajando ao vento nos ombros emblemáticos dos dourados sonhadores, ausência de um tudo, guitarras ferindo as tradições, prisões, repressão, angústia e desespero.

Uns acharam indicado percorrer matas e organizar trincheiras. Outros montariam fazendas coletivas psicodélicas, institucionalização da pobreza e da fome, uma revoada geral de anjos alucinados pelos dramas de nenhuma possibilidade que demonstrasse a realização plena do sonho daqueles poetas cantores. Houve espécie de polarização nos festivais das canções, os autênticos das raízes populares e os santos das novas tradições urbanas, usufruto da cultura dos poetas das estradas.

No Brasil e noutros países latino-americanos, no entanto, o capitalismo internacional instalava os modelos dos regimes totalitários. O brilho desaparecera pouco a pouco, ao sabor das derrotas sucessivas. Só a saudade envolveu aqueles embriagados corações alucinados, final esse a lembrar com fidelidade poema clássico de Manuel Bandeira: - Estão todos dormindo / Estão todos deitados / Dormindo / Profundamente.

(Ilustração: Fotografia de John Olson, Hippies anos 60).

0 comentários:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.


Edições Anteriores:

Maio ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31